Follow by Email

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA K

Motumbá, Saravá, Kolofé meus (minhas) amigos (as) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ. Bom Dia!! 

Como já foi colocado estamos reformulando nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ. Portanto, assim que terminarmos de repostar a COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ, estaremos abordando temas como: OXÓSSI, OXUM, XANGÔ, IANSÃ (OYÁ), E, LOGUN-EDÉ, que também serão revistos no decorrer do mês completando assim a seqüência certa de nossas postagens. Esperamos que este mês seja de total sucesso como o mês anterior se mostrou ser.

E como não poderia deixar de ser, aqui estamos dando continuidade à colaboração de nosso amigo e COLABORADOR BABALORIXÁ EDSON DE OXUM, que nos presenteou com todo o DICIONÁRIO YORUBÁ


- recolher, dobrar, colher frutos, ao lado de, em torno de (Vd. NI APÁ
– enrolar, arregaçar (Vd. FIDI, WÉ, LÓ-PO
– ler, contar (Vd. KÀWÉ, KÀIYE, KÉ
KA – quintal (Vd. IKARÁ, EHINKUNLÉ
KAÀBÒ – bem vindo (Vd. KÙ ABÒ
KAANU – sentir pena de 
KABA - vestido de mulher 
KÁBÍYÈSÍ – cumprimento de respeito a um rei (Oba) 
KÁBÍYSÌLÈ – expressão de respeito a um chefe mais velho 
KADARA – destino (Vd. ODÚ, AYANMO
KÁ ÈSO – colher frutos 
KÀGÒ – pedir permissão para entrar em uma casa 
KÁÌ! - Ah! Oh! (interjeição) 
KA ÌWÉ – ler livro 
KÀIYE – contar números (Vd. KÀ, KÉ) 
KAIODÉ - nome de uma sacerdotisa de ÒSÓÒSÌ 
KAJÚ - caju 
KÁKO – madeira (Vd. ÍGI
KAKÍ – acabar 
KÀ-KÚN – envolver 
KÁLÀMÙ– caneta 
KALÉ – lá fora 
KALÈ - sentar 
KALÈ O – boa noite (Vd. O KÚ-ALÈ, E KÁALE, O DARÒ, E KÁASALÉ
KALO – vamos indo (vd. E JÉKALO!
KAN – uma, um (número cardinal), um entre muitos 
KAN– ácido (Vd. KIKANU
KÀN, KÀN ÌLÈKÙN – atingir, bater (à porta) 
KAN – amargo, azedo (Vd. WEWE
KANÁ – estar em chamas 
KÀNGA - poço 
KANGARU – canguru 
KÀN ISÓ – bater um prego 
KANKAN – rapidamente (Vd. FEFE, TETÉ, KÍAKÍA
KANKANFÔ - um dos Obá da direita de Xangô 
KÀN-LOGÙN – enfeitiçar (Vd. FI-AJÉ-UM, FIOSÓ-UM
KÀNNANGO – cavanhaque (Vd. IRUN ÈKE
KANNÚ – nervoso 
KANSOSO – sozinho, único (Vd. NIKAN
KANTÍKANTÍ – mosquito (Vd. EDINFIN
KARAHUN – concha (Vd. IKARAHUN, EYO
KARÉLE – Oxossi ligado à Oxum. 
KÀRÍKÁ – formiga preta 
KARÒ O – bom dia (Vd. EKARÒ, O KO-ARO, E KÀÁRÒ
KAROTI – cenoura 
KÁRÙN – ficar doente 
KASAN – boa tarde 
KASÉ – parar, ficar (Vd. SIMI, DA-DUKO, DÁ-DÚRO, DÚRO
KASÍ – convite (Vd. PIPE, SÁ
KASIKAN? – qual é o problema? 
KATABÁ – chapeleiro, charuto 
KATAKATA – aqui e lá 
KATUNGA – um dos reis de Oyó 
KAWE – ler livro, carta, estudar 
KÀWÓ – contar dinheiro, saudação, aclamação 
KE – contar (Vd. KÀ, KÀIYE
KÉ, KEGBE – gritar, chorar, esbravejar 
KEDÉ – roda (Vd. ÓKIRÍBITÍ) 
KEDERE – claro, clarear, esclarecer 
KEFÁ - sexto número ordinal 
KEFERÍ – incrédulo, pagão 
KEHIN - sobreviver 
KÉHÌNDÉ – o segundo gêmeo a nascer 
KÈHÌNSÍ – ser contra 
KEJILÁ - décimo segundo (número ordinal) 
KÈKÉ - bicicleta 
KÉKÉ ÉRÚ - ônibus 
KÉKERÉ, KÉRÉ – pequeno, ser pequeno (Vd. KÚRU
KÉKÉRÉ – arbustos e espécies rasteiras 
KÉKERÉ ODE – pequeno caçador 
KÉKÓ – aprender, estudar 
KELE – colar, aliança (Vd. ÌLÈKÈ, ILEKE-ORUN
KEMI – adule-me 
KÈRÈGBÈ – cabaça (Vd. IGBÁ
KÉRÉ JÙ - menor 
KERE KABA - vestido de mulher 
KEREMO – grandão 
KEREWU – bracelete (Vd. ÈGBÀ
KERÍ – abominar, odiar, detestar (Vd. ÌRÍRA SAIFÈ, KÓRÍRA
KETÀ - terceiro (número ordinal) 
KETEKETÉ – asno 
KÉTÉKÉTÉ ONÍLÀ - zebra 
KÉTU – cidade à oeste de Dahome no sul de Porto Novo e à leste de Egba. Também dá nome a uma nação do candomblé no Brasil 
– cumprimentar, felicitar, visitar, que (Vd. KÍI – cumprimentou-o) 
– grosso 
KI – não (advérbio de negação), abarrotar (Vd. KÒ, TÍ, BÉÈKO
KIA - vem, rápido (do verbo ir) (Vd.
KÍÁKÍÁ – rapidamente (Vd. FEFE, TETÉ, KANKAN
KIAKIA – cedo (Vd. KUTUKUTU) 
KIBITI – redonda (Vd. REPÓ, REPOMÓ, RIBITI, BIRIKITI
KIBO – enfiar (Vd. FIBAKÓ, TIBO
KÍGBE, IGBE – gritar 
KÍGBE MÓ – gritar com alguém 
KÌÍ – se não é (quando não for aquela pessoa negativa do vergo jé = ser) 
KIJÓ – abatido 
KIKÀ - enrolado 
KIKANU – ácido (Vd. KAN
KÍKO – escrito 
KIKÚ, KIKÚN - mortal 
KIKUN – abundância, fartura 
KIKUNÁ – erro 
KÍLÒ – quilo (medida de peso) 
KILÒ FUN – avisar 
KÍ MÁ BA - a fim de que não, por que não 
KÍNI – o que? Que? 
KÌNÌUN - leão 
KÍNLA! – o que! 
KIOSE, KIORIBE – talvez (Vd. BÓYÁ, ABOYÁ
KÍOTÓ - antes de 
KIRUN – orar, rezar (Vd. GBÀDÚRÀ
KÍ-TÓ – antes que 
KIUN - miúdo 
KIYESI! - atenção!, sentir, perceber, observar 
– rejeitar, construir, não (advérbio de negação), reunir (Vd. KI, TÍ, BÉÈKO
KO – não ser (partícula negativa, usada com o verbo ser) 
KO – areia, solo 
– aprender, adquirir, escrever, ensinar, lecionar, tossir, cantar (Vd. WÚKÓ, ERÚ, KÒWÉ) 
KO DAJU – dúvida 
KOFÍ – café (Vd. OMI DUDU
KÒ GA, KÚRÚ – ser baixo 
KÓ ÌWÉ – escrever no papel 
KOJÁ – passar (hora), passado (Vd. SEHIN, IGBANÍ
KOJÁ, KOJÁDE – acima (nas alturas). 
KÓ-JINLE – aprofundar 
KÒ-JÙLO – mais do que 
KOKEN – galinha da angola (Vd. ETÙ
KÓKÓ – cacau 
KÒKÒ - cachimbo 
KOKO-ÒRÒ – fato, palavra chave 
KÓKÓRÓ – chave 
KÒKÒRÒ – inseto, mosca (Vd. ESINSIN
KÒLA – noz de cola amarga sagrada para a maioria dos Orixás 
KOLABÁ - nome de uma sacerdotisa do culto de Xangô. 
KÓLÉ – assaltar uma casa 
KÓ-LEKÓ – doutrinar, educar 
KOLOFIN - marginal 
KOLOJÚ - inseguro 
KOLOKOLÓ – baixo, debaixo, raposa 
KÓLÒLÒ – gaguejar 
KÓLÙ – atacar, enfrentar, confrontar 
KÒNA – esquina (Vd. ORIGUN) 
KONDO – cassetete 
KÒNKÒ – sapo (Vd. ÒPOLO
KOPANIJÊ - um toque especial do orixá Obaluaiyê 
KO PO – juntar (Vd. WINRIN, DAPOMÓ
KÓRÈ – recolher, colher 
KORIBÈ – amém 
KORÍKO – grama, capim 
KÓRIN, KUNRIN – cantar cânticos 
KÓRÍRA – odiar, aborrecer, detestar (Vd. KERÍ, SAIFÈ, ÌRÍRA) 
KORÒ – amargo 
KORÓ – lugar, vala (Vd. OGBUN
KOSÈ – amém 
KÒ SÍ – não há, não tem, não está 
KÒ SÍLÉ – divorciar 
KOSOKO – sucessor legítimo e oponente de Oluwole na sucessão à chefia de Lagos 
KOSORO – fácil 
KÒ TÍÌ - ainda não 
KOTÌNÌ - cortina 
KÒ TÓ – menos que 
KÒTÒ – buraco (Vd. IHÀN, ISÀ, IHÒ
KÒ TÒPÉ – de nada, não há de quê 
KOTU– paletó (Vd. ASO ÌLÉKÈ
KÒWÉ – escrever (Vd. ERÚ) 
KOSERÊ - que seja feliz, e que tudo de bom aconteça. 
KPO – misturar ou temperar o barro (o barro que criou o homem) 
KPOKPO – quem mistura e tempera o barro para criar o homem. Atribuído à Obatalá 
KRA – espíritos guardiões que entra na pessoa ao nascer 
KRADU – Cidade da Nigéria 
– morrer, falecer (Vd. PALARO
– faltar (horas), sobrar 
KÚ ABÒ – bem vindo (Vd, KAÀBÒ
KU ÁLÈ – boa noite 
KU ARÓ – bom dia 
KUBUSÚ – tapete (Vd. ASO TITÉ SÍLÈ
KUIPÀ – tecido rústico 
KU ÌROLE, KUROLE – boa tarde (Vd. KU ÒSAN) 
KUJASÍ - enfrentar 
KUKÙ – espiga de milho 
KÚKÙ – cozinheiro (Vd. ALASÈ
KUKURU – baixo 
KULÈ – emigração dos povos 
KULÉKULÉ – raiz (Vd. GBÒNGBÒ
KÙMÒ, EGBÉ - clube 
KÚN – cheio (Vd.
KUN – cortar o animal em pedaços, pintar 
KÙNA - fracassar 
KÚNLÈ - ajoelhar-se 
KUNLÉ – rebocar ou caiar uma casa 
KUNLÓRUN – acalentar 
KUNLOWO – ajudar, encontrar 
KUNRIN – cantar (vd. KORIN) 
KU ÒSAN – boa tarde (Vd. KU ÌROLE
KUREKERÈ – fada, espírito (Vd. ALÙJONÚ, ÀRONI, EGBÉRE, IWIN
KÙREKÙRÉ – fada, anão 
KÚRÒ – deixar um lugar 
KUROMU - redondo 
KURÒ NIBÉ! – Fora! (Vd. LÒ KURÒ ¡!!, LÓ– fora!!!!
KÚRÚ – curto, baixo, pequeno (Vd. KÉKERÉ, KÉRÉ
KUSO – cidade onde Xangô morreu 
KUTUKUTU – cedo (Vd. KIAKIA)

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA J

Estamos nos empenhando para terminar logo a repostagem da COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ. Uma colaboração de nosso querido CO-AUTOR BABALORIXÁ EDSON DE OXUM

É válido lembrar que APRENDER nunca é dimais. Mas uma de nossas metas é nunca passar aquilo que nos é permitido. Afinal de contas a nossa RELIGIOSIDADE é em sua maioria realizada na prática. 

Desta forma, aquilo que for mencionado, mas for deixado em parte bem básica o que indicamos é que procurem o seu BABALORIXÁ ou até sua IYALORIXÁ, a fim de sanar maiores dúvidas. A COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ mesmo tendo como irão ver todas as letras não contém tudo. Pois assim como o restante nada melhor que exercer na prática o exercício de saber pronunciar o DIALETO YORUBÁ, sendo o mesmo utilizado dentro das CASAS DE ASÉ.

Desta forma, vamos dar continuidade pela LETRA J, a fim de que todos possam acompanhar nossas postagens.

– partir, levantar-se, arrancar, pegar (folhas), descobrir, lançar no alto (Vd. GBÉRÁ
– brigar, lutar (vd. OWERÉ
JÁDE – sair, deixar um lugar 
JADE – abanar, soprar, ventar (Vd. AFÉ, FÉ
JÁDE ÈKÓ – formar-se, graduar-se 
JÁDE LÓ – ir embora, sair 
JÁDEOGUN - preparar o combate 
JÁDI - atacar 
JÁFÁFÁ – ser ativo 
JÁ-GBÀ - arrancar 
JAGUN – guerrear, soldado (Vd. OGUN, AGBEBÓN
JAGUN-JAGUN – guerreiro 
JAI – muito (Vd. NINI
JÀ JÁGBÓN - Arrancar, descobrir 
JAJE – morder (Vd. RÉ, BÙ-SAN, GE-JE BUNIJE) 
JAKÓ – macaco (Vd. AKITI, OBO
JAKUTA – já = lançar, okuta = pedra – “lançador de pedras” atribuído à Xangô 
JALÈ – roubar, furtar (Vd. IFEWÓ, FEWÓ, OLÉ, JÍ
JALÓ – adivinhar 
JALUMI – imergir (Vd. TEBOMI
JÁNÀ - Entrar no caminho 
JAPORÓ – sofrer, estar em agonia (Vd. JÌYÁ, JORÓ
JÁRÓ - Descobrir a mentira 
JÁTO – babar (Vd. DÁTO
JÁWÉ - Arrancar folha 
JE – comer (usado para dizer que tipo de comida está comendo), ganhar 
– é (verbo ser), acordar 
JEBU – reino sul-oriental dividido em duas províncias: Jebu-remo também chamado de Ode e Jebu ou Offin cujo chefe se intitula Awujale 
JE-EWO – má sorte causada por uma violação de uma regra 
JEGBEJEGBE – mal (maldade) (Vd. NISEKESÉ, BUBURU, BILISÍ
JÈJÈ – brando, rogar uma praga (Vd. OGERÒ, TUJÚ
JÉKÍ – permitir, deixar, conceder, largar (Vd. FI-SILE
JELÚ – Um dos nomes pelos quais é conhecido Èsù Àjelú ou Ijelú. 
JE-NÍGBÈSÈ – dever, endividar 
JÉ-NÍYÀ – flagar 
JÈRE – faturar, ganhar 
JÉRE – obter (Vd. NI, RIGBÁ
JERÍ – testemunha (Vd. ERÍ, FOWOSOYA
JE SII JE SI – Saudação à Ogun (Nos sustente!) 
JÈTÈ – beijar (Vd. FENÚKÒ, FENUKONU, FAMORÁ
JE TÉTÉ – ganhar (na loteria) 
JEUN – comer algo 
JEUN ÀÁRÒ – lanche matinal 
JEUN ALÉ – jantar (Vd. ONJE-ÁLÉ
JEUNKOKÚ - comilão 
JEUN ÒSÁN – almoçar 
JÉ WÓ – confessar, falar a verdade, admitir 
JI – despertar, acordar 
– roubar, aceitar (Vd. JALÈ, IFEWÓ, FEWÓ, OLÉ) 
JIGI - espelho 
JIJÁ – quebrado (Vd. RIRUN
JIJE – comida pronta 
JIJÓ – dança, perda (Vd. ÁDANÚ, IJÓ
JIJONÁ – queimação 
JIKELEWI - borrifar 
JINLÉ – obscuro (Vd. SUJU, ÀILOKIKÍ
JÌNNÀ, JIJIN – estar longe 
JINSI - título sacerdotal 
JÌYÁ – sofrer, estar em agonia (Vd. JAPORÓ, JORÓ
JIYÀN - discutir 
– dançar, queimar, rogar 
JO – parecer, manifestar, vazar 
–peneira, pedir desculpas (Vd. ALADIRO, SÉ, BÈJO ARA WON – por engano 
JOBA – governar, reinar (Vd. DARÍ, IJOBÀ
JOBAIBAÍ - tremer 
JOBI - título sacerdotal 
JOÉ - aquele que possui título 
JÒGÁ – chefiar 
JOGUN – possuir 
JOJOJÓ – recém-nascido 
JOJÚ – justo, ultrapassar (Vd. YARÍ
JÓKO – sentar 
JOLÒ – tenro (Vd. RO
JORÓ – sofrer, estar em agonia (Vd. JAPORÓ, JÌYÁ
JÒWÓ – por favor 
- Jogar fora, atirar 
JÚBÀ – adorar, reverenciar 
JÙBEELO - além disso 
JÙ GBOGBO LO – mais que todos 
JÙ GBOGBO WON – mais que todas as pessoas 
JÙ-LO – mais que, ter mais 
JÙMÒ – junto Vd. MORA, SIBIKAN
JÙ ÒKÚTA – jogar uma pedra 
JU-SILE– largar (Vd. FÍ MI SILÈ
JUWÓ – acenar (com a mão)

RELIGIÃO E EDUCAÇÃO




O sagrado constitui uma categoria universal da experiência humana. Uma das formas de relacionar-se com essa categoria é através do que conhecemos por religião. A religião e a noção de religiosidade estão entre nós desde sempre. 

A experiência religiosa, dizem alguns, está na base da ação social e dá-lhe sentido. Religião seria o resultado do que somos capazes de registrar em relação ao inefável e religiosidade seria a disposição do indivíduo para integrar-se às coisas sagradas. 

Advindo do latim, re-ligare, pode ser um conjunto de práticas e crenças relacionadas com o transcendental, que tem como elementos derivativos os rituais, os códigos e as leis morais. Enquanto algumas encontram a base de tais códigos e leis nos dogmas, outras têm preceitos e interdições.

A religião dá-nos, através dos ritos, mesmo que mínimos, uma noção de segurança - um como se - que transforma o mundo ameaçador e enigmático - como diria Bronislaw Malinowski (1884-1942), um dos fundadores da antropologia social. 

A religião é um fenômeno social e individual, inextricavelmente ligado a outros aspectos da cultura e da sociedade. Um exemplo disso é o fato de que, embora hoje, em África, as religiões tradicionais representem uma porcentagem menor que segmentos cristãos e islâmicos, ainda persistem a idéia de que “nascer, casar e morrer” tenha que ser permeado por tais tradições de alguma forma.

A essência das religiões tradicionais do continente africano é, ao que parece, a criatividade e a emoção – importante legado para nossa afro-brasilidade. Afirma-se que a religiosidade tradicional de África possui uma interação muito flexível e fluida no ambiente institucional no qual opera. 

Os africanos em diáspora foram capazes de criar e recriar expressões de sua religiosidade tradicional em várias situações, reagindo a mudanças, perigos e possibilidades. A religião não está longe da idéia de oficio, tendo seu foco central na ação. Parte de uma estratégia de sobrevivência, de estar no mundo, de corporeidade no chão que se pisa, servindo a fins práticos, imediatos ou remotos, sociais ou individuais. 

O que não exclui possibilidades de contato com o transcendental. Velhos significados são remontados em novas formas e sentidos possíveis em cada realidade. Essa transformação foi fundamental no desenvolvimento da maioria das manifestações religiosas das Américas. Sendo primordialmente voltada para o grupo, as experiências coletivas e individuais são expressas na vivência da comunidade religiosa.

Nei Lopes afirma: “embora as religiões negro-africanas tenham suas peculiaridades, todas comungam de uma ideia central, segundo a qual a vontade do ser supremo manifesta-se por meio de heróis fundadores, entre eles vivos ou espíritos dos antepassados. Há, portanto, uma ontologia negro-africana, uma estrutura religiosa, embora os africanos não tivessem durante muito tempo um termo equivalente ao termo ocidental religião”.

Um vasto continente, cuja população “modelou” o outro – oponente ou parceiro – de tal maneira que não somente transformou o outro, mas também se adaptou, impregnando o conhecimento da noção de relatio, uma síntese criativa, coração e expressão da experiência religiosa africana e afro-americana. 

A ontologia que se configura explica o significado da vida, enquanto corpo e matéria, a criação do mundo, as relações entre os seres visíveis e invisíveis. Há a busca por explicar o permanente combate e recorrente inter-relação entre o bem e o mal, a vida e a morte, saúde e doença, prazer e dor, contentamento e sofrimento, fartura e escassez... saberes e fazeres expressados e mantidos através da oralidade, por gerações. 

E esta ação pode aquecer geração ainda não nascida se utilizarmos os aprendizados e debates sobre tal legado como subsídio educativo, jamais meramente ilustrativo, mas constituinte de nossa história e cultura.

Precisamos conhecer como se processa a cosmovisão “africana” buscando suas dimensões, e sua recriação no Brasil. Esse intento responde à renovação curricular que visa fortalecer o reconhecimento positivo das contribuições dos negros à sociedade brasileira.

Aproximadamente quatro milhões de africanos escravizados chegaram aos nossos portos em sucessivas levas, trazendo anseios, crenças e muito conhecimento. 

Trouxeram consigo o cabedal de memórias, tudo que fica além do esquecimento, algo que constrói e vivifica. Muitos sucumbiram, mas todos provaram sua resiliência cotidianamente. Aquele que resistiu, o fez em corpo, verbo, som e gesto. Corpo enquanto lugar, que recebe o eterno e o realiza. As tradições aqui mantidas resistiram pela força deste corpo que se fez verbo pelo poder que a palavra traz. Mito reiterado no calor dos cânticos, no frescor das ervas, no cozimento das oferendas, no destemor dos combates.

O conceito de ancestralidade mítica compreende um tempo numa composição de eventos que aconteceram, estão acontecendo ou acontecerão num futuro próximo. Para fazer sentido, o tempo tem de ser experimentado, assim se tornando real. É através da sociedade, presente e passada, que ele é vivenciado. Tal sociedade pode ser a de hoje, mas pode ser e ter a mesma potência àquela de muitas gerações anteriores. Cada grupo, cada nação, cada casa religiosa tem um história, que se move do instante em que se vive para o enorme passado, uma história orquestrada pelo mito.

Há inumeráveis mitos no continente africano que narram à criação do universo, a origem do homem. O passado não está perdido, é lugar cheio de atividades e acontecimentos. 

Aqui o lugar corpo-memória se funde à pedagogia do cotidiano – intermediando as relações com o Todo. Aqui, no Novo Mundo, homens e mulheres lembrou-se de suas tradições ancestrais o que estava mais próximo de seus sentimentos e mentes. 

Como os poderes cósmicos permeiam a vida, o gênero humano escolhe manter tais poderes, destruí-los ou enfraquecê-los por meio de sua experiência. O ato ritualístico nesta perspectiva é validado no aqui-e-agora, na temporalidade do instante, porque tal momento contém o universo.

Oxumarê cuide de nosso futuro.
Casa de Oxumarê.

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA I

Amados irmãos é muito bom vir aqui e colocar as novas postagens pois a cada dia temos visto as visualizações atuais sendo acompanhadas. E como não poderia deixar de ser, aqui estamos novamente dando continuidade à postagem de nosso COLABORADOR BABALORIXÁ EDSON DE OXUM, sobre a COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ

NÃO DEIXEM DE ACOMPANHAR


IÁBASSÉ – Especialista ritual encarregada do preparo das comidas votivas dos òrìsà. 
IÁ-EFUN – Especialista ritual encarregada das pinturas corporais durante o período de iniciação. Embora esse título honorífico signifique literalmente "mãe-do-efun". O ofício litúrgico não se limita às pinturas com o pigmento branco (efun). São também empregados: wájí e osùn, respectivamente as cores azuis e vermelhas. 
IÁLAXÉ – Titulo honorífico geralmente ostentado pela própria mãe-de-santo, significando "mãe-do-axé" ou "zeladora-do-axé"
IANGUI - nome do rei dos Exu. 
IANLÉ - as partes da comida que são oferecidas ao orixá. 
IAO – esposa (Vd. IYAO
IBÁ – cuia, ou a louça que compõe o assentamento do Orisá 
IBÀ – febre (ter ou estar com) 
ÌBÀ – à benção, reverência (Vd. ÌJÚBÀ
ÌBA AKA – mula 
IBADAN – Cidade da Nigéria ao norte de Ode de Jebu 
IBÀDÍ – quadril (Vd. BADI
ÌBÀJÉ OJÀ - prejuízo 
IBAJE OWÓ – bancarrota 
IBAKA - camelo 
IBAMOLÈ – forças espirituais merecedoras de respeito 
IBA NSE MI – estar com febre 
ÌBANÚJÉ – tristeza, dor (Vd. FIFARO, ÁBAMÓ) 
IBÀ PÓJÚPÓJÚ – febre muito alta 
IBARÉ – amizade 
IBÁSEPÉ – desde que 
IBÁ-SORO – endereço 
IBATAN – família (Vd. DÌLÉ, EBÍ)
IBÉ – lá (Vd. NIBÉ
ÌBÉJÌ – gêmeos (Vd. EJIRÉ
ÍBELE – nascido em casa 
ÌBÉPE – mamão 
IBERE - princípio, início, origem (Vd. ÌPILÈSE
ÌBERÈ – pergunta 
ÍBERRE - impulso 
IBERU – medo, ter medo, temor (Vd. BÈRU, OJORA, IBERU
IBÉWÒ – investigação (pesquisa) 
IBI – aqui, onde 
ÌBÍ – nascimento, geração 
IBI ÌFOSO – lavadeira (Vd. AFOSO
IBI IKÒWÉ PAMÓ SÍ – guarda livros 
IBI ISÉ – escritório, local de trabalho (Vd. ILÉ ISÉ
IBILÚ-OMI – ondas, ressaca (do mar) (Vd, ÌGBÌ OMI, ÌGBÌ, ÌRÚ OMI) 
ÌBÍNU – raiva (zangado, aborrecido)(Vd. IMORÚ, ÌRUNNÚ
IBIRI - objeto de mão, usado pelo orixá Nanã, feito em palha, couro e contas. 
IBISÉ – escritório, lugar de tabalho 
IBISUBÚ – queda (Vd. ÌSUBÚ
IBÓ - lugar de adoração. 
IBÒ – mato 
IBÓJI – cemitério; Ibi = lugar, Oji = fantasma = “Lugar do fantasma ou da alma” (Vd. BÓJÍ, IKÚ ILÉ
ÌBÒJI ÒJÌJI – sombra 
IBOKUN – benção (Vd. ISURÉ, ORE-OFÈ, IRE
ÍBOLÁ – estima 
ÍBOLÉ – telhado (Vd. ÒRULÉ
IBOLOWÓ - fuga 
ÌBON – espingarda, pistola 
IBÒÒJI - sombra 
ÌBORA - lençol 
ÍBORÍ – vitória, triunfo 
ÌBORÙN – xale 
ÍBÒSÈ - meia 
ÌBOWÓ - luvas 
IBÚ – águas profundas, regato, riacho (Vd. OWOLÉ, ODÓ-KERÉ
IBÙDO – estação 
IBUDO OKÒ – ponto de ônibus 
IBUGBÉ - lar 
IBUJE – estábulo (Vd. BUJE, ILÉ-ESIN
IBUJOKO – casa, lar (Vd. ILÉ, BUJOKO, OJÚLÉ) 
IBÚLÈ-ARUN – leito de doença 
IBÚLÈ-IKÚ – leito de morte 
IBÙNKÚN – à benção 
IBÙSÙN - cama 
IBÙSÙN ÒKÚ - cemitério 
IDA - espada 
ÌDÁDURO – demora, detenção, obstáculo 
ÍDAIYAFO - intimidade 
ÌDÁJÍ – metade (Vd. IDÀJI, ÀBÒ
ÍDAJÍ – madrugada (Vd. AFEMOJUMO
ÌDÁJÓ – julgamento, juízo (Vd. ONIDAJÓ, ADÀJO
IDA KEJI - duas espadas 
ÌDÁKU - desmaio 
IDALAMÚ – agitação 
ÍDALORO – tormenta
IDAN - feitiço, bruxaria, mágica, talismã (Vd. IWAJÈ, ÍSAJÉ
ÌDÁNÁ – fogão, forno 
IDA OBA - espada do rei 
IDA ORISA - espada do orisá 
IDARAYÀ – brincadeira (Vd. ATÉ, ERÉ
IDARISI – tendência (Vd. ITÉ
ÍDARÓ - impurezas 
ÌDÀRÚDÀPÒ – confusão 
ÌDASÍ – economia (Vd. ISÙNLO
ÌDÀSÍLÈ – liberdade, invenção, criação (Vd. ÓMNIRA, AIYELUJARA
IDÁWÒ – consulente de adivinhação 
IDE – latão, prata, ato de ser limitado 
IDE, IDE-PUPA – pulseira, cobre, metal bronze (Vd. BURÕNSI
IDERUBA – fantasma, espírito (Vd. IWIN) 
ÌDETÌ – fracasso (Vd. YÍYEGE
ÍDEWÓ - tentação 
ÍDI – águia 
ÌDÌ – parte de baixo, nádega (Vd. ABÉ, BADI
IDÍBÀJÉ – corrupção, podridão 
ÌDÍJE – competição
ÌDÍKÒ – parada de ônibus (Vd. ÌDÍ OKÒ
ÌDÌLÉ – família carnal, parentes (Vd. ARÁILÉ, IRAN
IDIMÓ - intriga 
ÌDIN – larva 
ÍDINÚ – boca fechada 
ÌDÍNÚ – teimosia (Vd. ÓDÍ, ÀILETI, SÓ
ÌDÍ OKÒ – rodoviária, ponto de ônibus (Vd. ÌDÍKÒ
ÌDÍ OKÒ ÒFURUFÚ – aeroporto 
ÌDÍ OKÒ OJÚ IRIN – estação de trem 
ÌDÓDÒ – umbigo 
ÌDOTI – sujeira (Vd. LERÍ, ÓBUN
ÌDUN - percevejo 
IDÙNNU – alegria, felicidade, jogo 
ÌDÚNTA – três anos atrás) 
IFÁ – Deus dos oráculos e da adivinhação. Senhor do destino. Ifá Bàbá Ní Awo “Pai que tem o segredo”. Ele também é chamado de “Deus das Nozes de Palma” e tem o título de Gbangba. Há quem afirme ser sua representação a cabaça envolvida por uma trama de fios de búzios. Sua cor é o branco. Seu dia é a quinta-feira. Conhecido também como Òrúnmìlà, "somente-o-céu-sabe-quem-será-salvo". Saudação – "Eèpààbàbá" 
IFÁIYABALE – visão mística 
IFAYABALE – O desejo dos pais e mães se encontrarem na terra. 
ÌFÉ – amor 
IFE – copo, caneca 
ÌFÉ – desejar (Vd. ÌWU
IFÉ-OKÀN - desejo 
IFERANÍ – amor próprio 
ÌFESEJI - perdão 
ÌFÉSEMULÈ – confirmação (Vd. ITENUMÓ
IFEWÓ – furto, roubo (Vd. JALÈ FEWÓ, OLÉ, JÍ
IFIJALÓ – desafio 
IFIJONÁ - queimadura 
ÌFÍNRÀN – agressão 
IFOFO - espuma 
IFÓHÚN – fala (Vd. WIWI
IFOJÚ – confronto 
ÌFÓJÚ – cegueira 
IFÒN - espinho 
ÌFUN – intestino 
ÌFÚN-NI – abastecimento 
IGA – perna 
IGALÀ – cervo (Vd. GALÀ
IGBÁ – cabaça (Vd. KÈRÈGBÈ
IGBA – tempo 
ÌGBÁ – jiló 
ÌGBÁ AYE – época, tempo (período) de vida 
ÌGBÀDO – fubá 
IGBA-EBO - alguidar 
ÌGBÀÈRUN - verão (Vd. ÉRUN, ÓGBELE, ÌGBÀ
IGBÀGBÓ – fé 
ÌGBÀ IKÓRÈ – outono 
IGBAJÁ – canoa 
ÌGBÀJÁ, ÌGBÀNÚ – cinto, faixa 
ÌGBÁJÈ – cabaça grande 
IGBÀLÀ – salvação 
ÌGBÁLÈ – noite, cemitério, vassoura (Vd. ALÉ
IGBANÍ – passar, passado (Vd. SEHIN, KOJÁ
IGBÁ ODÙ – Expressão yorubá que designa a cabaça ou o artefato litúrgico que contém no seu interior os elementos simbólicos e as substâncias que tornam possível a existência individualizada. 
ÌGBÀ ÒJÒ – estação das chuvas 
IGBÁ-ORÍ – Expressão yorùbá que designa, no rito do borí, o recipiente em que vão sendo depositadas as substâncias constitutivas e reveladoras da identidade do sacrificante. Literalmente significa "cabaça-da-cabeça". 
ÌGBÀ ÒTÚTÙ – inverno 
ÌGBÀ ÒWÒRÉ – estação úmida 
ÌGBÀ OYÉ – estação quente, verão 
ÌGBÀ RIRU EWÉ - primavera 
IGBASILÉ – acesso (Vd. IWOLE
IGBATÍ – quando 
(BI)IGBA TINGBO – futuro (Vd. IGBÓRO
IGBE – grito 
ÌGBÉ - fezes 
IGBÉ – bosque, campo (Vd. OGBÀ
IGBE-AITÉ – tempo de vida 
ÌGBÉÌYAWÓ – casamento 
ÌGBÉKÈL – confiança, fé, certeza 
IGBEKELÉ – noivado 
ÌGBÉKÈLE – confiança, fé 
IGBENGBEREJÚ – sobrancelhas (Vd. ÌPEJÚ
IGBEORIN – desinteria (Vd. INÚTITE
IGBÉRA – estímulo 
ÌGBÉRAGA – excesso, orgulho, arrogância (Vd. LADOFO, ÀGBERE
ÌGBÈSAN – vingança, desforra (Vd. OWUN, ÈSAN
ÌGBÈSÈ – débito 
IGBETI – montanha situada perto do Níger onde reside Elegba 
ÌGBÌ – ondas (Vd. IBILÚ-OMI, ÌGBÌ OMI, ÌRÚ OMI
ÌGBIMOTÉLÈ – planejamento, dica 
ÌGBÍN – Cadência rítmica lenta executada pela orquestra cerimonial em louvor à Òòsàálá. 
ÌGBÍN - caracol. O termo designa também o molusco gastrópode terrestre, com concha univalve, corpo prolongado e tentáculos na cabeça. Ele também é conhecido como "o boi de Òòsàálá" e é sua oferenda predileta. Na linguagem corrente dos candomblés é usual a forma “ibí”
ÌGBINNIKÚN - inflamação 
IGBÓ – floresta, mata (Vd. EGÀN
IGBÓDÙ ÒRÌSÀ – local sagrado para iniciar uma pessoa nos mistérios dos Orixás 
IGBOIYÀ, IGBOJÚ – coragem, valentia 
ÌGBOMIKANÁ – aquecedor 
IGBONAGBORU, IGBOORUN - olfato 
IGBONSO – escova de roupa 
ÌGBÒNWÓ – cotovelo (Vd. IGUNPÁ
IGBÓRO – futuro, rua, estrada (Vd. IGBA TINGBO
ÌGÈ – nome (Vd. ORÚKÒ
IGÉ – mama, seio (Vd. OMÚ
ÍGI – árvore, madeira (Vd. KÁKO
IGI-DUDU – ébano (Vd. ETÍNRIN
IGI-IDANA – lenha 
IGI ÌFALÀ - régua 
IGI-ÓPÈ - palmeira 
ÌGO - garrafa 
ÌGÒ OMI GBÌGBÓNÁ – bule, chaleira 
ÌGÒ SÚGÀ - açucareiro 
IGÙN – abutre, urubu (Vd. GÚNNUGÚN, EIYE ÀKÀLÀ
IGUNESE – perna 
ÌGÚNLÈ – desembarque 
IGUN OKE – ladeira (Vd. GÈREGÉRE ILÉ
IGUNPÁ – cotovelo (Vd. ÌGBÒNWÓ
IGUNTO – cólica renal 
IHÀN – buraco (Vd. ISÀ, IHÒ, KÒTÒ
IHANRA – coceira 
IHANRUN – roncar (Vd. HAANRUN
IHÒ – buraco (Vd. KÒTÒ, IHÀM, ISÀ
IHO ILE – sepultura 
IHÒ IMÚ – narina (Vd. AONTIN, IMÚ
ÌJÀ – briga, conflito 
ÌJÁBÀ – acidente (desastre) (Vd. ÀJÁLÙ
IJADÉ, IJADÉLÒ – saída 
IJADÚN – luxúria 
ÌJÀGBÒN - queixo 
IJAJE - patife 
IJÀ-ÒGÚN – batalha 
ÌJÀPÁ – cágado 
IJE - raça 
IJERÉ – lucro (Vd. ÈRÈ
IJESÁ - nome de uma região da Nigéria e de um toque para orixá Oxum, Oxála e Ogun. 
ÌJÉTA – anteontem (Vd. NIJÉTÀ
IJEUN DE IPIN ou OJEUN DE IPIN – Ipin = compartilhar, porção + Ijeun = ato de comer “ele que compartilha a comida” 
ÌJEWÓ – confissão 
ÌJÉWÓ ISÉ TI ENI NSE - profissão 
IJÍ – furacão, tufão 
IJIJÓ MÉJÌLÁ – todos os 12 dias 
IJÌYÀ - sofrimento 
IJO – igreja (Vd. ILÉ OLÓRUM
IJÓ – dança, dia (Vd. JIJÓ, OJÓ, OJUMO
ÌJOBA – governo, reino (Vd. JOBA
ÌJÓBÁ ALAFIÁ – reino da paz 
ÌJOBA ÀPAPÒ – governo federal 
IJOGBON – problema (Vd. ÈJÓ
IJOGUN – herança (Vd. ILINÍNI
IJÓKIJÓ – qualquer dia 
ÌJÓKO – banco de sentar, cadeira 
IJÓMIRAN – num outro dia 
IJÓSÍ – outro dia (dia seguinte) 
IJOWÚ – ciúme (Vd. OWÚ
ÌJOYÈ – chefe, ministro (Vd. OLUSÓ
ÌJÚBÀ – reverência, reza 
ÌKA – dedo da mão (Vd. ALÓVI
IKÁ – crueldade, Odu que foi fecundada pela serpente encantada Oká, para destruir Isole. 
IKÁ - MEJI - sabedoria 
IKÁ - modo de deitar-se das pessoas de orixá feminino, para saudação. 
IKÁN – berinjela 
ÌKÁN – caneca, cupim 
ÌKÁNDU – formiga preta (Vd. KÀRÍKÁ
IKANNÚ – fúria 
IKARÁ – quintal (Vd. EHINKUNLÉ, KA
IKARAHUN – concha (Vd. EYO, KARAHUN
ÌKÉ – carinho 
IKÉ – marfim 
IKEMÙ – caneca (Vd. ÌKÁN
ÌKÌLÒ - protesto 
IKO – palha da costa 
IKÓ – anzol, tosse, embaixador (Vd. OBA, ONSE OBA, ONISE
IKODIDÉ – pena de papagaio( Odide , Odidere) 
ÌKOKÒ – panela, pote de barro 
ÌKOKÒ-ÈBE. ÌKOKÓ OBÈ – sopeira 
ÌKOKÒ-ÌGBÉ – penico, urinol 
ÌKOKÒ OMI – pote de água 
IKOLA ou ILEYKA - circuncisão 
IKOLÙ – atacar 
IKOMÒJADÉ - batizado 
ÌKÓÒDÍDE - Pena vermelha do papagaio-da-costa (Psittacus eritacus, sp.). Simboliza o nascimento do novo filho-de-santo e, de um modo geral, a fecundidade. (Vd. ODIDE, ODIDERE) 
IKORADU – cidade situada na extremidade Norte da laguna de Lagos 
ÌKORE – colheita 
IKORI OYÀN – bico do seio 
IKORITÀ - encruzilhada 
IKOSAN – brilho (Vd. TITANSAN
IKOSILÉ – abandono 
ÌKÚ – morte 
IKUDU – tanque 
IKUKU – nuvens, nevoeiro, cerração (Vd. AWOSANMÁ
IKÚ ILÉ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IBÓJÍ, ILÉ ÒKÚ, ISÀ-OKÚ, ITÉ ÒKÚ
IKULE – fartura e fertilidade 
IKÙN - barriga, estômago 
ILÁ – quiabo 
ILÀ – marcas faciais 
ILAGÚN - transpiração 
ILÁ-ISÉ - tarefa 
ILAJÁ - reconciliação 
ILAJÚ – cultura, civilização 
ÌLÀ ORÙN - leste 
ÌLARA – inveja (Vd. NILARA
ILÁRÍ – mensageiro do rei 
ÌLÁSA – folha de quiabo 
ILÉ – casa, lar, terra, casa-de-santo, chão, solo, terra (Vd. BUJOKO, IBUJOKO, OJÚLÉ
ILÉ ADÌE – aviário (Vd. ÌSO ADÌE
ILÉ AIYE – terra (planeta) 
ILÉ BÙRÉDÌ - padaria 
ILEDI – alcova 
ILÉ-EIYÉ – jaula , gaiola 
ILÉ ÈKO – escola, colégio, universidade 
ILÉ ERAN – açougue (Vd. ÍSAKUSÁ, ÌSO ERAN
ILÉ-ESIN – estábulo 
ILÉ GÓMÌNÀ – palácio do Governo 
ILÉ ÌDÁNÁ – cozinha (Vd. SISÉ
ILE IFOWAPAMO, ILÉ OWÓ – banco (dinheiro) 
ILÉ ÌGBÉ ÁLAWO – privada, vaso sanitário 
ILÉ IKÀWÉ - biblioteca 
ILÉ ÌKÒ OJÀ PAMÓ SÍ - mercado 
ILÉ IKÚ ÈNIA – cemitério (Vd. ILÉ OKÚ
ILÉ ÌLERA – hospital 
ILÉ-ISÉ – escritório, lugar de trabalho (Vd. IBI ISÉ
ILE ÌWÈ – banheiro 
ILÉ ÌWÉ - escola 
ILÉ ÌWORAN - cinema 
ILÉ ÌWÓSÀN – hospital 
ÌLÈKÈ – colar, pulseira (Vd. KELE
ILEKE-ORUN – colar, pulseira (com referência ao santo) (Vd. ÍLÉKE, KELE
ÌLÈKÙN - porta 
ILÉ-NLÁ – mansão 
ILÉ-OJÀ – loja (Vd. ÌSÒ
ILÉ-OKÓ - garage 
ILÉ ÒKÚ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IKÚ ILÉ
ILÉ-OLODI – castelo 
ILÉ OLÓRUN – igreja (Vd. IJO
ILÉ ONJE – lanchonete, botequim, bar 
ILÉ OÒGUN - farmácia 
ILÉ-ÒRÌSÀ – Expressão yorùbá que designa a dependência de uma casa-de-santo onde se encontram depositadas as diferentes insígnias e objetos que compõem a representação emblemática de cada um dos òrìsà. É também conhecida a forma "quarto-de-santo" ou "casa-do-santo"
ILÉ OWÓ – banco (dinheiro) (Vd. ILÉ IFOWAPAMO
ILÉ ÒWORAN - cinema 
ILERA – saúde 
ILÉ-UTÍ - taberna 
ILIBAN – policial (Vd. OLÓPA
ILINÍNI – herança (Vd. IJOGUN
ILÓ – hábito 
ÍLÒ – ida (Verbo ir) (Vd. LÍLÒ
ILORÁ – lentidão, preguiça (Vd. ÀINKANJU
ILORI-KUNKUN – teimosa (Vd. ÓDÍ
ILORÓ – próspero, rico, veneno (Vd. DOSO, RIJE, LETÚ, OLOWO
ILOYÚN - gravidez 
ÌLÚ – cidade, país (Vd. EGURÉ
ÌLÙ – atabaque 
ILÚ, IMIJADÉ – sopro 
ILUBOLÉ - surra 
ILU KIKI OKAN – iluminar (Vd. LALOJU
ÌMADO – javali (Vd. ELÉDÈ-ÌMADO
ÌMALE – respeito ao ancestral 
IMÁWÒ-ARA – encarnação, estado de reencarnação 
IMELE – preguiça (Vd. ÌLÒRA) 
IMIEDÚN – lamento (Vd. DÁRÓ
ÌMÒ – juízo, conhecimento, saber, paladar (Vd. ÌTÓWÒ, MO
IMOFO – vazio (Vd. SÓFO
IMOKUN – banhar, mergulhar, nadar (Vd. LUWÈ
IMOLE – claro, luz 
ÌMÓLÈ – forças da natureza 
ÌMÓLÉ OJÓ – dia claro 
ÌMÓLÈ OÒRÙN – luz do sol 
IMONAMONA - raio 
IMO-OPE – folhas de palmeira 
IMORAN – conhecimento 
IMORÈ – gratidão (Vd. OPÈ
IMORÚ – raiva (Vd. ÌBÍNU, ÌRUNNÚ
IMOTOTO – limpeza 
IMOYE – sabedoria (Vd. ALAMOJU
IMÚ – nariz, narina (Vd., IHÒ IMÚ, AONTIN
IMULAJADÉ – término (Vd. IPEKUN
INÁ – vela, fogo, luz (Vd. ÀBÉLÀ
INÁ AJÈNIYÀN - pulga 
INÁ ORÍ – piolho 
ÌNÁWÓ - despesa 
INKICE –Divindade bantu com similaridades com Òrìsà 
INLÈ – qualidade de Òsóòsì (Vd. ERINLÈ
INÚ – útero, ventre 
INÚFÚFÚ – mau humor (Vd. INÙSÍSÓ
INÚ MI DÙN – estar feliz 
INÚ MI KÒ DÙN – não estar feliz 
INÚRERE – bondade, caridade 
INÚ RIRO – dor de barriga 
INÚSÍSÚ – diarréia 
INÚTITE – desinteria (Vd. IGBEORIN
INUYIYÓ - saudade 
IPÁ – força, poder (Vd. PAKANLEKE
ÌPÀDÉ – reunião, encontro (Vd. ÀWOJO
IPAJÁ – de manhãzinha 
IPAKÁ – farinha de milho (Vd. ELÙBO
ÌPAKÓ - nuca 
IPAKÚ – assassino 
IPANU – almoço 
IPAPANU – bala (doce) 
ÌPÁRA – creme 
ÌPÁRÍ – fim, final, vencimento 
IPARUN – desgraça, vergonha, (Vd. ÁDEBA, ÈTÉ
IPATÁ - moleque 
IPAWERE – borracha 
ÍPÉ – escamas 
ÍPEHINDA – retorno (Vd. TÚN
ÌPEJÚ – sobrancelha (Vd. IGBENGBEREJÚ
ÍPEKUN – fim, final, vencimento, limite (Vd. OPIN, AKOJÁ, ÌPÁRÍ, IMULAJADÉ
IPELÉ – origem 
ÌPÉNPEJÚ - pálpebra 
IPETÉ - inhame cozido, pisado, temperado com camarão seco, sal, azeite de dendê e cebola (Vd. IYAN, ÍSU) 
IPILÉ - pedestal 
ÌPÍLÈSÉ – origem (Vd. ÌBERE
IPIN - guardião 
IPINLÈ–AGBAIYE – continente, fronteira 
IPINNU – ordem 
ÌPITAN – tradição oral 
IPÒ – estado 
IPÓ - recinto 
ÍPON – colher de pau (Vd. OROGUN
ÍPONRÍ ou IPORÍ– dedão do pé; um dos espíritos guardiões que entra no corpo da pessoa ao nascer (Vd. ÀTÀNPÀKÒ
IPÓ-OKÚ – ausência, morte (Vd. KÙ, ÀISÍ
ÌPUNNU – decisão 
ÌRA – decadência 
IRÁ - pântano 
ÌRAN – família (Vd. EBÍ, IBATANM ÀRÁILÉ. ÌDÌLÉ
ÍRAN – transe (Vd. OJURAN
ÌRÁNSÉ – estafeta 
IRAÓ – Cidade de origem do Orixá Òsányin 
ÍRARI – raspar (a cabeça) (Vd. RARI, FÁRI
IRÁWÓ - estrela 
IRAWO ABÌRUSOORO – cometa 
IRAWO ÀGUALA – planeta vênus 
IRAWO-OKO – Estrela Sirius (essa estrela é considerada a guia dos navegantes) 
IRAWO TI NYI OÒRÙN KA – planeta (Vd. EWEKO, ODÁN
IRE – benção, brincadeira (Vd. ORE-OFÉ, IBOKUN, ISURÉ
IRÈ – cidade da Nigéria (Vd. ÈJIGBO
IRÊ – bondade 
IREJE – engano, fraude (Vd. ERÚ, ETAN, ÌYÀNJE
ÌRÈKÉ – cana 
ÌRÈ KÉKERÉ - grilo 
ÌRÈLÈ – humildade (Vd. NIRELÉ
ÌREMÒJÉ – cânticos do funeral dos caçadores 
ÌRÉPÒ – harmonia, amizade, solidariedade (Vd. ISEDEEDE
ÌRÉSÌ – arroz 
ÌRETÍ – esperança 
ÌRÌ – orvalho (Vd. ENINI
IRIN – aço, ferro, vida, ferro de Ogun (Vd. È MI) 
ÌRINAJO – viagem (Vd. ATEGUN
ÌRÍRA – odiar, detestar (Vd. KERÍ, SAIFÈ, KÓRÍRA
ÌRÍSÌ - figura 
ÌRO – opinião 
IRÒ - saia 
IRÓ – falsidade (Vd. ÈTÀN, YOBÁ
ÍROBÍ – trabalho de parto 
ÍROBINUJE – arrependimento 
ÌROBÒ - hemorragia 
ÌROHIN – notícia de jornal 
IROKA – lamúria (Vd. ÁGBAGBÁ
ÌROKÒ – é um Orixá do candomblé Ketu associado à Oxóssi. Corresponde ao Inkice “Kitembo” também conhecido pela currupitela de “Tempo” do candomblé de Angola 
IROLÈ – tarde - (pôr do sol, fim da tarde) (Vd. OJORÓ, OSAN
ÌRÓ MI AANU – compaixão 
IRÓ NI – mentira, falsidade (Vd. SÈKÉ, EKE ÓKOBÓ
ÍROPÁ - esteio 
IRÓPIPÁ – falsidade (Vd. YOBÁ, TEWURE, ÈTÀN
ÌRORA – dor, paz, bem estar (Vd. FIFO
ÌRÒRI – travesseiro (Vd. TIMTIM
ÌROTÍ – funil (Vd. ÀRÓ
IRÚ – espécie, tipo (Vd. SURÁ
ÌRÙ – rabo 
ÌRÙ ESIN – rabo de cavalo 
IRUKUÉRE– rabo de Guinú 
IRUN – cabelo 
IRUN ÈKE – cavanhaque (Vd. KÀNNANGO
IRUN ÈYINJÚ - cílios 
IRUN FÚNFÚN, IRUN ARÝGBO – cabelo branco 
IRUNGBÒN – barba 
IRUN IMU – bigode (Vd. TUBOMU
IRUN ÌPÉNPEJÚ - pestanas 
IRUNMOLÉ – guarda da esquerda (referindo-se a Òsóòsì), forças da natureza. 
ÌRUNNÚ – raiva (Vd. ÌBÍNU, IMORÚ) 
ÌRÚ OMI – ondas (Vd, ÌGBÌ OMI, IBILÚ-OMI, ÌGBÌ) 
ISÀ – buraco (Vd. KÒTÒ, IHÀN, IHÒ
ISA – cova 
ÍSAJÈ – feitiçaria, magia 
ÍSAKUSÁ – açougue (Vd. ÌSO ERAN, ILÉ ERAN
ISALE – alicerce 
ÌSÀLÈ – baixo, debaixo, órgãos reprodutores 
ÌSÀLÈ ILÉ – andar térreo 
ISALÉODÓ – cama (Vd. IBÙSÙN, ÀKÉTE
ISAMI – batismo (Vd. ISOMOLORÚKO
ÌSÁN – ostra 
ISAN – tendão, veia, músculo 
ISAN ARA - artéria 
ISAN ÈJÈ - veia 
ÌSÀNÀ – caixa de fósforos 
ÌSÀN-OMI – correnteza 
ÌSÀ-OKÚ – cemitério (Vd. BÓJI, IBÓJÍ, IKU ILÉ, ILÉ ÒKÚ, ITÉ ÒKÚ
ISÉ – trabalho, ocupação, mensagem 
ÍSEDEEDE – harmonia, honestidade, exatidão (Vd. ÍREPO
ÌSÉGÚN – reverência aos antepassados 
ÌSÉJÚ – minuto 
ISENÚ, ISEYUN – aborto 
ISÉ SÍSE – exercício 
ISI – fama 
ÌSÍGO – saca-rolha 
ÌSÌN – religião, adoração 
ÌSINKÚ – enterro 
ÌSÍNWIN – loucura (Vd. OKOLIRÍ, ASIWERE
ISIRE-OMODE - boneca 
ÌSÓ – prego 
ISÓ – gases 
ISÓ – unha (Vd. ÈKÁNÁ, ÈÈKÁNNÁ
ÌSÒ – loja (Vd. ILÉ-OJÀ
ÌSO AAGO – relojoaria (Vd. ALÁAGO, ALÁGOGO
ÌSO ADÌE - aviário 
ÌSO ASO – loja de tecidos 
ÌSO BÁTÀ – sapataria (Vd. ABATÀ, BÀTÀ
ISO BEBE - bomboniere 
ÍSODOMO – adoção 
ÌSO ÈBÙN – loja de souvenir 
ÌSO EJA – peixaria 
ISO ERAN – açougue (Vd. ÍSAKUSÁ, ILÉ ERAN
ISÒJÚ – feição, rosto 
ISOKAN - unidade 
ÌSOKÚN – choro 
ISOMOLORÚKO - batismo 
ISOTITÓ – ficar triste, fidelidade 
ÌSÒWÒ – comércio, negócio (Vd. OWÓ
ÍSU – cará (Vd. IYAN, IPETÈ, DÙNDÚ
ÌSUBÚ – queda (Vd. IBISUBÚ
ÍSUN – fonte, nascente 
ISÙNLO – economia (Vd. ÌDASÍ
ISU-OYÌNBO – batata 
ISURÉ – benção (IBOKUN, ORE-OFÈ, IRE
ÌTA – fora, a praça, a rua 
ITÀBA – fumo (Vd. FIFA, EFIN
ITAFÀ – flechada (Vd. OFÀ
ITAJÉ – matança (Vd. PIPA) 
ITAJÚ – civilização 
ITAKITI OMI – cachoeira (Vd. OSORÓ
ÌTÀKÚN – cipó 
ÍTALA – mês (Vd. OSÙ
ÌTÀN – história, mito, lenda (Vd. ÌTÓN
ITAN – coxa, perna 
ITAN-ÁTOWÓDOWÓ – tradição, lenda 
ITANJE – fraude (Vd. ETAN, TITANJE
ÌTÉ – ninho 
ITÉ – tendência (Vd. IDARISI
ÌTEFÁ – iniciado nos fundamentos de Ifá 
ÌTENUMÓ – confirmação (Vd. ÌFÉSÈMULÈ
ITÉ ÒKÚ – cemitério (Vd. BÓJÍ, IBÓJÍ, IKÚ ILÉ
ÌTÌJÚ – vergonha, vexame (Vd. ETÉ) 
ÌTÒ – urina, saliva (Vd. OMITÓRÓRÓ) 
ÍTON – coxa 
ÌTÓN – história, mito, lenda (Vd. ÌTÀN
ITÓRO - prece 
ÌTÒSÍ – perto 
ITOSI – deserto 
ÌTÓWÒ – juízo, conhecimento, paladar (Vd. ÌMÒ
ÍTUDI – escândalo 
ÌTÚN ÒRÀN OWÓ SE - liquidação 
IUINDEJÀ - título sacerdotal 
IUINTONA - título sacerdotal 
IWÁDI – pesquisa 
IWÁJÚ ORÍ – testa 
ÌWÀ – sofrimento, respeito 
ÌWÀ – caráter (ter) 
ÌWÀ-ÀGBA – caráter de um ancião 
IWÁ-ÀJÈ, IWOOSO – bruxaria (Vd. IDAN
ÌWA ÈDÁ – natural, natureza (Vd. ÁDAMO, EDÁ, ÀDANIDÁ
IWAJÈ – feitiço (Vd. IDAN
IWÁLÈ – escavação, coveiro (aquele destinado a cavar a sepultura dos parentes mortos) 
ÌWÉ – livro, papel, caderno, carta, folha 
ÌWÉ – linguagem 
IWE – moela 
ÍWE – lavagem, banho (Vd. WÉ, FÓ, WENÚ
ÌWÉ ÈRI OWÓ - recibo 
IWÉ IGI – banco de sentar 
ÌWÉ IKAYE OSÙ – calendário 
IWE-INÚ - rim 
ÌWÉ IPOLOWO - catálogo 
ÌWÉ ÌRÒHÌN – jornal, revista 
ÌWÉ KÍKÒ – carta (Vd. LETÀ
ÌWÉ OWÓ – cheque 
ÌWÍFÚN - informação 
IWIN – fada, espírito, fantasma (Vd. KUREKERÈ, ALÙJONÙ, ÀRONI, EGBÉRE
IDERUBAÌWO – chifre 
IWO – você (Vd. ENYN, ÈYIN
IWOKUN – lua nova (Vd. OSÚDÚDÚ
IWOLE – acesso (Vd. IGBASILÉ
IWOLULÉ – óculos (Vd. AWÒ OJÚ
ÌWO OÒRÙN – oeste 
IWORÓ – ouro (Vd. WÚRÀ, ÀWO WÚRÀ
ÌWOSAN - cura 
ÌWU – desejar 
ÌWÚ – odor, cheiro 
ÌYÀ – mãe 
ÌYA AFIN – senhora (Vd. YIÁ
ÌYÁ-AGAN – mulher velha dentro da sociedade dos médiuns ancestrais 
ÌYÁ-ÀGBÀ – mãe grande, avó 
IYABO – a mãe voltou 
IYÁ EGBÉ – Titulo honorífico importante na hierarquia dos terreiros que distingue sua portadora como "mãe-da-sociedade"
IYAGBÁ – matriarca 
IYAGBASÉ – cozinheira (Vd. ÌYÁ ONJE
ÌYA ÌSÀMÌ – madrinha, comadre 
ÌYÁ-KÉKERE – mãe pequena 
IYÀKO, ÌYÀWÓ, ÌYÁ ÌYÀWÓ – sogra 
ÌYÁLÁWO – divindade feminina mãe dos mistérios 
IYALAXÉ - mãe do axé do terreiro 
IYÁLÈ – esposa mais velha em uma família polígama 
ÌYALÉNU – surpresa 
IYALETA – raio de sol 
IYALODÉ - um alto título, líder entre as mulheres, primeira dama 
ÌYÁLORÌSÀ - Zeladora do culto, mãe do orixá. Mãe de santo 
IYAMASÊ - Orixá da casa de Sòngó (Òrisà relacionado com o fogo, o raio, o trovão e à justiça.) 
IYAMORÔ - título de uma sacerdotisa do rito do Ipadê. 
ÌYÀNJE – engano, fraude (Vd. ERÚ, ETAN, IREJE
IYAN – inhame (Vd. IPETÈ) 
ÌYÁ NLA – vovó 
IYANRÌN – areia 
IYAO - Termo que designa a noviça após a fase ritual da reclusão iniciatória. Em Yorùbá significa "esposa mais jovem"
ÌYA OLÓNJE – dona de restaurante ou pensão 
ÌYÁ ONJE – cozinheira (Vd. IYÀGBÀSÉ
IYÀRÀ – quarto de dormir 
IYÀRA-IMURA – camarim 
IYÀRA JÓKÒÓ – sala de visitas 
IYÀRA ONJE – sala de jantar 
ÌYÀRÍ – pente (Vd. ÒÒYÀ
ÌYÁSAN –Título dado ao Orixá Oyá divindade das tempestades e do Rio Niger, mulher de Ògún e depois de Sòngó. Relacionada com os vendavais, os raios e os trovões. Sincretizada com Santa Bárbara. Seu dia da semana é a quarta-feira. Suas insígnias são a espada (IDÀ) e o rabo de cavalo (ÌRÙ ESIN). Suas cores são o vermelho escuro e o marrom. Considerada a mãe dos egún, que é a única a dominá-los. Saudação – "Eparrei!”
ÌYÁWÓ – esposa (primeira esposa – ÌYÁLÉ) (Vd. ÀYA
ÌYÀWÓ ÀFÉSONÀ – noiva 
ÌYÀWÓ OMO ENI - nora 
IYE – número 
IYÈ - penas 
IYÈFÚN – farinha (Vd. GARÌ, ELÙBO
IYEMONJÁ – Filha de Olokun. Yèyé (mãe); Omo (filhos); Ejá (peixe) – Mãe cujos filhos são peixes. 
ODO YÁ – mãe dos rios (ODO) – Na África ela é cultuada em rios (OLOKUN), seria a Deusa das águas salgadas e a saudação ERU YA seria: a dona dos cabelos ou a mãe dos cabelos (referência aos eruns (cabelos) que caem na feitura), de acordo com os mitos de Ori. É atribuído a Yemonjá a tutela dos oris moldados por Ajalá. Ela tem o título de Yá Ori. Casou-se com o irmão Aganju e teve um filho chamado Orungan. 
IYEKAN – ancestrais do pai 
ÌYEN – aquele (a), aquilo 
IYENÚ – lembrança, memória (Vd. RANTI, RIRANTI
IYÈPÈ – poeira, areia 
ÌYÍPO - perversão 
ÌYERA, ÌYERAFÚN – aversão, ojeriza 
IYÈWÙ - quarto 
IYÈWU-OLÓLA – camarote 
IYÈYÈ – amarelo 
ÌYÌN – glória, louvor (Vd. FUNPÉ, YIN
IYO – sal 
ÍYOJADÉ – apresentação 
ÌYONU – encrenca 
ÌYÓNU - piedade 
IYÒ ÒYINBÓ - açúcar 
IYÙN - coral

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRAS G e LETRA H

Todos devem estar se perguntando o quão trabalhoso deve ser repostar tudo novamente. Mas uma coisa podemos dizer de antemão: esta sendo muito bom!

Nunca é pesado demais aprender novamente. Pois no dia em que alguém se referir a nossas pessoas usando uma palavra do dialeto yorubá, já saberemos de cor e salteado o que vem a ser seu devido significado.

COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ, uma colaboração de nosso amigo BABALORIXÁ EDSON DE OXUM


- enganar 
GA – alto (ser alto) (Vd. GÍGA
GÁDÀ – ponte (Vd. AFARÁ, AFÁ
GAFARA – licença (estar de) 
GALÀ – cervo (Vd. IGALÀ
GAN – realmente 
GÁN – cortar o mato (Vd. GÉ IGBÓ
GAN - outro nome do agogô 
GANGAN – tanta (Vd. AIMOYE
GANZÁ – Instrumento musical de percussão, semelhante a um chocalho, geralmente de folha-de-flandres e forma cilíndrica, contendo em seu interior pedaços de chumbo ou seixos. 
GARAWA – balde 
GARI – farinha (Vd. IYÈFÚN, ELÙBO
GÁÀRI – refeição feita com farinha de mandioca 
GBA – crer (Vd. GBO
GBÀ - receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar (Vd. BÒ, MÚ, GBÉ
GBÀ – aceitar, admitir, conceder, receber, bater, jogar 
GBÁ – jogar, atirar (Vd. GIBÁ
GBÀ Á – aceitou-a 
GBÁ BÓÒLÙ – jogar bola 
GBADA – faca com lâmina grande 
GBADU-LUMÓ – traduzir (Vd. GBÉDÈGBÉYÓ
GBÁDÙN – divertir, gozar (coisa útil e agradável, sentir prazer) 
GBÀDÚRÀ – orar, rezar (Vd. KIRUN
GBÀGBÉ, GBABE - esquecer 
GBÀGBÓ – acreditar 
GBÁGUDA – mandioca, aipim, ar livre (Vd. ÈGÉ, PAKI
GBÁ ÌTÁ – varrer lá fora 
GBAJÉ – encantadora (Vd. NIFAIAYA, AFAIYÁ-KORIN
GBAJUMO – cavalheiro, homem gentil 
GBÀ-LÀ – salvar 
GBÀ-LAYÈ – permitir, dar espaço (Vd. FÚN-LÁYÈ
GBÁLÈ – varrer (limpar), varrer a casa 
GBANGBA – explicação, prova, demonstração (atribuído à Ifa) 
GBANJO - leilão 
GBARADÌ – amar, desejar, querer 
GBASE - obedecer 
GBÁYÓ – jogar (esporte) 
GBE - secar 
GBE – levantar, cavar, desaguar (Vd. DÌDE, AGBESOKÉ
GBÉ - receber, concordar, pegar, ajudar, socorrer, salvar, tomar (Vd. BÒ, MÚ, GBÀ
GBÉ – morar, cacarejar, esculpir, erguer, levar, levantar 
GBÉDÈ – agir de maneira inteligente 
GBEDÈGBÈYÒ – linguagem, tradutor 
GBÉ-FÚN - entregar 
GBEGBO – decidir 
GBÈJÀ – defender, comprar briga de alguém 
GBÉKÈLÉ - acreditar, confiar 
GBÈ-KI, GBÉ-MI - engolir 
GBÉ-KO – pendurar, erguer (Vd. FI-KO
GBÉ LE ÈJÌKÁ – levantar os ombros 
GBÉ-LO, GBÉ-WÁ – carregar e levar, levantar, buscar e levar 
GBÉ-MÌ - engolir 
GBÉNÀGBÉR – escultor 
GBÉRA – agitar-se, partir, levantar-se (Vd.
GBÉRÈ - cumprimento 
GBÉ-RÓ – sustentar, erguer, levantar 
GBÉ-RÙ - carregar 
GBÈSAN – vingar (Vd. YARÓ, FIDÍ
GBÈSÈ - dívida 
GBÉ-WÁ – carregar e trazer, buscar 
GBÉYÀWÒ – casar (Vd. FELAYÀ
GBÌDÁNWÒ – tentar 
GBIGBÁ - resgate 
GBIGBÁTÓ – afilhado 
GBIGBEWÓ - teste 
GBIGBON - hábil 
GBÍGBÓNÁ – quente (ser quente) (Vd. GBÓNÁ
GBÍLÈ – florescer, prosperar 
GBIMORAN – ouvido, orelha (Vd. ETÍ
GBÌN – plantar, semear 
GBÓ – envelhecer, ouvir, escutar, idoso (Vd. DARUGBÓ, LOJO LORI
GBÒ – mexer, esfregar folhas 
GBÓ - ouvir, escutar, latir 
GBO – crer (Vd. GBA) 
GBOD-Ó - dever 
GBOGBO - todos (as) 
GBOHUNGBOHUN - eco 
GBOJU – bravo (Vd. LÓKAN
GBÓLÓHÙN-ÒRÒ – sílaba, frase 
GBÓN – sábio, sacudir (a sineta) (Vd. NIMÓ, OWOWÉ
GBÓNÁ – quente (ser quente) (Vd. GBÍGBÓNÁ
GBÒNGBÒ – raiz (Vd. KULÉKULÉ)
GBONSÉ – evacuar 
GBÓRÀN – escutar, obedecer 
GBÓRIN - grande 
GBORÙN – cheirar, farejar 
GBÓSO – ouvir falar 
GBUN – curvar-se (Vd. WÓ, TE
GBÚRÒO - ouvir 
- cortar 
– elogiar (Vd. YIN
GEDÚ - mogno 
GÈGÉ – caneta 
GEGÉ – tudo bem 
GÉGÉBÍ – de acordo com, exatamente (vd. WÉKÚ
GÉ IGBÓ – cortar (o mato) (Vd. GÁN) 
GÉ IRUN – cortar o cabelo 
GE-JE – morder (Vd. RÉ, BÙ-SAN, JAJE, BUNIJE
GÈLÈ – turbante, torso (Vd. ÒJÀ
GÈLÈDÉ – tipo de máscara ritualística de barro ou madeira, sociedade dedicada a homenagear os ancestrais(Femininos) 
GÉNDÉ – homem forte 
GEREGE - suavemente 
GÈREGÉRE-ILÉ, GERE – ladeira (Vd. IGUN OKE
GEREJE - tosco 
GÉRÚNGÉR – cabeleireiro 
GESIN – celar, arriar o cavalo 
GIBÁ – jogar, atirar (Vd. GBÁ
GIDÁ - verso 
GÍGA – alto (ser alto) (Vd. GA) 
GÌGÌRÍSÈ - calcanhar 
GIROBA - goiaba 
GNA - mesmo 
– burro, confundir, embaraçar, encabular 
GO - tolo 
GOBA - goiaba 
GÒGÓNGÒ – garganta, gógó (Vd. OFUN
GÚGÚRÚ – pipoca (Vd. DUBURU
GUGUSÙ - sul 
GÒKÈ – subir 
GÓLU, GÓÒLÙ– ouro 
GÒMBÓ – cicatriz, marca no rosto que indica linhagem 
GÚN – furar, pessoa alta (Vd. LU, DÁ-LU
GÙN – trepar, montar, subir 
GÙN, GÒKÈ, GÙNKÈ – comprido (ser alto), subir 
GUNLÈ – aterrissar 
GÚNLOBE – apunhalar 
GÚNNUGÚN – urubu (Vd. EIYE ÀKÀLÀ, IGÚN
GUUSÙ - sul 


– ficar entalado 
– expressão de prazer 
HÀ, HÈÉ! – medo ou surpresa (interjeição) 
HAANRUN – roncar (Vd. IHANRUN
HALÈ – amedrontar, ameaçar, intimidar 
HAMUNYIA – Cadência executada pelos atabaques e agogôs que capitula a estrutura dos diferentes toques que marcam o siré, mais conhecido por Avamunha. 
HÀN – aparecer, manifestar 
HARAMÚ – roubo (Vd. FEWÓ, JALÈ, OLÉ
HAUSA – língua e povo Hausa 
HE – pegar, apanhar 
HÈÉ! – medo ou surpresa (interjeição) 
HO - arranhar 
– ferver 
– crescer, brotar, germinar 
HU - gemer 
– desenterrar (arrancar com raiz) (Vd. TU
HUN – tecer (Vd. RAN, WUN, OWÚN, OFÍ
HÚWÀ – comportar-se