Follow by Email

sábado, 26 de janeiro de 2013

PALAVRAS DE PEDRO MANUEL T'OGUM - FALANDO SOBRE LOGUN

Motumbá meus (minhas) irmãos (ãs) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ.

Como vimos nas postagens de ontem, nosso membro da EQUIPE OLHOS DE OXALÁ, ARTHUR T' OXAGUIÃN, explicou sabiamente, tudo que nosso BLOG tem passado para que melhor pudéssemos chegar até você, de forma clara e objetiva.

Além do porquê, uma de nossas metas é não somente levar palavras reais sobre nossa fé, mas acima de tudo sobre os ORIXÁS

Não posso é claro, deixar que uma realidade real em nossos dias e nas inúmeras casas abertas (ILÊ ASÉS - na realidade CANDOMBLÉ), bem como vários terreiros (CASAS DE SANTO - na realidade UMBANDA), seja esqueçida. Estou me referindo que cada casa é uma casa. Uma frase bem conhecida no meio do povo do CANDOMBLÉ, bem como na UMBANDA SAGRADA.

Não vou negar que, particularmente eu não concordo com esta frase. Mas respeito. Afinal de contas no meu ponto de vista, se casas provenientes de uma raíz de Asé, deveriam de fato todos falar a mesma língua. Mas não podemos deixar de respeitar uma simples questão que também ouvimos: "Na casa dos meus pais, sou EGBOMI, YAWÔ, enfins.. mas na minha casa sou rei."

De fato uma realidade que não deixa também de ser uma contradição.

Mas o que tem esta colocação com o ORIXÁ LOGUN-EDÉ, que estamos estudando nas COLETÂNEAS LOGUN-EDÉ? Bom posso dizer tudo haver.

Bem sabemos que a línguagem é única. Mas em se tratando de LOGUN-EDÉ, como bem colocamos anteriormente, vemos que este é SENHOR DAS CONTRAVERSÕES

Já vimos em várias casas, a existência somente de um filho deste ORIXÁ META, LOGUN-EDÉ, mas também já vimos outra regra que acontece a existência de mais um filho do mesmo ORIXÁ. A única diferença é respeitar-se os devidos SETE ANOS do primeiro filho(a), para depois iniciar-se outro no mesmo ILÊ ASÉ.

Já vimos outros dizerem sobre a existência de várias QUALIDADES deste ORIXÁ, como por sua vez, já ouvimos que isto não ocorre. Por se tratar de um filho único. Mas deixamos claro que tudo que se refere à qualidades no meu ponto, particular, de vista, não é tão importante assim. Pois qualidades, não indicam ORIXÁS diferentes, mas sim CAMINHOS.

Desta forma, meus (minhas) amados (as), desejo de coração que esta nova etapa que nos dedicamos a falar sobre LOGUN-EDÉ, seja de fato proveitosa para todos que estão nos acompanhando: seja diariamente, esporadicamente. Pois o que nos preocupamos aqui é levar até você o que serve para o crescimento no geral.

Muito obrigado pela atenção, Ogum bo si fuó. E não deixem de mandar comentários ou até sugestões ou temas para novas postagens. 

COLETÂNEA LOGUN-EDÉ - O ORIXÁ DAS CONTRADIÇÕES


Logunedé: Não muda de sexo a cada seis meses, como popularmente costuma-se afirmar, sendo, na verdade, um Orixá do sexo masculino: sua dualidade se dá em nível comportamental, já que em determinadas ocasiões pode ser doce e benevolente como Oxum e em outras, sério e solitário como Oxóssi. 

Logun Edé é um Orixá de contradições; nele, os opostos se alternam, é o deus da surpresa e do inesperado, da magia e do encantamento. 

Simultaneamente caçador e pescador, Logunedé é o herdeiro das características de Oxum e Oxóssi que se mesclam como mistério da criação, trata-se de um Orixá que se caracteriza como um jovem herói civilizador. 

Se Oxum confere a Logunedé domínio sobre a sexualidade, a pesca e a prosperidade, Oxóssi lhe passa os axés da caça, da habilidade e do conhecimento.

COLETÂNEA LOGUN-EDÉ - O ENCANTADO

DIA: Quinta-feira 

CORES: Azul-turquesa e Amarelo-ouro 

SÍMBOLOS: Balança, Ofá, Abebè e Cavalo-marinho 

ELEMENTOS: Terra (floresta) e Água (de rios e cachoeiras) 

DOMÍNIOS: Riqueza, Fartura e Beleza 

SAUDAÇÃO: Logun ô akofá!!!


Logun Edé (lógunèdè) é o orixá da riqueza e da fartura, filho de Oxum e Oxóssi, deus da guerra e da água. É, sem dúvida, um dos mais bonitos orixás do Candomblé, já que a beleza é uma das principais características dos seus pais. 

Rei de Ilexá, caçador habilidoso e príncipe soberbo, Logun Edé reúne os domínios de Oxóssi e Oxum e quase tudo que se sabe a seu respeito gira em torno de sua paternidade. 

Apesar de sua história, é preciso esclarecer que Logun Edé não muda de sexo a cada seis meses, ele é um orixá do sexo masculino. Sua dualidade se dá em nível comportamental, já que em determinadas ocasiões pode ser doce e benevolente como Oxum e em outras, sério e solitário como Oxóssi. Logun Edé é um orixá de contradições; nele os opostos se alternam, é o deus da surpresa e do inesperado.

Na Nigéria, a cidade de Logun Edé chama-se Ilexa e é uma das mais ricas e prósperas da África, anualmente fazem encontros com vários festivais vindo pessoas de toda as partes da África. 

Na África negra, dizem que Logun Edé seria na verdade Ólògún Ode – o guerreiro caçador – o maior entre todos os caçadores, pai de todos eles, inclusive de Oxóssi. E se observarmos a cantiga de Oxóssi, veremos que expressão Omo ode, ou seja, filho do caçador, é constante, podendo inferir certa lógica nas histórias contadas pelos africanos, como também sua ligação com Ogun. 

Oxum Yéyé Ipondá e Odé Erinlé Ibò, respectivamente, as qualidades de Oxum e Oxóssi que se consideram os pais de Logun Edé.

A história revela que Oxóssi, feliz pelo filho vindouro, declarou a Oxum o seu amor e pediu a ela posse do menino: 

- Oxum, por amor a você, quero que Logun Edé fique comigo, vou ensiná-lo a caçar. Comigo ele aprenderá os segredos da floresta. 

Mas Oxum também amava Logun Edé e por maior que fosse seu amor por Oxóssi ela não poderia separar-se de seu filho então declarou: 

- Logun Edé viverá seis meses com sua mãe e seis meses com o seu pai, comerá do peixe e da caça. Ele será Oxóssi e será Oxum, mas sem deixar de ser ele mesmo, Logun Edé: um príncipe na floresta e um grande caçador!

Logun Edé pertence ao panteão dos caçadores, é único, não tem qualidade, por isso só pode existir um iniciado numa casa de candomblé.