Follow by Email

sábado, 31 de março de 2012

MENSAGEM DO DIA

Uma mensagem enviada por nossa amiga MAGA, do perfil no ORKUT OLHOS DE OXALÁ (O BLOG). Que estas palavras sejam um novo linear para nosso dia. 

SÉRIE POVO DE SANTO

Motumbá meus queridos (as) amigos (as)

Com grande alegria hoje estamos encerrando a primeira parte de uma longa jornada, chamada CANDOMBLÉ. A quem acompanhou eu só posso dizer de fato, OBRIGADO!

Mas assim como nossa vida é cheia de Ciclos que se abrem e que terminam hoje estamos fechando este mesmo ciclo buscando fechá-lo com chave de ouro. E para isso estou postando com alegria esta série que pra muitos conhecidíssima e para outros nem ainda a viram.

Estou me referindo a SÉRIE POVO DE SANTO, que vem a ser uma série de depoimentos de muitos Babalorixás e Yalorixás. Alguns até nem conhecidos por muitos iniciantes desta nova geração, mas que estas pessoas são de fato verdadeiros exemplos entre os mais antigos de nossa religiosidade. Espero que curtam.







OS ORIXÁS, O CANDOMBLÉ E O CRISTIANISMO E OS TEMPLOS


Os Orixás

Na Mitologia Yorubá, Olorum é o Deus supremo do povo Yorubá, que criou as divindades chamadas Orixá para representar todos os seus domínios aqui na terra, mas não são considerados deuses.

Os Orixás/Inkices/Voduns são arquétipos de uma atividade ou função e representam as forças que controlam a natureza e seus fenômenos, tais como as águas, o vento, as florestas, os raios, etc.

Cada Orixá tem um dia da semana a ele consagrado, por isso a grande quantidade de baianos vestidos de branco nas sextas feiras, pois sexta-feira é dia de Oxalá, a divindade da Criação e o branco é a sua cor. Oxalá é sincretizado com Nosso Senhor do Bonfim, padroeiro da cidade de Salvador.

Eles recebem homenagens regulares, com oferendas de comidas, ervas, minerais, cânticos, danças e roupas especiais.

Candomblé e Cristianismo

No tempo das senzalas os negros para poderem cultuar seus Orixás, Inkices e Voduns usavam como camuflagem, um altar com imagens de santos católicos e por baixo os assentamentos escondidos.

Depois da libertação dos escravos começaram a surgir as primeiras casas de candomblé, e é fato que o candomblé tenha incorporado muitos elementos do Cristianismo. Crucifixos e imagens eram exibidos nos templos, Orixás eram freqüentemente identificados com Santos Católicos, algumas casas de candomblé também incorporam entidades caboclos, que eram consideradas pagãs como os Orixás.

Mesmo usando imagens e crucifixos inspiravam perseguições por autoridades e pela Igreja, que viam o candomblé como paganismo e bruxaria, muitos mesmo não sabendo nem o que era isso.

Templos

Os Templos de candomblé são chamados de casas, roças ou Terreiros. As casas podem ser de linhagem matriarcal, patriarcal ou mista.

Casas pequenas, que são independentes, possuídas e administradas pelo Babalorixá (Babalorixá, ou Baba, é um sacerdote e chefe de um Terreiro de Candomblé) ou Iyalorixá (Yalorixá ou Iyá ou ainda Yalaorixá é uma sacerdotisa e chefe de um terreiro de Candomblé Ketu) dono da casa e pelo Orixá principal respectivamente.

Em caso de falecimento do dono, a sucessão na maioria das vezes é feita por parentes consangüíneos, caso não tenha um sucessor interessado em continuar a casa é desativada. Não há nenhuma administração central.

Casas grandes, que são organizadas tendo uma hierarquia rígida, não são de propriedade do sacerdote, nem toda casa grande é tradicional, é uma Sociedade Civil ou Beneficente.

Existem também as Casas de linhagem matriarcal (só mulheres), que assumem a liderança da casa como Iyalorixá.

A progressão na hierarquia é voltada ao aprendizado e ao desempenho dos rituais longos da iniciação. Em caso de morte de uma Iyalorixá, a sucessora é escolhida, geralmente entre suas filhas, na maioria das vezes por meio de um jogo divinatório Opele-Ifa ou jogo de búzios. Entretanto a sucessão pode ser disputada ou pode não encontrar um sucessor, e conduz frequentemente ao fechamento da casa. Há somente três ou quatro casas no Brasil que completaram 100 anos.

Também é denominado candomblé o templo em que são realizados os ritos e cerimônias.

A visita ao candomblé, como a qualquer outro templo religioso deve ser feita com seriedade e respeito, seguindo-se algumas regras básicas: não trajar bermuda ou roupa de banho; não tirar fotos, gravar ou filmar os cultos.



O QUE É ORIXÁ?


Orixás são elementos da natureza, cada orixá representa uma força da natureza.

Quando cultuamos nossos orixás, cultuamos também as forças elementares oriundas da água, da terra, do ar, do fogo, etc. Essas forças em equilíbrio produzem uma enorme energia (asé), que nos auxilia em nosso dia a dia, ajudando para que nosso destino se torne cada vez mais favorável.

Sendo assim, quando dizemos que adoramos deuses, nós nos referimos a estarmos adorando as forças da natureza, forças essas pertencentes a criação do grande pai. Pai esse conhecido por nós como "Ólorum" ou Olodumaré (Deus supremo).

No Brasil, erroneamente,  diz-se que Oxalá é o pai maior. Na verdade, Oxalá é um dos mais velhos, Orixá Fun-Fun*. Orixalá por ser sincretizado no Brasil com Jesus Cristo, é cultuado como  "Orixá maior",  no Brasil o mais respeitado e o mais velho entre os Orixás.

A grande maioria das nações africanas, anterior a era cristã, conheciam a existência de Ólorun como grande criador, ser fundamental. Acreditamos que nosso Deus "é o todo". E o todo é a natureza e seus integrantes, (animais, vegetais, homens, planetas, etc.)



Nota: Olorum está acima da vaidade pessoal e de religiões que buscam sempre monopolizar o seu poder.

Nosso Deus jamais pune seus filhos tão pouco condena-os a fogueira eterna, também nunca os entregou ao seu maior inimigo (Satanás) após cometer erros divinos chamado de pecados eternos, nosso Deus não destrói países e não aniquila civilizações de filhos amados por ciúmes quando não adorado, amado ou seguido. 
Como Pai, jamais deixaria de perdoar meus filhos, tão pouco condená-los-ia ao extermínio por erros que cometem ou possam cometer. O verdadeiro pai perdoa, ensina, ama e protege seus filhos. Portanto nosso Deus é um pai mais perfeito que qualquer outro pai.

Como já havíamos comentado, nosso panteão nada mais é que a junção das energias de todo os elementos da natureza, cada elemento e força da natureza é por nós, representada por um Orixá. 


Aprendemos a sentir e manipular essas energias individualmente através de cada Orixá, os seguidores iniciados (Iyawôs) sobre a influência de um Orixá, específico,detém mais energia do seu influente que os filhos de outros Orixás.

Exemplo: Os filhos de Ossain possuem mais energia voltada para as curas e plantas, do que os filhos de Ogun, que possuem por sua vez, mais energia voltada às armas, metais, ferramentas, etc.


Em resumo, quase todos os Orixás tiveram uma curta passagem pelo nosso mundo, sendo muitos ancestrais divinizados que após fatos heróicos ou divinos, e por possuírem energia extrema, maior que a capacidade humana poderia suportar, encantaram-se e/ou retornaram ao Orun (céu), deixando para nós, segredos e ensinamentos, encurtando a ligação do material ao espiritual. 
Ligação essa, que nós preservamos e usamos não só para nós, mas também para as pessoas que nos procuram, mesmo sem ter ligações diretas com a religião. Essas ligações são em sua grande maioria revelados por IFÁ, cujo veremos na parte relacionado aos  odus.

Em nossa religião, é fundamental a integração com a natureza, pois quanto maior o contato com a natureza, maior será seu desenvolvimento, sua energia, seu Asé e portanto, maior será o cordão (elo) de ligação com seu Orixá aproximando mais de Olorum (Deus criador/construtor de todo o universo).

Orixá significa também o caminho que nos guia em determinados pontos de nossas vidas, caminhos revelados por Ifá onde se faz necessário o devido culto para que os que dele pertencem seguir e equilibrar sua energia durante o tempo que permanecerá no Aiye (terra).

Entre todos os Orixás, salientamos o de maior e incontestável importância que é ORI, seu Deus pessoal, sua identidade, sua consciência viva e presente, que antes de tudo deve ser muito bem cuidada, alimentada  e equilibrada para que se possa ter a consciência e o equilíbrio mental para possuir ou ser conduzido na Energia pura de Orixá.

(Nota: quando nos referirmos a Ifá/Iyami, a fim de não criar confusões, pedimos que visitem o nosso portal Matriz Afro para ter esclarecimentos mais abrangentes e técnicos sobre a senioridade e Cronologia)

sexta-feira, 30 de março de 2012

MENSAGEM DO DIA

A MENSAGEM DO DIA de hoje, nos foi enviada pelo nosso amigo PÁSSARO DE FOGO. No perfil OLHOS DE OXALÁ (O BLOG) no ORKUT. Muito obrigado pela participação de todos neste sentido. Pelas palavras que me enviam falando sobre como o nosso tão simples BLOG tem colaborado em muito nas suas vidas e por ver todos os dias mais pessoas se adicionando neste PERFIL DO ORKUT a fim de manter contato conosco, criando laços de amizade, carinho e respeito.  

FILHOS DO AXÉ

Muitas vezes, não sabemos como entender o que acontece conosco para adentrarmos no mundo do CANDOMBLÉ ou até mesmo da UMBANDA SAGRADA

Muitos dentre nós, já foram Católicos Apostólicos Romanos, como muitos exemplos que já mencionamos aqui. Tomo como maior exemplo desta realidade: MAKOTA VALDINA. Que além de ter sido descendente de uma família literalmente cristã, era praticante assídua das missas, de novenas, foi catequista e hoje é uma das personalidades do CANDOMBLÉ, com seu posto de MAKOTA ( Ekedi).

Outros entre nós foram até PROTESTANTES, BUDISTAS, provenientes das mais vastas realidades, até mesmo ATEUS. E hoje pela força dos ORIXÁS, são de fato pessoas de supra importância no CANDOMBLÉ

Outros ainda possuíram uma grande realidade de vida comum em várias pessoas. Quantos entre nós antes de entrar para a RELIGIOSIDADE não tinham graves problemas de saúde? Quantos até viam e ouviam coisas, muitas vezes até tidos como loucos? Pois é cada um de nós tem de fato uma história sobre nosso chamado à religiosidade seja do CANDOMBLÉ, bem como à UMBANDA SAGRADA

Já que estou abordando esta realidade, inserida neste tema, partilho com todos vocês um vídeo que mesmo dividido em três partes, fala muito para todos nós. Mesmo o exemplo dado neste vídeo não ser de fato ligado a cada um de nós. Ele nos faz diretamente relembrar o dia em que nos inserimos nesta realidade religiosa e que nos faz FELIZ E COMPLETOS por ser do Axé. 




Espero que tenham gostado e que este possa ter ajudado a muitos a entender melhor o seu chamado. Bem como aos mais antigos e já pertencentes à religiosidade possam ter se relembrado do seu início de caminhada. Pois afinal: Recordar é viver. 

CANDOMBLÉ DE BATUQUE

Batuque



Batuque é uma Religião Afro-brasileira de culto aos Orixás encontrada principalmente no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, de onde se estendeu para os países vizinhos tais como Uruguai e Argentina.

Batuque é fruto de religiões dos povos da Costa da Guiné e da Nigéria, com as nações Jêje, Ijexá, Oyó, Cabinda e Nagô.

A estruturação do Batuque no estado do Rio Grande do Sul deu-se no início do século XIX, entre os anos de 1833 e 1859. Tudo indica que os primeiros terreiros foram fundados na região de Rio Grande e Pelotas. Tem-se notícias, em jornais desta região, matérias sobre cultos de origem africana datadas de abril de 1878, (Jornal do Comércio de Pelotas). Já em Porto Alegre, as noticias relativas ao Batuque, são da segunda metade do século XIX, quando ocorreu a migração de escravos e ex-escravos da região de Pelotas e Rio Grande para a Capital.


O batuque é uma religião onde se cultuam vários Orixás, vindos de várias partes da África, e suas forças estão em parte dentro dos terreiros, onde permanecem seus assentamentos e a maior parte na natureza: rios, lagos, matas, mar, pedreiras, cachoeiras etc., onde também invocamos as vibrações de nossos Orixás.


Entre toda a literatura Rio-grandense sobre o BATUQUE, se encontra o livro O BATUQUE DO RIO GRANDE DO SUL, de Norton F. Correa. Cuja imagem esta postada logo abaixo e que fala claramente o que vem a ser esta ramificação de nosso tão amado CANDOMBLÉ.



Para darmos um gostinho de quero mais aqui vai um vídeo que nada mais é que uma HOMENAGEM AO ORIXÁ OGUM, firmada na praça principal da cidade de CAXIAS DO SUL e que é reverenciada todos os anos pelos nossos irmãos do BATUQUE

FALANDO SOBRE A PROGRAMAÇÃO DO BLOG NO MÊS DE ABRIL.

Motumbá meus (minhas) amigos (as) do BLOG OLHOS DE OXALÁ

Nesta Sexta-feira, estamos de fato com nossa programação prontinha para você visitante assíduo, para você que passa por nossos artigos pela primeira vez e para você que já se tornou um de nossos seguidores. Que acima de ser seguidor, se tornou nosso amigo de fato.

Dentro da programação de hoje aqui no BLOG, dando continuidade a cronologia dos assuntos que estamos abordando, em nosso caso atual, o CANDOMBLÉ. Estou postando um pouquinho, na verdade uma leve introdução do CANDOMBLÉ DE BATUQUE, que é mais praticado pelas regiões do Rio Grande do Sul. 

Estas postagens do dia 30 e 31 de Março, são as últimas da PRIMEIRA PARTE DO TEMA CANDOMBLÉ. Não se preocupem ainda vem muito mais por ai. 

Lembrando que no mês de ABRIL, estaremos dando uma grande importância ao ORIXÁ OGUM. Mas não podemos esquecer que muitas casas além de comemorarem este grande orixá, que é pai de meu Ori. Também comemoram com ele outro grande orixá. Estou me referindo a OXÓSSI. Então teremos o seguinte procedimento:

No mês de Abril, o BLOG OLHOS DE OXALÁ estará de fato abordando tudo que se refere ao ORIXÁ OGUM. Esta abordagem inclui: FOLHAS DE OGUM, COMIDAS, AS LENDAS, PESSOAS DE OGUM (PERSONALIDADES), AS QUALIDADES, AS CARACTERÍSTICAS DOS FILHOS DESTE GRANDE ORIXÁ. AS CANTIGAS. Entre vastos assuntos já selecionados, preparados, analisados e estudados.

No BLOG BARA LONAN BORDADOS, do meu companheiro FERNANDO DE OXUM irá ser abordado sobre o ORIXÁ OXÓSSI, numa total revisão, mudanças e de uma forma bem prática, simples e real.

Visto que tudo que é postado neste BLOG tem de passar pela regra das "TRES PENEIRAS" a fim de evitar-se colocar o que não é realidade, muito menos o que seja fictício. 

Espero contar com a presença de todos no mês de Abril como tem sido neste mês, que de fato eu só tenho a agradecer pela participação de todos. 

Pedro de Ogum 

quinta-feira, 29 de março de 2012

MENSAGEM DO DIA

Mais uma colaboração de outra amiga do perfil OLHOS DE OXALA (O BLOG), no ORKUT. Estou me referindo a RAYSA. Muito obrigado, de coração, pelo carinho e amizade. 


PARTICIPAÇÃO DE XANDI DE OXALÁ: VERDADES OU MENTIRAS


Meus queridos amigos, o assunto desta postagem me foi enviada via email e assim como ela foi analisada, verificada. Aqui se encontra postada. Espero que como XANDI DE OXALÁ, muitos possam fazer o mesmo oferecendo ao nosso BLOG a sua preciosa colaboração. 

VERDADES OU MENTIRAS 


Há muitos anos tenho visto em jornais e televisão, relatos falsos e informações distorcidas a respeito de nossa religião.

Ouço quase sempre dos meios de comunicação, frases como: 
Pai de santo de magia negra é suspeito de matar criança. 
O candomblé é uma religião espírita.
Umbanda e candomblé são a mesma coisa. 
A religião africanista, cultua espíritos e demônios. 
Exús de candomblé são diabos. Etc.

Erros de frases como estas, podem levar qualquer pessoa leiga a mal entender nossa religião e até temer nossos cultos.

Muitas vezes, ouço chamarem astrólogos, espíritas, feiticeiros, esotéricos em geral, seguidores de seitas satânicas, entre outros; de "babalorixá ou yalorixá" (pai e mãe de santo).

Cada qual possui sua identificação específica, independente do mérito ou tipo de seguimento espiritual seguido.

Lembramos a todos que esoterismo, magia, astrologia e feitiçaria não são religiões. Já o espiritismo, a umbanda e a religião africana (afro-brasileira) são religiões que possuem diferentes origens, seguimentos, liturgias, credos e classificações.

A Umbanda, por sua vez, independente das modificações que vem sofrendo, ocorrido em muitas regiões e estados com a introdução de fundamentos e segredos afros, como as do candomblé em sua liturgia, ainda é uma religião espírita, pois é originária do espiritismo kardecista. Portanto a umbanda é uma religião católica/fetichista, trabalha e atua com espíritos de caboclos, índios, escravos, médicos, etc. PORÉM NÃO SÃO ORIXÁS, e sim Entidades de Incorporação.

Orixá não é espírito. Orixá é energia.

As palavras: babalorixá e yalorixá, originaram-se da língua yorubá (linguagem primitiva africana).

Babalorixá: original em yorubá , babaolórisá ( "S" com som de "X");

BABÁ = PAI

ORI = CABEÇA 

XÁ= GUARDIÃO.

Portanto: 

Orixá, significa: "guardião da cabeça” e babá: “pai ou zelador”. Formando: "zelador de orixá".

YALORIXÁ: YÁ= MÃE, SENHORA.

FORMANDO: MÃE OU ZELADORA DE SANTO.

Os títulos de babalorixá e yalorixá, deveriam pertencer somente ao sacerdote consagrado e iniciado na religião africana (candomblé). Obs: na religião africana existem outros títulos de acordo com a função ou tempo de religião como ex: abian, ebomi, ogã, yawo, ekedi, babalaô (título raro e de extrema importância onde poucos são consagrados sacerdote de ifá), etc. 

Não é admissível intitular de babalorixá ou yalorixá os seguidores de religião espírita e seitas esotéricas em geral.

Sendo assim, deveríamos auxiliar a todos os nossos amigos e irmãos leigos, ligados aos meios de comunicação, afim de corrigir estes pequenos equívocos, pois estas pequenas falhas causam enormes distorções e confusões, gerando medo e até certos repúdios da sociedade brasileira desinformada.

Quantas vezes o Sr(a). babalorixá/yalorixá ouviu a seguinte pergunta:

É verdade que vocês sacrificam crianças ? São perguntas difamatórias como estas, que as vezes chegam a irritar-nos. Pois sabemos que, nosso culto não mata e nunca mataria crianças.

Porém, que culpa possuem os leigos, que sempre ouviram, erradamente em meios de comunicação, tais afirmações ?

Muitas vezes os culpados somos nós, em não informarmos que essas pessoas intituladas de pais de santo, que chegam até a matarem crianças, na verdade são cultuadores de seitas demoníacas ou seitas novas inventadas/criadas, na maioria das vezes com base em filmes de terror ou publicações de malucos visionários e drogados, ou induzidos por fanáticos e farsantes que se intitulam babalorixás (pais e mães de santos), sem nunca terem colocado os pés em um barracão ou terreiro de religião afro, seguindo livros que dizem ensinar qualquer um a ser pai de santo, aumentando essa rede de promiscuidade e ignorância.

O candomblé não é uma religião espírita.

Nossos orixás não são espíritos, são deuses. Deuses que representam a natureza de Deus. Cada orixá, como vemos, é representante divino de uma força da natureza.

Os espíritos nós chamamos de egúns, que possuem rituais específicos indicados para tratar e encaminhar almas, como as almas de nossos seguidores e antepassados que precisam de tratamento específico associados ao ritual afro. Porém não cultuados como orixás ou deuses.

Solicitamos a todos os irmãos pertencentes a cultura dos orixás A inserirem-se adequadamente dentro da verdadeira doutrina que o mesmo (axé) representa , adquirindo energia pura, baseada no respeito e contemplação à natureza E aos nossos semelhantes, prática da fraternidade, do amor para com o próximo e a todas as criações de Olorum (Deus supremo; criador do universo e de todas as energias existentes).

XANDI DE OXALÁ

UM BREVE RESUMO DAS POSTAGENS SOBRE O CANDOMBLÉ



Estamos finalizando a primeira parte de postagens sobre o tema CANDOMBLÉ. Lembrando que a partir do dia 01 de Abril, mesmo sendo tido e conhecido como DIA DA MENTIRA para muitos, iremos dar início a uma série de postagens e informações sobre outro ORIXÁ muito importante na vida de todos. Estou me referindo ao ORIXÁ OGUM.

ORIXÁ este patrono do ORI do moderador deste BLOG OLHOS DE OXALÁ, que caminha junto com OXAGUIÃN, dando-lhe a condição de ser ORIMEGE. Assim resolvemos postar este pequeno resumo de tudo que já foi postado para relembrar dos assuntos a este tema referidos.

O Candomblé é uma religião originária da África, trazida ao Brasil pelos africanos escravizados na época da colonização brasileira. É o culto dos orixás, de origem totêmica e familiar, é praticada pelo chamado povo do santo. E já toma espaço em outro países como Uruguai, Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá e México. Na Europa: Alemanha, Itália, Portugal e Espanha.

Embora confinado originalmente à população de negros escravizados, proibido pela igreja católica, e criminalizado mesmo por alguns governos, o candomblé prosperou nos quatro séculos, e expandiu de forma considerável desde o fim da escravatura em 1888.

Na cidade de Salvador existem 2.230 terreiros registrados na Federação Baiana de Cultos Afro-brasileiros e catalogado pelo Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA (Universidade Federal da Bahia).

Além disso, muitas pessoas (até 70 milhões, de acordo com algumas organizações culturais Afro-Brasileiras) participam de rituais do candomblé, mas não o tem como sua religião oficial. Como as multidões que lotam as praias na passagem de ano, para homenagear Iemanjá, a orixá (deusa) dos mares e oceanos. Além de religião, podemos considerá-lo como uma grande parte de nossa cultura e folclore.

A Religião

Os negros escravizados no Brasil pertenciam a diversos grupos étnicos, como os Ketu, os Bantu e os Jeje. Como a religião se tornou semi-independente em regiões diferentes do país, entre grupos étnicos diferentes, evoluíram diversas "divisões" denominadas nações, que se distinguem entre si principalmente pelo conjunto de divindades veneradas, o atabaque (música) e a língua sagrada usada nos rituais.

Candomblé é uma religião monoteísta, embora alguns defendam a idéia que são cultuados vários deuses. O Deus único para a Nação Ketu é Olorum, para a Nação Bantu é Nzambi e para a Nação Jeje é Mawu, a maioria dos participantes consideram como sendo o mesmo Deus da Igreja Católica.

MEDITANDO COM TETE

Motumbá queridos (as) amigos (as) do BLOG OLHOS DE OXALÁ

É uma alegria aos meus olhos humanos ver a participação dos seguidores deste BLOG se manifestando. 

As vezes, ainda sou pego tentando descobrir o que falta neste BLOG para que os seguidores ou todos aqueles que venham apenas visitá-lo se manifestem postando algum tipo de comentário em qualquer das postagens aqui colocadas.  

Não vou negar que hoje em dia essa situação tem diminuído muito devido as participações que estão acontecendo pelo perfil OLHOS DE OXALÁ ( O BLOG), na rede de relacionamentos chamada ORKUT. Pois de alguma forma as pessoas se manifestam. 

Mas não posso negar que postando aqui, fica mais fácil de ser analisado o ponto de vista de cada um sobre uma determinada postagem. Por isso ainda peço que comecem a deixar aqui seus comentários também. Lembrando que abaixo de cada postagem você ainda pode votar se a mensagem é boa, agradável ou interessante. 

Mas hoje partilho com todos vocês mais um texto meditativo muito bacana de nossa amiga TETE. Espero que como eu, gostem também destas pequenas palavras que nos levam a pensar muito nas decisões da vida que muitas vezes somos obrigados a tomar para seguir adiante. 



Um homem estava perdido no deserto, prestes a morrer de sede. Até que chegou a uma cabana velha, desmoronando, sem janelas, sem teto. Andou por ali e encontrou uma pequena sombra onde se acomodou, fugindo do calor do sol desértico. Olhando ao redor, viu uma velha bomba d'água, bem enferrujada. Ele se arrastou até a bomba, agarrou a manivela e começou a bombear, a bombear, a bombear sem parar. Nada aconteceu!

Desapontado, caiu prostrado para trás. E notou que ao seu lado havia uma velha garrafa. Olhou-a, limpou-a, removendo a sujeira e o pó, e leu um recado que dizia: "Meu amigo, você precisa primeiro preparar a bomba derramando sobre ela toda água desta garrafa. Depois faça o favor de enchê-la outra vez antes de partir, para o próximo viajante".

O homem arrancou a rolha da garrafa, e, de fato, lá estava a água. A garrafa estava quase cheia d'água! De repente, ele se viu num dilema. Se bebesse aquela água, poderia sobreviver. Mas se despejasse toda aquela água na velha bomba enferrujada, e ela não funcionasse morreria de sede.

O que fazer? Despejar a água na velha bomba e esperar vir a ter água fresca, fria, ou, beber a água da velha garrafa e desprezar a mensagem? Com relutância o homem despejou toda a água na bomba. Em seguida, agarrou a manivela e começou a bombear ... E a bomba pôs a ranger e chiar sem fim. E nada aconteceu!

A bomba foi rangendo e chiando. Então, surgiu um fiozinho de água, depois, um pequeno fluxo, e, finalmente, a água jorrou com abundância! Para alívio do homem a bomba velha fez jorrar água fresca, cristalina. Ele encheu a garrafa e bebeu dela ansiosamente. Encheu-a outra vez e tornou a beber seu conteúdo refrescante. Em seguida, voltou a encher a garrafa para o próximo viajante. Encheu-a até o gargalo, arrolhou-a e acrescentou uma pequena nota:

"Creia-me, funciona. Você precisa despejar fora a água velha para poder beber da água fresca".

quarta-feira, 28 de março de 2012

A FUNÇÃO DE EKEDI, AS SUAS VESTIMENTAS E ELEGUN


EKEDI


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.




Ekedi, Ajoiê e Makota nomes dados de acordo com a nação do candomblé, é um cargo feminino de grande valor, escolhida e confirmada pelo Orixá do Terreiro de candomblé (não entram em transe). Na Casa Branca do Engenho Velho, as ajoiés são chamadas de ekedis. No Terreiro do Gantois, de "Iyárobá" e nos terreiros de Angola do candomblé Bantu, é chamada de "makota de angúzo", "ekedi" é nome de origem Jeje, que se popularizou e é conhecido em todas as casas de Candomblé do Brasil.
 
Dentre os cargos femininos na hierarquia do candomblé no Brasil, o mais conhecido é da Ekedi, como os ogans, elas não são possuídas por seu orixá de cabeça, ou seja não entram em transe, pois necessitam estar acordadas para atender as necessidades dos Orixás, Voduns ou Inkices para os quais foram devidamente preparadas para servir. 

A ekedi na maioria das casas também é chamada de mãe, exerce a função de dama de honra do Orixá regente da casa. É dela a função de zelar, acompanhar, dançar, cuidar das roupas e apetrechos do Orixá da casa, além dos demais Orixás, dos filhos e até mesmo dos visitantes. 

É uma espécie de “camareira” que actua sempre ao lado do Orixá e que também cuida dos objectos pessoais do babalorixá ou iyalorixá. O cargo de ekedi é muito importante, pois será ela a condutora dos Orixás incorporados no Egbê (barracão ou sala de festividades) e dela é a responsabilidade de recolhê-los e “desvirá-los”, observando as condições físicas daqueles que “desviraram”

Para se tornar uma ekedi, ela primeiramente é apresentada e não suspensa como o Ogan, e logo depois será confirmada, com as obrigações de Roncó.


Vestuário

Existe muita diferença de uma casa para outra e mesmo de uma nação para outra, na forma de se vestir. Na Casa Branca do Engenho Velho a ajoiê não usa roupa de baiana e nem dança na roda do xirê, o traje tradicional da ajoiê é um vestido discreto, um fio-de-contas e um pano da costa dobrado sobre um ombro ou na cintura. Sempre tem uma toalha ou tecido à mão para secar o rosto do filho-de-santo que está em transe, no dia a dia usa uma roupa de ração como todas as participantes do candomblé. 

Já em outras casas, vai depender do babalorixá ou iyalorixá deliberar o uso da roupa de baiana pelas ekedis. Em muitos candomblés de Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo é muito comum encontrar ekedis vestidas de baiana e dançando na roda do xirê. 

Elegun

(em Yorubá Elégùn) é a palavra que exprime o conceito dos "iniciados" nas religiões tradicionais africanas e de matriz africana ou de afro-descendentes, inerente ao culto do Orixá. No Brasil é chamado de Candomblé. É aquele que passou pela iniciação, Feitura de santo ou iniciação ketu, sujeita ao transe de possessão. Os chamados não rodantes não são considerados Elegun. 

Todo elegun é um olóòrìsà (aquele que possui um orixá), que habita no seu interior e pode ser expressado em qualquer hora e lugar. No Brasil a palavra que define um iniciado é adósùu (aquele que levou o osù "oxu"), comumente chamado de iaô, todavia é muito claro e notório no terreiro de candomblé que todo iaô é um adósùu, mas nem todo adósùu é um iaô.

PAULA DE YANSÃ E VALTEMAR DE OXÓSSI CONVIDAM

De fato a participação de nossos amigos do perfil OLHOS DE OXALÁ (O BLOG), lá no ORKUT esta sendo pra mim uma alegria e na verdade uma eterna surpresa que se faz todos os dias.




Desta vez, PAULA DE YANSÃ E VALTEMAR DE OXÓSSI têm seu recadinho:

SEGUE ANEXO AS GÍRIAS DO MÊS DE ABRIL 2012.

DIA 06/04/2012 ARRIADA DE EXÚ E POMBAGIRAS ÁS 19:00 HRS

DIA 07/04/2012 MARINHEIROS E CANGACEIROS ÁS 18:00 HRS

DIA 14/04/2012 PAIS E MÃES DE CABEÇAS E CANGACEIROS ÁS 18:00 HRS

DIA 21/04/2012 BOIADEIROS E CANGACEIROS ÁS 18:00 HRS

DIA 27/04/2012 CANGACEIROS ÁS 18:00 HRS

DIA 29/04/2012 FESTA AO SR OGUM ÁS 14:00 HRS

ENDEREÇO: RUA MANOEL ALVES CHAVES 48/52 VL.PORTUGUESA.

ALTURA DO N 9500 DA AV.SAPOPEMBA.

GRUPO ADE OBA PARAMENTOS DIVULGANDO CONOSCO

Motumbá queridos (as) amigos (as) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ.

Mais uma vez nossos amigos GRUPO ADE OBA PARAMENTOS vem divulgar através de nosso BLOG seus novos serviços para nossa religiosidade: Roupas e Paramentações. Mas desta vez, eles trazem também uma novidade.

Esta novidade trata-se da divulgação de seu novo BLOG GRUPO ADE OBA, cujo endereço esta aqui:

Conheça nosso blog....  http://grupoadeoba.blogspot.com.br/

Acompanhem conosco este novo serviço:


Com seus novos trabalhos muito bem feitos





CONVITE DE FRANKLIN DE OGUM


Franklin de Ogum, presidente da F.U.C (FEDERAÇÃO UMBANDISTA CARAPICUIBANA) é um dos nossos mais fiéis colaboradores de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ, bem como participante do perfil no ORKUT do mesmo BLOG.

Hoje vem aqui para nos convidar para mais um grande evento sobre nossa religiosidade. 


F.U.C. CONVIDA PARA PALESTRA EM CARAPICUÍBA HOJE





Palestra  Quarta-feira - DIA 28/03/2012.

LIBERDADE RELIGIOSA NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Expositora

DRA. CARMEN DORA DE FREITAS FERREIRA

Advogada militante na área de Direito do Trabalho; Graduada em Direito e Serviço Social pela UniFMU;

Ex-Membro da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa e da Comissão de Igualdade Racial da OAB SP; Colaboradora do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo COM A PRESENÇA DO CORAL DA CAASP/OAB

Data / Horário:
28 de março (quarta-feira) – 19 horas


Local:
Casa do Advogado II de Carapicuíba
Av. Fernanda, 75/85 - Centro
Inscrições / Informações

Mediante a doação de um pacote de bolacha de água e sal ou maisena, no ato da inscrição.

Fones: (11) 4164-3396 / 4164-4029

Presidente: Dr. Carlos Alberto Cardoso de Camargo
Promoção

181ª Subseção - Carapicuíba

Presidente: Dr. Armando Filho Berchol Reis
Comissão do Negro e Assuntos Discriminatórios da OAB – Carapicuíba

Coordenadora: Dra. Cleusa Lincol Martins

Apoio

Comissão de Cultura e Eventos da OAB – Carapicuíba

Coordenadora: Dra. Patricia Mafalda Zanella de Andrade Alves

Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP

Diretor: Dr. Umberto Luiz Borges D’Urso

Federação Umbandista Carapicuibana

***Serão conferidos certificados de participação — retirar em até 90 dias***

*** Vagas limitadas***

Dr. Luiz Flávio Borges D’Urso

Presidente da OAB SP

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo

segunda-feira, 26 de março de 2012

MENSAGEM DE UMA AMIGA DO ORKUT

Motumbá amigos (as) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ

Assim como tenho vindo aqui agradecer por todas as mensagens que me são enviadas via PERFIL OLHOS DE OXALÁ (O BLOG), lá no ORKUT. Hoje eu venho agradecer da mesma maneira por uma inovação: um texto meditativo, bem interessante enviado por minha amiga TETE, que além de ser amiga fíel de anos na minha vida. É uma mulher que além de morar num estado maravilhoso onde eu mesmo já morei por oito anos lindos da minha vida. Estou falando do RIO DE JANEIRO. É uma CATÓLICA fervorosíssima, praticante e assídua.

Uma pessoa que em momento algum me criticou pela minha escolha religiosa e que mesmo assim esta comigo em todas as horas, mesmo com nossa separação digamos geográfica. Então partilho com vocês este mesmo texto que ela me enviou tão carinhosamente e que de fato nos fala muitas coisas. 

TETE 

Dona Cacilda é uma senhora de 92 nos, miúda, e tão elegante, que todo o dia, às 8 da manhã ela já está toda vestida, bem penteada e discretamente maquiada, apesar de sua pouca visão. E hoje ela se mudou para uma casa de repouso: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra solução.


Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto. Enquanto ela manobrava o andador em direção ao elevador, eu dei uma descrição do seu minúsculo quartinho, inclusive das cortinas de tecido florido que enfeitavam a janela. Ela me interrompeu com o entusiasmo de uma a garotinha que acabou de ganhar um filhote de cachorrinho.

"Ah, eu adoro essas cortinas."

"Dona Cacilda, a senhora ainda não viu seu quarto, espera mais um pouco."

"Isso não tem nada a ver, ela respondeu, felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como a mobília vai estar arrumada. Vai depender de como eu preparo a minha expectativa. E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo todo dia quando acordo. 

Sabe, eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem."

"Simples assim?"
"Nem tanto; isso é para quem tem autocontrole e exigiu de mim um certo 'treino' pelos anos a fora, mas é bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em conseqüência, os sentimentos."

Calmamente ela continuou:

"Cada dia é um presente; e, enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidades na sua 'Conta de Lembranças'. E aliás, obrigada por este seu depósito no meu Banco de Lembranças. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica."

Depois me pediu para anotar:

1. Jogue fora todos os números não essenciais para sua sobrevivência. Isso inclui idade, peso e altura. Deixe seu médico se preocupar com eles. Para isso ele é pago.

2. Freqüente, de preferência, seus amigos alegres. Os "baixo-astrais" puxam você para baixo.

3. Continue aprendendo. Aprenda mais sobre computador, artesanato, jardinagem, qualquer coisa. Não deixe seu cérebro desocupado. Uma mente sem uso é a oficina do diabo. E o nome do diabo é Alzheimer.

4. Curta coisa simples.

5. Ria sempre, muito e alto. Ria até perder o fôlego; ria para você mesma no espelho, ao acordar e que o sorriso seja sua última 'atitude' antes de dormir.

6. Lágrimas acontecem. Agüente, sofra e siga em frente. A única pessoa que acompanha você a vida toda é você mesmo. Esteja vivo enquanto você viver e seja uma boa companhia para si mesmo.

7. Esteja sempre rodeado daquilo de que você gosta: pode ser família, animais, lembranças, música, plantas, um hobby, o que for. Seu lar é o seu refúgio, sua mente seu paraíso.

8. Aproveite sua saúde. Se for boa, preserve-a. Se está instável, melhore-a da maneira mais simples: caminhe, sorria, beba água, ore, veja comédias, leia piadas ou histórias de aventuras, romances e comédias.

9. Não faça viagens de remorsos. Viaje para o shopping, para cidade vizinha, para um país estrangeiro, pega carona numa cauda de cometa, imagine os mais diversos objetos formados pelas nuvens no céu, mas evite as viagens ao passado, pois você pode ficar retido na estação errada. Escolha as lembranças que quer ter; não se deixe dominar por elas ou perderá o direito à escolha.

10. Diga a quem você ama que você realmente o ama, e diga isso em todas as oportunidades, através do olhar, do toque, das palavras, das ações diárias e do carinho. Seja feliz com seu próprio sentimento e não exija retribuição; você terá, de graça, o que o outro sentir; nada mais, nada menos.

Livro: Códigos da Vida
Autor: Legrand