Follow by Email

terça-feira, 27 de novembro de 2012

COLETÂNEA OXÓSSI NA UMBANDA - TEXTO DOUTRINÁRIO SOBRE OS BOIADEIROS



Texto doutrinário: Os Boiadeiros 

Fonte: “Arquétipos da Umbanda”, Rubens Saraceni, Madras Editora, 2007, páginas 108/109 e 111. 

A Bíblia cita carruagens de fogo (de luz) puxadas por cavalos. Também cita os Cavaleiros do apocalipse, em suas cavalgadas pelo espaço levando o terror aos pecadores. 

Outras mitologias religiosas citam seres espirituais que cavalgam pelo espaço infinito. Inclusive, a Mitologia cita as Valquírias, que eram (ou são) exímias amazonas sobrenaturais. A mitologia grega cita Pegasus, o cavalo alado, e cita seres que têm corpo de cavalo e humano. 

Bem, separando as descrições míticas, temos de fato espíritos de cavalos que, após desencarnarem, retornam para uma dimensão da vida que é, em si, uma realidade de DEUS, toda dedicada a abrigá-los. E não só aos que encarnaram, porque essa realidade se assemelha a um sonho ou a um conto de fadas. Além de ser uma dimensão quase toda plana, só quebrada por algumas ravinas, colinas, bosques e riachos, ela é infinita em qualquer direção, e é toda verdejante, recoberta por algumas espécies de gramíneas ou capins de baixa estatura. 

Nela vivem equinos das mais variadas espécies, cada uma tão bela quanto as outras; e andam em manadas tão grandes que encantam os olhos de quem os vê correndo ao longe. 

Ninguém é obrigado a crer no que aqui revelamos, mas essa dimensão realmente existe. Assim como existem os verdadeiros exércitos de espíritos montados em seus garbosos cavalos que, a um comando dos seus montadores, se atiram numa cavalgada pelo espaço. 

Briosos e fogosos, esses cavalos obedecem aos seus montadores como se ouvissem o pensamento deles. 

Esses exércitos de espíritos montados vigiam, como soldados dedicados, tudo o que acontece nos campos da Lei Maior e sempre estão prontos e alertas para acudirem os necessitados. 

Ogum, na Umbanda, difere um pouco de sua descrição no Candomblé porque nela Ele foi todo associado à Lei Maior e é “o senhor das demandas”

Ogum corta demandas o tempo todo para os umbandistas. São pedidos e mais pedidos nesse sentido e ninguém mudará essa imagem, esse arquétipo de Ogum, pois foi pra exercê-la que ele foi incorporado à nascente religião umbandista. 

Pois bem, a Linha de Boiadeiros é sustentada, em um dos seus Mistérios, por Ogum, e a alusão aos cavalos, ao tocar da boiada, ao laçar e trazer de volta o boi desgarrado do rebanho, o atolado na lama, o arrastado pelos temporais, o que se embrenhou nas matas e se perdeu, o que foi atravessar o rio e foi arrastado pela correnteza, etc., tudo tem a ver com o trabalho realizado por esses destemidos espíritos Boiadeiros de Umbanda. 

E assim sucessivamente com as alusões dos seus pontos cantados, pois as “ventanias”, as “poeiras”, as “enxurradas” e outros simbolismos indicam os campos de atuação e de ações desses espíritos aguerridos que lidam com os “bois desgarrados do grande rebanho”

Na Bíblia, o cordeiro simboliza espírito. 

Na Umbanda dos Boiadeiros eles são chamados de “bois”

Boiadeiros são espíritos que conduzem de volta às pastagens tranquilas e seguras os “bois” que se “desgarraram” e se desviaram da grande corrente evolucionista humana. 

É para buscá-los de volta e reincorporá-los, mesmo que à força (o laço e o chicote), que os Boiadeiros (Caboclos de Ogum ligados ao TEMPO) existem. 

Eles não são só espíritos de ex-vaqueiros ou ex-peões. Eles são grandes resgatadores de espíritos rebelados contra a Lei Maior porque não aceitam os “cabrestos” ou as “peias” criadas por ela [Lei Maior] para educar os “cavalos e bois” [espíritos] chucros e arredios, difíceis de serem domados e domesticados. 

O simbolismo por alusão é tão associado à lida com o gado e com suas dificuldades que, ou o interpretamos corretamente ou muitos desavisados ficarão com a impressão de que eles são só espíritos de ex-peões tocadores de gado do plano material. 

Ogum é o senhor das demandas; 

Yansã é a senhora dos Eguns (espíritos); 

Logunan é a senhora do Tempo cronológico [Obs.: do tempo que passa, das eras, e também do Tempo Infinito de Deus, que é a eternidade]. 

No tempo, em que tudo acontece (a evolução), esses Caboclos de Ogum demandam com as forças das trevas pela libertação e reerguimento consciencial dos espíritos, amparados pela nossa Divina Mãe Yansã. 

Também, a Linha de Boiadeiros é uma linha transitória criada por Ogum e outros Orixás para que todos os Exús de Umbanda, assim que evoluam, possam galgar um novo grau de trabalhos espirituais, no qual deixam de ter que atender a todos os pedidos, não importando se são justos ou injustos, se são bons ou ruins, pois Exu é neutro e assume a polaridade de seu ativador. Obs.: Exu é neutro. Ele “funciona” de acordo com a polaridade da pessoa que o ativa. Mas a responsabilidade é de quem o ativou e lhe deu a própria polaridade, boa ou má. 

Todo espírito que atua como Exu de Umbanda, ao conquistar o grau de Boiadeiro, recupera o seu livre arbítrio e já não é obrigado a responder às invocações com fins negativos. 

Após conquistar o grau de Boiadeiro, o espírito deixa de ser conduzido pelos “bois” e torna-se um tocador “de gado”

Jetuá, Boiadeiro!

COLETÂNEA OXÓSSI NA UMBANDA - DIVERSAS INFORMAÇÕES SOBRE A LINHA DOS BOIADEIROS


Muita coisa temos de aprender sobre estas linhas de trabalho que atinge a energia de OXÓSSI, seja ela pelos CABOCLOS como também pelos BOIADEIROS

Desta forma, já vamos anunciando o que estamos preparando para a segunda parte desta COLETÂNEA OXÓSSI NA UMBANDA, onde ainda iremos futuramente abordar este tema buscando de forma mais aprofundada poder partilhar mais alguns conhecimentos interessantes a fim de que possamos ter ainda mais condições para atuar com esta linha energética.

Nomes simbólicos: Boiadeiro da Serra da Estrela, Zé do Laço, Zé das Campinas, João Boiadeiro, Boiadeiro da Jurema, Boiadeiro do Lajedo, Boiadeiro do Rio, Carreiro, Boiadeiro do Ingá, Boiadeiro de Imbaúba, Boiadeiro Chapéu de Couro, Boiadeiro Juremá, Zé Mineiro, Boiadeiro do Chapadão. 

Dia da semana: A terça-feira, associada a Marte e aos Orixás Ogum e Yansã. 

Algumas Casas lhes dedicam a quinta-feira, na regência do planeta Júpiter, este associado aos Orixás Xangô e Egunitá, por entenderem que os Boiadeiros são regidos pelos Orixás Ogum, Yansã e Egunitá. Considerando que há uma grande ligação entre os campos da Lei e da Justiça Divinas, essa interpretação tem lá seus fundamentos. 

Campo de atuação: Recolhem os espíritos que se desviaram perante a Lei Divina e agem de forma desequilibrada em qualquer dos Sentidos da Vida; combatem os espíritos trevosos e as magias negativas; promovem uma limpeza profunda em nosso campo magnético, despertando em nossas vidas, de forma ordenada, movimento e direção. 

Ponto de força: Os caminhos, as campinas, os espaços abertos e as pedreiras. 

Saudação: Jetuá, Boiadeiro! 

Cor: Azul escuro e amarelo. Em algumas Casas também o marrom e/ou o roxo. 

Elementos de trabalho: Berrante, couro, laço, cabaça, terra, pedras, semente olho de boi, anis estrelado, corda, chifres, chicotes, pembas. 

Ervas: Folhas de bambu, arruda, eucalipto, peregum, quebra-demanda, espada de São Jorge, lança de Ogum, espada de Santa Bárbara, pinhão roxo, casca de alho, casca de cebola, canela, anis estrelado, cravo, folhas de limão e de laranjeira, folhas de café e de fumo (tabaco). 

Fumo/defumação: Cigarro de palha, fumo de corda, charuto. 

Incenso: Benjoim, anis estrelado, cravo, canela, arruda, eucalipto. 

Pedras: Hematita, Granada, Turmalina Preta, Ônix Preto. Também e especialmente as Drusas de Cristal e as Drusas de Ametista. As drusas são agrupamentos de várias pontas em uma única base. Elas trabalham a união e o agrupamento de pessoas ou de objetivos e limpam o ambiente. (Fonte quanto às Drusas: “Os cristais e os Orixás”, Angélica Lisanty, Madras Editora, 2008, página 84.) 

Frutos: Abacaxi, carambola, limão, laranja, uva, banana, açaí, frutas de casca amarela ou vermelha, as frutas ácidas em geral, abóbora, cará, mandioca. 

Flores: Cravos vermelhos, rosas vermelhas e amarelas, flores vermelhas e amarelas em geral. 

Bebidas: Suco de frutas ácidas; vinho tinto seco; vinho branco; aguardente com pedaços de canela; água de coco; cerveja clara; conhaque; café com canela; vinho tinto doce ligeiramente aferventado com folhas frescas de eucalipto; vinho tinto doce fervido com pedacinhos de gengibre. 

Resina: Benjoim (serve apenas para defumações, e NÃO para banhos). 

Oferenda: Frutas, ervas (inclusive dos Orixás Ogum, Oyá-Tempo e Yansã), bebidas, pedras, velas.

COLETÂNEA OXÓSSI NA UMBANDA - ALGUMAS EXPRESSÕES USADAS PELOS BOIADEIROS

Motumbá meus (minhas) amigos (as) do BLOG OLHOS DE OXALÁ, Boa Noite!!!

Aqui estamos novamente para lhe trazer algumas novidades em relação às nossas postagens referentes à COLETÂNEA OXÓSSI NA UMBANDA. Lembrando que estamos abordando a energia dos BOIADEIROS, servidores de OXÓSSI. Assim visando concluir esta parte da COLETÂNEA ainda hoje a fim de darmos entrada no próximo tópico.

Uma linha de trabalho, que manifestadas apresentam alguns termos em seu linguajar muitas vezes não compreendido de acordo com tudo que eles vem realizar a favor de todos aqueles a quem vêem recorrer. Neste caso os BOIADEIROS.


Assim buscamos trazer pra todos vocês alguns destes significados para facilitar ainda mais a compreensão de todos e do que se referem de fato durante suas consultas:

Significado de algumas expressões usadas pelos Boiadeiros (Fonte: “Arquétipos da Umbanda”, Rubens Saraceni, 2007, Madras Editora, página 110) 

Cavalos = filhos de fé; 

Boi = espírito acomodado; 

Boiada = grande grupo de espíritos reunidos por eles e reconduzidos lentamente às suas sendas evolucionistas; 

Laçar = recolher à força os espíritos rebelados; 

Boi atolado = espírito que afundou nos lamaçais e regiões pantanosas; 

Boi açoitado pelos temporais = egum caído nos domínios de Yansã e do Tempo, onde os “temporais são inclementes”

Açoite ou chicote = instrumento mágico de Yansã, feito de fios de crina ou de rabo de cavalo; 

Laço = instrumento do Tempo (Mãe Oyá-Tempo); 

Bois afogados em rios = espíritos caídos nas águas profundas das paixões humanas; 

Bois arrastados pelas correntezas = espíritos arrastados pelas correntezas turbulentas da vida; 

Bois que se embrenharam nas matas e se perderam = espíritos que entraram de forma errada nos domínios de Oxóssi; 

Bois atolados em lamaçais = espíritos caídos nos domínios de Nanã Buruquê; 

Bois perdidos nos pantanais = espíritos que abandonaram a segurança da razão e se entregaram às incertezas das emoções.