Follow by Email

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

COLETÂNEA O CANDOMBLÉ - O USO DA CARIDADE - PARTE II

Muitas vezes amados (as) amigos (as) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ, vemos o CANDOMBLÉ ou até mesmo a UMBANDA SAGRADA, se fechando única e exclusivamente aos ORIXÁS ou das ENTIDADES e a coisa não é bem assim. 

Como vimos na postagem anterior com o mesmo tema "O USO DA CARIDADE NO CANDOMBLÉ", que nada mais é que uma das inúmeras coletâneas que estamos trabalhando em cima, para melhor lhes atender no quisito informação. 

Vimos sim que inúmeras pessoas por si só, ou em forma de ASSOCIAÇÕES (vide documentos de estatutos para associações aqui no BLOG), conseguem não meramente atender de forma grandiosa às pessoas que vivem em seu redor. Como também tem conseguido seus objetivos como: ampliação de seus ILÊS ASÉS; criação de novos projetos como: escolas, creches, asilos ou até mesmo locais próprios para restaurar vidas acometidas por entorpeCentes (vugo - drogas). 

Sempre tendo em uso a CARIDADE, ao irmão mais carente. Vamos ver como a CASA DE OXUMARÊ procede nesta questão, bem como postaremos algumas fotos sobre alguns tipos de ações de caridade de outros irmãos em suas casas de Axé.

Fundado no final do século 18, a entidade é considerada uma das casas mais antigas no culto afro baiano. 

Cerca de 150 famílias e 600 crianças e adolescentes do bairro da Federação, em Salvador, participam de ações sociais promovidas pelo Terreiro Ilê Axé Oxumarê. Os beneficiados recebem cestas básicas, colchões e cobertores. Além disso, a entidade oferece cursos profissionalizantes, como dança afro, bordados, capoeira, informática, corte e costura, penteados afro, confecção de atabaques e percussão. 

De acordo com o líder religioso do Terreiro, Babá Sivanilton , Pai PC, a casa de santo luta pelo reconhecimento do trabalho que realizam. “O nosso compromisso ultrapassa a porteira do candomblé. O foco da instituição é a inclusão social dos nossos vizinhos e, para isso, precisamos superar alguns desafios, dentre eles, a ausência dos poderes públicos na assistência aos moradores da localidade”, pontua Sivanilton. 

Podem participar da ação tanto os filhos de santo da casa, como também a população do bairro. Os interessados devem preencher um cadastro com dados pessoais e de renda, que será submetido à análise. “O projeto já existe há 12 anos e já passaram por aqui aproximadamente três mil pessoas”, conta o babalorixá. 

Participação das crianças – Na religião de matrizes africanas, as crianças recebem um tratamento especial, porque elas são consideradas como a perpetuação do legado de uma tradição religiosa. Isso ocorre também nesse projeto, que prioriza meninos e meninas em situação de risco social. Os coordenadores buscam manter sempre viva a beleza da cultura secular nos ensinamentos para essa nova geração, que contará a história das nações do candomblé, a exemplo do Keto, Angola, Jejê etc. 

Dona Odília, mãe Sidney da Mata, um dos adolescentes beneficiados, não esconde a sua satisfação em ver o filho aprender a tocar um instrumento musical. “Fico muito feliz por saber que meu filho está aprendendo uma profissão, porque não tenho recurso para oferecer um curso de qualidade e saber que ele está no caminho certo livre das drogas e das más companhias. Isso para mim é muito gratificante tendo o apoio do terreiro aqui no bairro”, afirma a moradora da Federação. 

Disciplinado, Sidney conta que graças ao projeto já sabe qual profissão seguir. “Quero ser músico, gosto muito do som do atabaque, não falto uma aula e meu professor é meu mestre”, destaca Mata, aluno do curso de percussão. 

A educadora Thaís Carvalho, que fez parte das ações sociais, reconhece a importância do seu crescimento profissional dentro da instituição. “Fui aluna dos projetos aqui do terreiro e hoje sou educadora. Foi aqui que aprendi a ser gente, conquistei o meu espaço e repasso a minha experiência para os meus alunos dizendo que o amanhã pode ser diferente, só depende da nossa vontade de mudar”, destaca Carvalho. 

Atualmente, muitos jovens que participaram do projeto do Terreiro são bolsistas do curso de percussão realizado pela UFBA (Universidade Federal da Bahia). O que é motivo de orgulho para a comunidade. “O programa mostra que podemos mudar a realidade desses jovens e que os projetos sociais contribuem para cidadania, igualdade e acrescenta valores morais e de respeito ao próximo, promovendo assim futuros profissionais na construção de uma sociedade melhor para todos”, finaliza Babá Sivanilton. 

Se você quer conhecer as obras assistenciais do Terreiro Ilê Axé Oxumarê entre no site: www.casadeoxumare.com.brcasadeoxumare.blogspot.com ou ligue (71) 3237-2859. 

Vimos este grande exemplo do Ilê Asé Casa de Oxumarê, mas muito mais pessoas tem feito isso em prol dos mais necessitados, dando um mar de orgulho aos MEMBROS DO CANDOMBLÉ, devido a tantas criticas que outras religiões têm se preocupado em fazer contra nossa fé.

YÁ LURDES MATTOS CALDEIRA




É exatamente assim, com estes exemplos que temos a seguir que vamos de fato não somente encontrar nosso lugar de reconhecimento diante de todas as outras religiões que nos julgam. Como também podemos fazer a cada dia mais nossos ILÊS ASÉS CRESCEREM MAS EM QUALIDADE E NÃO EM QUANTIDADE.

COLETÂNEA O CANDOMBLÉ - O USO DA CARIDADE - PARTE I

Motumbá meus (minhas) irmãos (ãs), bom dia!!! 


Como de costume, só temos a agradecer as visitas, participações, seguidores, mensagens e comentários. Isso mostra que de fato de alguma forma, nosso serviço e preocupação de postar coisas de fato importantes na RELIGIOSIDADE, tanto do CANDOMBLÉ em si como da UMBANDA SAGRADA

Estamos nos adentrando em mais uma semana que se inicia e com ela hoje somos levados a meditar em algumas práticas muito louváveis de algumas CASAS DE SANTO, sejam elas do CANDOMBLÉ como da UMBANDA. Práticas estas que nos dão uma nova abertura de visão e que na realidade são de fato fundamentais para o crescimento de nossas CASAS DE SANTO. Estamos falando do USO DA CARIDADE

Para isto vamos buscar entender o quem a ser isto: 

Caridade é um sentimento ou uma ação altruísta de ajuda a alguém sem busca de qualquer recompensa. A prática da caridade é notável indicador de elevação moral e uma das práticas que mais caracterizam a essência boa do ser humano, sendo, em alguns casos, chamada de ajuda humanitária. Termos afins: Amor ao próximo; bondade; benevolência; indulgência; perdão; compaixão.




Segundo o Protestantismo (Evangélicos) 

Orígem do latim CARITAS = estima; afeto e do latim CARUS = de alto valor; caro, digno de apreço; querido, agradável. 

“Caridade” (amor agape), o interesse e a busca do bem maior de outra pessoa sem nada querer em troca, conforme a Bíblia Sagrada, única Regra de Fé dos protestantes evangélicos: 

João 3:16 - "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna". 

Marcos 12:30-31 - "Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes". E mais: (Rm 5.5; 1Co 13; Ef 5.2; Cl 3.14).




Segundo o Catolicismo 

A doutrina católica classifica a caridade como uma das virtudes teologais e uma das sete virtudes. Tem o mesmo significado que o Ágape. É um sentimento que pode ter dois sentidos, o sentimento para si mesmo, e ao próximo. 

O Cristianismo afirma que a caridade é o "amar ao próximo como a si mesmo". E afirma que se uma pessoa não se amar adulterando e mentindo a si mesma sobre as coisas que a rodeia, defendendo somente o seu ponto de vista sem pensar no ponto de vista divino, pode estar "amando" o seu próximo, mas da sua maneira, pois quanto mais buscar o esclarecimento divino sobre como amar a si mesma, maior poderá ser o amor desta pessoa pelo seu próximo. 

E afirma que nos dias atuais muitos estão buscando a Cristo, mas da sua "maneira", não procurando arrepender de suas ações, pois em si mesmos não acham culpa alguma, pois defendem os seus próprios pontos de vista. 

Esquecem-se que o salário de pecado é a morte, e quem não se ama (caridade) peca, pois quem exerce a caridade, não peca, pois acaba amando à Deus mais do que a si mesma, ouvindo assim a sua voz e colocando em prática a Verdade que recebe. Dizendo, que quem ama a Cristo, confirma também o Senhorio de Cristo sobre a si mesma, abandonando tudo por Ele, pois um Servo abandona tudo pelo seu Senhor, vivendo somente para ele. 

Aliás, Jesus Cristo ordenou: "Amar a Deus sobre todas as coisas", isto para os cristãos constitui a parte fundamental da caridade. 

Quem tem o amor, prova, não somente com palavras mas sim com ações. Abrindo mão dos costumes dos gentios por amar a Deus sobre todas as coisas, seguindo a sua voz e os seus mandamentos. 

Resumindo e usando as palavras do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, "a caridade é a virtude teologal pela qual amamos a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos por amor de Deus. Jesus faz dela o mandamento novo, a plenitude da lei. A caridade é «o vínculo da perfeição» (Col 3,14) e o fundamento das outras virtudes, que ela anima, inspira e ordena: sem ela «não sou nada» e «nada me aproveita» (1 Cor 13,1-3)"

São Paulo disse que, de todas as virtudes, "o maior destas é o amor" (ou caridade). O Amor é também visto como uma "dádiva de si mesmo" e "o oposto de usar".




Segundo o Espiritismo 

A doutrina espírita entende a caridade como um dever moral de todo homem e que não se resume apenas ao auxílio material. No Livro dos espíritos, item 886, Allan Kardec pergunta aos espíritos superiores: 

"886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas." 

A caridade, portanto, reflete o princípio cristão fundamental de amor mútuo entre todos, independentemente da situação em que se encontrem, tendo aplicação no âmbito moral e material. 

O Espiritismo tenta, pela demonstração ao homem de sua condição de espírito imortal, impulsioná-lo à doação de si próprio ao bem daqueles que dele podem obter auxílio. Quando o homem enxerga a vida como algo que se definha, efêmera, ao passar do tempo, o seu instinto natural de conservação lhe impulsiona ao egoísmo. 

De modo contrário, para o que vislumbra a imortalidade, o tempo deixa de ser algo a temer e o foco da vida passa a ser o presente. A caridade, neste caso, é como um mero trabalho que um trabalhador executa, sabendo que é necessário ao fim pretendido pelo seu senhor, que lhe dará o seu salário. 

Para este, considera Allan Kardec: 

"A importância da vida presente, tão triste, tão curta, tão efêmera, se apaga, para ele, ante o esplendor do futuro infinito que se lhe desdobra às vistas. A conseqüência natural e lógica dessa certeza é sacrificar o homem um presente fugidio a um porvir duradouro, ao passo que antes ele tudo sacrificava ao presente"

O diferencial proposto pelo Espiritismo é conceber a caridade como um dever natural decorrente da própria natureza e da ordem das coisas ao invés de mais um ensino moral. Entendendo o espírito que já passou e passará pelas mais diversas situações em diferentes encarnações no caminho da evolução, qualquer prejuízo que gere a outrem será um prejuízo causado contra si; de forma contrária, qualquer auxílio prestado a outrem será também um auxílio prestado a si. 

Todos estes exemplos mostram que a caridade forma um ciclo virtuoso de progresso geral e traz para o campo científico-filosófico o que era apenas matéria religiosa.

COLETÂNEA O CANDOMBLÉ - AÇÃO SOCIAL NOS TERREIROS

Através de oficinas profissionalizantes, feiras de saúde e intervenções com a participação dos moradores, os terreiros de candomblé têm proporcionado melhorias para as comunidades de baixa renda de Salvador.


Segundo Anselmo Santos, responsável pelo Terreiro Mokambo e mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade Estadual da Bahia (Uneb), o trabalho desenvolvido nos terreiros atende a todos que precisam, independentemente do credo. 

“Nossas atividades tem minimizado os riscos sociais e elevado o conhecimento cultural nessas comunidades”, afirma. 

De acordo com Anselmo, desde 1993, o Terreiro Mokambo faz intervenções junto à comunidade da Vila Dois de Julho, no bairro do Trobogy, resultando em melhorias como a pavimentação das ruas, canalização de água e parcerias com médicos da comunidade que oferecem atendimento gratuito para a população. 

No espaço, são promovidos cursos profissionalizantes de eletrotécnica, além de uma série de projetos em parceria com órgãos públicos, como oficinas de percussão, de simbologia do candomblé, que capacita jovens para a produção de artesanatos afros, campanha de vacinação, distribuição de cestas básicas e mini fábrica de velas. 

“Trabalhos como esses são importantes para tirar do imaginário popular a ideia de que os terreiros são espaços voltados apenas para a religiosidade. É importante que a comunidade tenha conhecimento da sua ancestralidade para saber se defender e gerar políticas públicas com mudanças concretas”, destaca Anselmo. 

Muito antes da existência da lei 10.639, que regulamenta o ensino da cultura africana e afro-brasileira no pais, os terreiros de candomblé já aplicavam os ensinamentos. Um exemplo disso é a Escola Municipal Eugenia Anna dos Santos, liderada por Mãe Stella de Oxóssi, do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, em São Gonçalo. 

O terreiro se tornou conhecido pela sua contribuição ao culto dos orixás e, principalmente, pela força de suas Iyalorixás, que alcançaram papéis de destaque na história do povo negro na Bahia. Lá são desenvolvidos muitos projetos culturais e educacionais. 

Mãe Aninha se mostra muito preocupada com a educação dos seus descendentes. “Quero ver meus filhos aos pés de Xangô com anel de doutor”, afirma. 

Foi com essa finalidade que a escola foi fundada. Hoje ela atende cerca de 350 crianças do bairro de São Gonçalo e adjacências. 

Mãe Stella, seguindo os ensinamentos de Mãe Senhora e Mãe Aninha, fez questão de manter a tradição intelectual dentro do terreiro. Engajada na luta pela preservação da cultura iorubana, ela criou lá mesmo o Museu Ilê Ohum Lailai, que significa a Casa das Coisas Velhas, em português. 

Fonte: Tribuna da Bahia/Portal Povo de Axé

COLETÂNEA O CANDOMBLÉ - COMO ANDA SUA CASA DE UMBANDA OU CANDOMBLÉ?

Motumbá meus (minhas) irmãos (ãs). Muito bom dia. 

Estamos aqui hoje para postar as novidades deste novo dia que se inicia e com ele vamos juntos meditar em alguns pontos que nosso coordenador Pedro de Ogum deixou como recadinho para que fosse falado hoje baseado num sonho que ele teve esta noite. 


São alguns pontos que vamos abordar e que para nosso espanto são temas de fato que chegam na hipótese de virar polêmicos. Mas enfim de fato são situações que acontecem muitas vezes no dia a dia de um terreiro de UMBANDA SAGRADA como também num ILÊ ASÉ dentro da realidade do CANDOMBLÉ

  • O comprometimento de um filho de santo quanto ao seu Ilê Asé ou Terreiro de Umbanda. 
  • A postura dos dirigentes da casa de santo, sejam pais ou mães de santo mediante seus filhos de santo e pessoas que frequentam suas casas. 
  • A postura de todos os ABIÃNS, que muitas vezes começam numa casa de santo, mas nunca são ensinados a como se portar dignamente para ir se posicionando como futuro iniciado da casa que frequenta em questão. 
  • O uso da caridade dentro dos ILÊS ASÉS ou TERREIROS DE UMBANDA
Enfim verdadeiros vespeiros se formos analisar de forma clara estas tristes realidades que não condizem com o que se espera de nossa religiosidade. Bom seguindo então estas metas vamos então explanar cada coisa e esperamos que gostem das postagens sobre estes temas.

COLETÂNEA O CANDOMBLÉ - SAIBA COMO LEGALIZAR SUA CASA DE UMBANDA OU CANDOMBLÉ


Cartilha para legalização de Casas Religiosas de Matriz Africana 

Segue o link da Cartilha para legalização de Casas Religiosas de Matriz Africana, um importante passo para nos defendermos mais da intolerância e sermos reconhecidos pelo Estado como detentores de religiosidade, cultura e fé. A cartilha clara, de fácil entendimento e mostra todos os passos necessários para legalizar a sua Casa de Axé. 

Avante, irmãos! 

Link para a cartilha:

Fonte: Página do axé Casa de Oxumarê (https://www.facebook.com/casadeoxumare)