Follow by Email

quinta-feira, 29 de março de 2012

MENSAGEM DO DIA

Mais uma colaboração de outra amiga do perfil OLHOS DE OXALA (O BLOG), no ORKUT. Estou me referindo a RAYSA. Muito obrigado, de coração, pelo carinho e amizade. 


PARTICIPAÇÃO DE XANDI DE OXALÁ: VERDADES OU MENTIRAS


Meus queridos amigos, o assunto desta postagem me foi enviada via email e assim como ela foi analisada, verificada. Aqui se encontra postada. Espero que como XANDI DE OXALÁ, muitos possam fazer o mesmo oferecendo ao nosso BLOG a sua preciosa colaboração. 

VERDADES OU MENTIRAS 


Há muitos anos tenho visto em jornais e televisão, relatos falsos e informações distorcidas a respeito de nossa religião.

Ouço quase sempre dos meios de comunicação, frases como: 
Pai de santo de magia negra é suspeito de matar criança. 
O candomblé é uma religião espírita.
Umbanda e candomblé são a mesma coisa. 
A religião africanista, cultua espíritos e demônios. 
Exús de candomblé são diabos. Etc.

Erros de frases como estas, podem levar qualquer pessoa leiga a mal entender nossa religião e até temer nossos cultos.

Muitas vezes, ouço chamarem astrólogos, espíritas, feiticeiros, esotéricos em geral, seguidores de seitas satânicas, entre outros; de "babalorixá ou yalorixá" (pai e mãe de santo).

Cada qual possui sua identificação específica, independente do mérito ou tipo de seguimento espiritual seguido.

Lembramos a todos que esoterismo, magia, astrologia e feitiçaria não são religiões. Já o espiritismo, a umbanda e a religião africana (afro-brasileira) são religiões que possuem diferentes origens, seguimentos, liturgias, credos e classificações.

A Umbanda, por sua vez, independente das modificações que vem sofrendo, ocorrido em muitas regiões e estados com a introdução de fundamentos e segredos afros, como as do candomblé em sua liturgia, ainda é uma religião espírita, pois é originária do espiritismo kardecista. Portanto a umbanda é uma religião católica/fetichista, trabalha e atua com espíritos de caboclos, índios, escravos, médicos, etc. PORÉM NÃO SÃO ORIXÁS, e sim Entidades de Incorporação.

Orixá não é espírito. Orixá é energia.

As palavras: babalorixá e yalorixá, originaram-se da língua yorubá (linguagem primitiva africana).

Babalorixá: original em yorubá , babaolórisá ( "S" com som de "X");

BABÁ = PAI

ORI = CABEÇA 

XÁ= GUARDIÃO.

Portanto: 

Orixá, significa: "guardião da cabeça” e babá: “pai ou zelador”. Formando: "zelador de orixá".

YALORIXÁ: YÁ= MÃE, SENHORA.

FORMANDO: MÃE OU ZELADORA DE SANTO.

Os títulos de babalorixá e yalorixá, deveriam pertencer somente ao sacerdote consagrado e iniciado na religião africana (candomblé). Obs: na religião africana existem outros títulos de acordo com a função ou tempo de religião como ex: abian, ebomi, ogã, yawo, ekedi, babalaô (título raro e de extrema importância onde poucos são consagrados sacerdote de ifá), etc. 

Não é admissível intitular de babalorixá ou yalorixá os seguidores de religião espírita e seitas esotéricas em geral.

Sendo assim, deveríamos auxiliar a todos os nossos amigos e irmãos leigos, ligados aos meios de comunicação, afim de corrigir estes pequenos equívocos, pois estas pequenas falhas causam enormes distorções e confusões, gerando medo e até certos repúdios da sociedade brasileira desinformada.

Quantas vezes o Sr(a). babalorixá/yalorixá ouviu a seguinte pergunta:

É verdade que vocês sacrificam crianças ? São perguntas difamatórias como estas, que as vezes chegam a irritar-nos. Pois sabemos que, nosso culto não mata e nunca mataria crianças.

Porém, que culpa possuem os leigos, que sempre ouviram, erradamente em meios de comunicação, tais afirmações ?

Muitas vezes os culpados somos nós, em não informarmos que essas pessoas intituladas de pais de santo, que chegam até a matarem crianças, na verdade são cultuadores de seitas demoníacas ou seitas novas inventadas/criadas, na maioria das vezes com base em filmes de terror ou publicações de malucos visionários e drogados, ou induzidos por fanáticos e farsantes que se intitulam babalorixás (pais e mães de santos), sem nunca terem colocado os pés em um barracão ou terreiro de religião afro, seguindo livros que dizem ensinar qualquer um a ser pai de santo, aumentando essa rede de promiscuidade e ignorância.

O candomblé não é uma religião espírita.

Nossos orixás não são espíritos, são deuses. Deuses que representam a natureza de Deus. Cada orixá, como vemos, é representante divino de uma força da natureza.

Os espíritos nós chamamos de egúns, que possuem rituais específicos indicados para tratar e encaminhar almas, como as almas de nossos seguidores e antepassados que precisam de tratamento específico associados ao ritual afro. Porém não cultuados como orixás ou deuses.

Solicitamos a todos os irmãos pertencentes a cultura dos orixás A inserirem-se adequadamente dentro da verdadeira doutrina que o mesmo (axé) representa , adquirindo energia pura, baseada no respeito e contemplação à natureza E aos nossos semelhantes, prática da fraternidade, do amor para com o próximo e a todas as criações de Olorum (Deus supremo; criador do universo e de todas as energias existentes).

XANDI DE OXALÁ

UM BREVE RESUMO DAS POSTAGENS SOBRE O CANDOMBLÉ



Estamos finalizando a primeira parte de postagens sobre o tema CANDOMBLÉ. Lembrando que a partir do dia 01 de Abril, mesmo sendo tido e conhecido como DIA DA MENTIRA para muitos, iremos dar início a uma série de postagens e informações sobre outro ORIXÁ muito importante na vida de todos. Estou me referindo ao ORIXÁ OGUM.

ORIXÁ este patrono do ORI do moderador deste BLOG OLHOS DE OXALÁ, que caminha junto com OXAGUIÃN, dando-lhe a condição de ser ORIMEGE. Assim resolvemos postar este pequeno resumo de tudo que já foi postado para relembrar dos assuntos a este tema referidos.

O Candomblé é uma religião originária da África, trazida ao Brasil pelos africanos escravizados na época da colonização brasileira. É o culto dos orixás, de origem totêmica e familiar, é praticada pelo chamado povo do santo. E já toma espaço em outro países como Uruguai, Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá e México. Na Europa: Alemanha, Itália, Portugal e Espanha.

Embora confinado originalmente à população de negros escravizados, proibido pela igreja católica, e criminalizado mesmo por alguns governos, o candomblé prosperou nos quatro séculos, e expandiu de forma considerável desde o fim da escravatura em 1888.

Na cidade de Salvador existem 2.230 terreiros registrados na Federação Baiana de Cultos Afro-brasileiros e catalogado pelo Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA (Universidade Federal da Bahia).

Além disso, muitas pessoas (até 70 milhões, de acordo com algumas organizações culturais Afro-Brasileiras) participam de rituais do candomblé, mas não o tem como sua religião oficial. Como as multidões que lotam as praias na passagem de ano, para homenagear Iemanjá, a orixá (deusa) dos mares e oceanos. Além de religião, podemos considerá-lo como uma grande parte de nossa cultura e folclore.

A Religião

Os negros escravizados no Brasil pertenciam a diversos grupos étnicos, como os Ketu, os Bantu e os Jeje. Como a religião se tornou semi-independente em regiões diferentes do país, entre grupos étnicos diferentes, evoluíram diversas "divisões" denominadas nações, que se distinguem entre si principalmente pelo conjunto de divindades veneradas, o atabaque (música) e a língua sagrada usada nos rituais.

Candomblé é uma religião monoteísta, embora alguns defendam a idéia que são cultuados vários deuses. O Deus único para a Nação Ketu é Olorum, para a Nação Bantu é Nzambi e para a Nação Jeje é Mawu, a maioria dos participantes consideram como sendo o mesmo Deus da Igreja Católica.

MEDITANDO COM TETE

Motumbá queridos (as) amigos (as) do BLOG OLHOS DE OXALÁ

É uma alegria aos meus olhos humanos ver a participação dos seguidores deste BLOG se manifestando. 

As vezes, ainda sou pego tentando descobrir o que falta neste BLOG para que os seguidores ou todos aqueles que venham apenas visitá-lo se manifestem postando algum tipo de comentário em qualquer das postagens aqui colocadas.  

Não vou negar que hoje em dia essa situação tem diminuído muito devido as participações que estão acontecendo pelo perfil OLHOS DE OXALÁ ( O BLOG), na rede de relacionamentos chamada ORKUT. Pois de alguma forma as pessoas se manifestam. 

Mas não posso negar que postando aqui, fica mais fácil de ser analisado o ponto de vista de cada um sobre uma determinada postagem. Por isso ainda peço que comecem a deixar aqui seus comentários também. Lembrando que abaixo de cada postagem você ainda pode votar se a mensagem é boa, agradável ou interessante. 

Mas hoje partilho com todos vocês mais um texto meditativo muito bacana de nossa amiga TETE. Espero que como eu, gostem também destas pequenas palavras que nos levam a pensar muito nas decisões da vida que muitas vezes somos obrigados a tomar para seguir adiante. 



Um homem estava perdido no deserto, prestes a morrer de sede. Até que chegou a uma cabana velha, desmoronando, sem janelas, sem teto. Andou por ali e encontrou uma pequena sombra onde se acomodou, fugindo do calor do sol desértico. Olhando ao redor, viu uma velha bomba d'água, bem enferrujada. Ele se arrastou até a bomba, agarrou a manivela e começou a bombear, a bombear, a bombear sem parar. Nada aconteceu!

Desapontado, caiu prostrado para trás. E notou que ao seu lado havia uma velha garrafa. Olhou-a, limpou-a, removendo a sujeira e o pó, e leu um recado que dizia: "Meu amigo, você precisa primeiro preparar a bomba derramando sobre ela toda água desta garrafa. Depois faça o favor de enchê-la outra vez antes de partir, para o próximo viajante".

O homem arrancou a rolha da garrafa, e, de fato, lá estava a água. A garrafa estava quase cheia d'água! De repente, ele se viu num dilema. Se bebesse aquela água, poderia sobreviver. Mas se despejasse toda aquela água na velha bomba enferrujada, e ela não funcionasse morreria de sede.

O que fazer? Despejar a água na velha bomba e esperar vir a ter água fresca, fria, ou, beber a água da velha garrafa e desprezar a mensagem? Com relutância o homem despejou toda a água na bomba. Em seguida, agarrou a manivela e começou a bombear ... E a bomba pôs a ranger e chiar sem fim. E nada aconteceu!

A bomba foi rangendo e chiando. Então, surgiu um fiozinho de água, depois, um pequeno fluxo, e, finalmente, a água jorrou com abundância! Para alívio do homem a bomba velha fez jorrar água fresca, cristalina. Ele encheu a garrafa e bebeu dela ansiosamente. Encheu-a outra vez e tornou a beber seu conteúdo refrescante. Em seguida, voltou a encher a garrafa para o próximo viajante. Encheu-a até o gargalo, arrolhou-a e acrescentou uma pequena nota:

"Creia-me, funciona. Você precisa despejar fora a água velha para poder beber da água fresca".