Follow by Email

sábado, 10 de novembro de 2012

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA P

Motumbá, meus (minhas) amados (as) seguidores (as), amigos (as) de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ.

Com toda a certeza no ponto de vista de quem esta acessando o nosso BLOG, hoje em dia tem percebido uma série de novas postagens, quanto à nossa COLETÂNEA DICIONÁRIO YORUBÁ, que é uma grande contribuição de nosso COLABORADOR BABALORIXÁ EDSON DE OXUM

Sabemos que muitos de vocês já acompanhou isto a tempos atras. Mais precisamente no mês de MAIO, mas como resolvemos dar uma modificada geral em nosso BLOG, respeitando a regra "DAS TRÊS PENEIRAS", estamos postando tudo novamente numa sequência certa a fim de preservar os assuntos em questão sem correr o risco de nos desviarmos novamente como aconteceu anteriormente.

Pedimos a todos mil desculpas pelo transtorno, mas assim além de reforçarmos a leitura de quem de fato se interessa em aprender. Como estamos ajudando novos visitantes e conhecer um pouco mais nosso VOCABULÁRIO


– matar, exterminar, desligar (Vd. FATU
PA – trair, afligir (Vd. DÁ, SOFOFO
PA Á – matou-a 
PÀÀRÒ – trocar 
PADA - trocar 
PADÀ – voltar 
PÁDÀBÒ – chegar, voltar, retornar 
PADÀ LO - voltar 
PADANU – perder 
PADÀ WÁ – retornar, voltar 
PÀDÉ – Rito que é desempenhado no início das cerimônias do candomblé em homenagem a Èsù, considerado necessário como rito propiciatório, pois as primícias sacrificiais devem caber àquele que é, além de primogênito da criação, o portador titular de qualquer oferenda. O seu não cumprimento é visto como implicando em perturbação de toda a ordem no ritual. 
PÀDÉ – encontrar, reunir-se (Vd. RÍ, BÁ, PÀDE
PA-DE - fechar 
PÁ EJA – pescar 
PAGIDARÌ! – medo, surpresa (interjeição) 
PA INÁ – apagar o fogo 
PA INÁ ILÉ – apagar a luz 
PA ÌTÀN – contar histórias 
PÁ-JE - faltar 
PAJUBÀ – segredo (Vd. AWÓ
PAKANLEKE – força (Vd. IPÁ
PÁKÍ – mandioca, aipim (Vd. ÈGÉ, GBÁGUDA
PAKO – bambu, vencer 
PÁKÓRÓ – ritual noturno dos funerais 
PAKÚ – apagar 
PÁ KÚ – executar 
PÀKÚTÉ - ratoeira 
PALARO – morrer (Vd.
PÁ LAIYÀ – aterrar 
PÁ LÁRA – ferir 
PALÈMÓ – arrumar, por em ordem 
PALMA – reino nativo da cidade de Lagos 
PAMÓ – escravo (Vd. SÁPAMÓ
PA-MO – esconder, guardar 
PANÁ – apagar o fogo ou a luz 
PANDAN – estranho (Vd. ABAMÍ, OLOJÒ, ÁLEJÒ, ÀJASÉ
PANILERIN – engraçado (Vd. ASEFE
PANLA - bacalhau 
PANPÉ – algemas (Vd. PAWOPÉ
PANU - bandeja 
PANUMÓ – parar (de falar, calar-se) 
PAÓ – Ritual de palmas sequencias que implicam diretamente em chamar a atenção das divindades. Vd. PATEWÓ 
PÁPA - campo 
PAPAGORI – pássaro mensageiro de Xangô que, por intermédio do seu canto, envia suas mensagens 
PAPÓ – juntar (Vd. WINRIN, KO PO
PÁRÁDÀ – transformar, disfarçar, mudar o corpo de posição, desaparecer 
PARAMÓ – tomar cuidado 
PA RE – apagar 
PARÉ – desaparecer, ser destruído 
PARÍ – acabar, encerrar, finalizar, terminar 
PARÍWÒ – fazer barulho, gritar 
PARÓ – mentir, contar mentiras 
PÀRÒ – trocar (a roupa), mudar 
PARU – panela (Vd. TASÁ
PARUBO – matar para sacrifício 
PÁ RÚN – derrubar, destruir, exterminar, arruinar 
PASE – dar uma ordem 
PATA - cueca, calcinha 
PATAKÍ – chefe (Vd. ALAGBA
PÁTÁKO DÚDÚ – quadro-negro 
PÁTÁ OBÌRIN - calcinha 
PÁTAPÁTA – completamente 
PATÉWÓ, PATÉWÓ FÚN - aplaudir 
PATÉWÓ ou ÌPATÉWÓ – Palmas em cadência sincopada empregadas como saudação aos Òrìsàs, bem como em circunstâncias que impõem o silêncio, como no caso do recolhimento, para indicar uma necessidade a ser atendida. Diz-se paô. 
PÁWODÀ – transformar, mudar o sistema 
PAWOPÉ – algemas (Vd. PANPÉ
– demorar, encontrar, desviar, que (Vd. BÁ, KÓ
– chamar 
PE – ser atrasado (questão de horário) 
PÉ-DÉ – chegar atrasado 
PEGEDÉ – terminar (Vd. GBARADÍ
PÈHINDA – retirar, voltar atrás 
PEJA – pescar – pescar (Vd. DEJÁ
PEJI - altar 
PEJÍ – Espécie de altar onde se encontram dispostos os diversos tipos de insígnias da divindade, como as pedras votivas (òta), armas e demais objetos simbólicos, e onde estão dispostos os recipientes contendo as comidas ofertadas aos Voduns pois esta expreção é de origem Foon ou seja Djedje. 
PEJO – reunir, congregar 
PÈLÉ – marcas na face caracterizando família 
PELEBÉ – pato 
PELEKE - aumentar 
PÈLÚ – com (preposição) 
PELÚ – também 
PÉLÙ ORÍ RERE – por acaso 
PEMBAS – Espécie de giz de diferentes cores que é usado para traçar desenhos mágico-religiosos e de caráter invocatório. E mais freqüentemente empregado nos ritos de umbanda. 
PÉPÀ – papel 
PÉPÀ ÌNÙDÍ – papel higiênico 
PÉPÀ INUWÓ - guardanapo 
PEPE – altar, balcão, prateleira 
PEPE-ÌWÉ – estante, prateleira 
PÉPÉIYE – pato 
PÉPÉIYE NLÁ - ganso 
PEPEKU – concha do mar 
PEPELÈ - banco de barro 
PÈPELE-ARINSÈ – calçada 
PERAN – matar animais 
PÈRE – somente 
PÈRÈGÚN – é a folha sagrada de uma iniciação pois ela está nas mãos de Iyao e é obrigatória a cantiga dela no sire e todos os iniciados devem reverendá-la com a cabeça no chão. 
PERE ÒGÉDE - só 
PÈSE – providenciar 
PESOKÉ - telefonar 
PETÉ - comida exclusiva de Oxum 
PEYE - inteiro 
PÍN – dividir (Vd. FÍN
PIN - terminar 
PINNU – dar ordem, decidir, resolver 
PIPA – matança (Vd. ITAJÉ
PÌPÈ - pronúncia 
PIPE – convite (Vd. KASÍ, SÁ
PITAN – contar histórias 
– misturar 
– barato 
PÒJÙ - é demais 
POKÓ – cabaça tipo terrina 
POKRA – reino nativo da cidade de Lagos 
PON – sujo 
PÓN – amolar, afiar 
PONMI – tirar água 
PÓN RÒRÒ – dourado 
PÒÒKÒ – copo feito de uma casca de coco 
PÒ-PÒ – bater, misturar 
POPOKÍ – cobertor 
POPONDO – ervilha 
POPÙ - papa 
PÒ PÚPÒ – bastante 
POSI – caixão de defunto 
POSSU – chefe da cidade de Epi 
PÒTÉTÒ – batata 
PÒTÉTÒ LILO - purê 
PÒTÒKÌ – português 
PÒWE – falar provérbios 
PUPA – vermelho (Vd. ÀWO PUPA, BI ÈJÈ
PÚPÀ – amarelo (Vd. RÚSÚRÚSÚ
PÚPÒ - muito 
PUTU – bom

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA O - PARTE II


Aprender o DICIONÁRIO YORUBÁ, para se ter o mínimo de dialeto dentro de uma "CASA DE ASÉ" é fundamental. 

É válido lembrar que cada nação, dentro da RELIGIOSIDADE DO CANDOMBLÉ, possui suas características próprias. Desta forma, sempre é bom lembrar que estas palavras são em sua maioria usadas em casas de KETU. Mas futuramente iremos trazer para todos os dialetos usados nas casas DJEJE, bem como ANGOLA, que são bem diferentes.

Desta forma, enquanto isso, vamos dando continuidade à postagem anterior com o DICIONÁRIO YORUBÁ - LETRA "O"


ÓHUM – além 
OHÙN – voz 
OHUN ÈSÓ – broche 
OHUN ÌKÒWÉ – caneta, lapis 
OHUN ÌPÀWÉRÉ – borracha 
OHUNKÓHUN – qualquer coisa 
OHUN-ONÁ – ferramenta 
OHUN-ORÉ – esmola 
OHUN-OSÓ – ornamento (Vd. ÉWÚ
OJÁ - ornamento feito com tira de pano (Vd. GÈLÈ
OJÁ – mercado, feira (Vd. ABÀ, ARÓ ÓBUN
OJÀ TÍTÀ - mercadoria 
OJÉ - sacerdote do culto de Egun ou Egungun 
ÓJÍ – tempestade (Vd. ÈFUFU LILE, EFUFU NLÁ
OJIJI ou OJI – alma, fantasma, sombra 
ÓJISÈ - mensageiro 
ÒJÒ - chuva 
OJÓ – dia (Vd. OJUMO, IJÓ
OJO – medroso 
ÒJÒ ÀKÓRÒ – sereno da manhã 
ÒJÒ ÀRÒKURÒ – sereno da noite 
OJOBÓ – laço 
OJÓ ERÉ – férias (escolares) (Vd. OLIDÉ
ÒJÒGAN – escorpião (Vd. ÀKÉKÉ
OJO-ÌSINMI, OJÓ-ÒSÈ – domingo 
OJÓJÚMÓ - diariamente 
OJOKUTOTO – tempo antigo (Vd. ÀTIJÓ, AIYÉ BAIYÉ
ÓJOLÁ – jibóia (Vd. ERÈ
ÒJÒ ODÚN – primeira chuva do ano 
OJÓOJÓ – dia após dia 
OJORA – medo (Vd. BERU, IBERU
OJÓ-ORÍ - idade 
OJORÓ – tarde (Vd. IROLÈ, OSAN
ÒJÒ WINNIWINNI - chuvisco 
ÓJOYE – um chefe 
OJU - rosto 
OJÚ – olhos, face 
OJÙ ÀSE – força no olhar 
OJUBÓ - lugar de adoração 
OJUBONA - professor 
OJUGBÁ – um companheiro 
OJUGBEDE – sacerdote chefe dos Orixás do ferro de Ogun em Ilé Ifé 
ÓJUGBON/ÒJIGBON - Alto funcionário - Talvez a palavra "Ajíbïna" seja uma expressão construída com a palavra òjigbön mais o pronome demonstrativo náà (aquele/aquela) que equivaleria a "Aquele alto funcionário”
OJUGUN - canela 
ÓJUJU - úlcera 
OJULAFENI – amigo falso 

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA O - PARTE I


Dando continuidade ao nosso DICIONÁRIO YORUBÁ, hoje partilhamos as palavras utilizadas em nosso dia a dia com a LETRA "O", mas devido a quantidade extensa destas palavras iniciadas por esta vogal; esta postagem estará sendo publicada em duas partes para facilitar a compreensão de todos. 

Lembrando a todos que as postagens referentes ao DICIONÁRIO YORUBÁ, são frutos de uma colaboração feita com carinho de nosso COLABORADOR E CO-AUTOR de nosso BLOG, BABALORIXÁ EDSON DE OXUM, de Santa Catarina.  

A ele nossos sinceros respeitos e carinho. 



O – ele (pronome pessoal) (Vd. U
OABÍ, ARAILÉ, EBÍ ARAILÉ – parentes 
OBÁ - rei, ministro de xangô (Vd. ALAIYÉ, JOBA
OBÁ – Terceira mulher de Sòngó, Obá é a deusa nigeriana do rio do mesmo nome. Muitas vezes se confunde com Ìyásan, pois, além de casada com Sòngó, usa também espada de cobre. Na outra mão leva, seja um escudo, seja um leque com o qual esconde uma de suas orelhas em lembrança do episódio mítico que deu margem à sua rivalidade com Òsun. No Brasil é sincretizada com Santa Catarina e Santa Joana d'Arc. Seu dia é quarta-feira. Seus colares são de contas alternadamente amarelas e vermelhas de tonalidades leitosas. É saudada como "Obáxireê!". Filha de Iyemonja. 
ÓBÁBÀ - empreiteiro 
OBA-KUSO – rei de Kuso. Título consagrado à Xangô 
OBALOFUN – deus da fala 
OBALÚWÀIYÉ – É a "forma" jovem de Sòpònnón, do qual Omolu é a "forma" velha. Divindade da varíola e das moléstias infecto-contagiosas e epidêmicas consta como filho de Nàná, criado por Yemonja. Veste-se todo de palha, com o que cobre as suas ulcerações. Sua saudação – "Atotó!" – significa "Calma!", exigida a um deus tão poderoso e temível. Sua insígnia é o sàsàra – feixe de nervuras das folhas do dendezeiro, amarrado com tiras de couro, em vermelho e preto (ou branco e preto), incrustadas de búzios. É sincretizado no Brasil, com São Roque, as vezes, com São Lázaro e ainda com São Sebastião, em Recife. 
OBANLÀ – imperador, um grande rei 
OBA OBINRIN – rainha mãe 
OBARAYI - nome de uma sacerdotisa filha de SÒNGÓ 
OBÀTÁLÁ – é o Deus principal dos Yorubás (Deus do Pano Branco. Outra variação é Oba-ti-ala ou Deus das visões 
OBATELÁ - nome de um dos obá da direita de SÒNGÓ 
OBASORUN - nome de um dos obá da esquerda de SÒNGÓ 
ÒBE – faca, lâmina 
OBÈ – molho, sopa, ensopado, salsa 
ÒBE – Termo que designa a faca usada nos sacrifícios, por extensão qualquer faca no jargão do candomblé. 
OBE FARIN, OBÈ-JERÍ – navalha (Vd. AGBE, ABE) 
OBÈ-OLOJÚ-MEJI - gilete 
OBERÒ - alguidar 
OBÈTÈ – adaga 
OBÌ – noz de cola. Fruto de uma palmeira africana (Cola acuminada, Schott. & Endl. – STER- CULIACEAE) aclimatada no Brasil. Indispensável no candomblé, onde serve de oferenda para os òrìsà e é usado nas práticas divinatórias simples, cortado em pedaços. 
ÒBÍ - parente (Vd. OLOMO, OMNU
OBÍ – fêmea, do sexo feminino 
OBÌNRIN – mulher 
OBÌNRIN OPÓ - viúva 
OBIRIKITI – círculo (Vd. ÀYIKÁ
OBITIKÔ - SÒNGÓ 
ÒBÒ - vagina 
ÒBO – macaco (Vd. AKITI, JAKÓ
OBOTÓ – liso (Vd. MULÓMULÓ
ÒBUKÓ – bode 
ÓBUN – imundo, mercado, sujo (Vd. ABÀ ÍDARÓ, OJÁ ARÓ
OBURÔ - alto título da hierarquia do culto 
ÓDÀ – tinta 
ÒDÀ - esmalte 
ODÁ – mercado público 
ÓDÁ – seca, fome (Vd. OGBELÈ, EBI
Ó DÁA – sim (Vd. BÉÈNI
ODÀÁBÓ O – até mais 
O DÁARÒ – até amanhã 
ODÀÁRÓ O – boa noite 
ODABÁ – empresário Ó DABÒ – adeus!, até a volta, até logo 
ODÁN – planeta (Vd. EWEKO, IRAWO TI NYI OÒRÙN KA
ÒDÀN - campo 
ODARA, O DARA – bem, ser/estar bem 
ÒDÁSÀ - estilista 
ÒDE – do lado de fora, rua, estrada, caminho (Vd. ÓNA, ABADENÍ
ODE – caça (ato de caçar) 
ODÉ - caçador; nome que também é dado ao orixá ÒSÓÒSÌ 
ÒDE AYÉ – o mundo todo 
ODEDÉ - varanda. 
ODI - nome do odu de número 7 jogo de ifá 
ÓDÍ – teimosia (Vd. ÀILETI, ÌDÍNÚ, SÓ
O DI ALÉ – até à noite 
O DI ARÒ – até à tarde 
ODIDE, ÓDE – papagaio (Vd. EIYE AYÉKÒTÍTÓ
ODIDE, ODIDERE – pena de papagaio (Vd. IKODIDÉ) 
O DÌGBÀ – até logo, despedida, adeus 
Ó DÌGBOSE! – adeus! 
ODINDI – completo 
O DI ÒSÁN – até à tarde 
ÓDÓ – jovem 
ODÒ – rio, pilão 
ÒDO – zero 
ÓDO – perto, na presença 
ÓDÓBINRIN – mulher jovem 
ODÒDÒ – verdade, justiça (Vd. OTITÓ, ÀKÓ
ÒDODÓ – flor 
ODODÚN – anual 
ODÓFIN - nome de um dos obá da direita de Xangô 
ODOFIN - bofe 
ODOFORÓ – pulmão (Vd. ÈDÒFÓRÓ, FÚKUFÚKÙ
ÓDÒGO – bobo, burro 
ODÓ-KERÉ – riacho (Vd. OWOLÉ, IBÚ
ODÓKÓ – puta, prostituta 
O DÒLA – até amanhã 
ODO OMI - rio que faz limite norte ocidental com Jebu 
ODÚ – destino (Vd. AYANMO, KADARA
ODÙ – Pronunciamento oracular resultante da prática divinatória com o òpèlè, com os cocos de dendê (vd.) ou com os búzios. Há 16 odù primários ou maiores. Suas combinações com os 16 secundários resultam em 256, cujos desdobramentos chegam a 4.096. Cada odù é nominado e pertence a uma divindade. 
ODÙDUWÀ ou ODUWA - “A mãe que recebe” – Divindade yorubá, ora apresentada, nos mitos, como masculino e irmão de Obàtálá (vd. também Cesto-da-criação), ora como feminino e, no caso, esposa deste último. Odùduwà significa "a cabaça de onde jorrou a vida". É evocada, no Brasil, em alguns terreiros e, também, no candomblé-dos-eguns de Itaparica (vd. Egúngún). 
ODUKUN – batata doce 
ODÚN – ano, tempo (Vd.
ODUNDUN – A folha-da-costa ou saião africano (Kalanchoe brasiliensis, Comb.). (CRASSULACEAE). Uma das folhas rituais mais importantes dos Candomblés. 
ODÚN KOJÁ – ano passado 
ODÚN N’BÁKÚ – o ano em que vamos morrer 
OFÀ – Designa o instrumento simbólico de Òsóòsi, consistindo num arco e flecha unidos em metal branco ou bronze. É o arco e flecha do caçador 
OFA – cidade situada há umas 20 milhas as nordeste da cidade de Ibadan 
ÒFÉ – de graça (Vd. OFÉ
ÓFÉ – assobio 
OFERE – Estrela D’alva 
OFÍ – tear (Vd. OWÚN, AWUNSO
ÒFIN – lei 
OFIN – armadilha 
OFO – zero, “não lavado” 
OFÒ - a perda 
ÓFO – lagarto (Vd. ALAMÚ, ALANGBA
OFÓ – feitiço, luto, feitiçaria, reza para Ossanhe para que ele desperte o axé contido nas folhas 
ÒFÓFÓ – fofoca 
OFORÓ – esquilo (Vd. OKERÉ) 
OFUN - nome do Odu de número 10 
ÒFUN - garganta 
ÒFURUFÚRU – ar, espaço ou respiração, firmamento 
ÒGÀ – camaleão (Vd. AGEMO
ÒGÁ – chefe (trabalho) 
OGA – Título honorífico conferido, seja pelo chefe do terreiro, seja por um Òrìsà incorporado, aos beneméritos da casa-de-santo, que contribuam com sua riqueza, prestígio e poder, para a proteção e o brilho do àse. Esse tipo de título admite uma série de especificações que abrangem, desde cargos administrativos, até funções rituais. A iniciação dos ogãs é mais breve e se distingue daquela dos iaôs, por excluir a catulagem, a raspagem e alguns outros rituais. Tal como as ekedji os ogãs não são passíveis de transe. 
ÒGÁ ILÉ KÍKÓ – arquiteto 
OGA-OGO – qualificação para Olorun (Oga – pessoa distinta ou valente e Ogo – deseje saber, elogie), pessoa distinta que merece honras 
OGBÀ – jardim (Vd. IGBÉ
ÓGBÁ - equilíbrio 
ÒGBÁ – companheiro (Vd. AJUMOJOGUN
OGBE – crista de galo 
OGBÈ – ferido 
OGBELÈ – seca (Vd. ÓDÁ
ÓGBÉNI – senhor (Vd. OLUWÀ, OLÚ
OGBIN – fazendeiro (Vd. ÀGBÈ, OLOKO, AROKO
OGBO ATO – ficar velho, vida longa 
OGBOBÓ – jovem (Vd. SOMODÉ, TITUN, TUTU
OGBOGBA – balança 
OGBON – arte, algarismo 30 
OGBÓN – juízo, sabedoria, inteligência 
OGBONI – sociedade de homens anciãos que adoram o orixá Onile 
OGBOYA – gato selvagem 
OGBUN – lugar, vala (Vd. KORÓ
ÒGÈDÈ – banana 
OGEDE – encantamento, feitiçaria 
OGENETÉ – frio (Vd. TUTÚ
OGERÒ – brando (Vd. TUJÚ, JÈJÈ
ÓGIGÍ – anzol 
OGINRIN - mulher 
OGIRI - parede 
OGO – caracter´stica do pênis. É derivado de “va” – esconder em uma postura dobrada ou inclinada 
ÒGÓ – glória, louvor, honra (Vd. ÌYÌN, BUYÍN FUN
OGODÔ - uma qualidade de Xangô. 
OGORIN – 80 (algarismo) 
ÒGÓGÓRÓ – aguardente, cachaça 
OGORUN – 100 (algarismo) 
OGORUN-ODUN – século 
OGOTA – 60 (algarismo) 
OGUÊ - instrumento de percussão feito de chifres de boi. 
ÓGUN – remédio (Vd. ÀSEJE
OGÙN – magia, feitiço 
OGUN – guerra, exército 
ÒGÚN“um que perfura”. Divindade da forja e dos usuários do ferro; por extensão, da guerra e da agricultura e, também, da caça ou de todas as demais atividades que envolvem a manipulação de instrumentos de ferro. É rei de Iré e por isso chamado, no Brasil, Oníré. Costuma ser representado por um semicírculo soldado a base por uma haste, no qual se encontram, pendurados no arco do semicírculo, todo o tipo de instrumentos, que, como o conjunto inteiro, são de ferro. É filho de Yemonja e irmão de Èsú e Òsóòsì. Por isso, tem a ver com os caminhos, a caça e a pesca. Pertence-lhe a faca sacrificial. Seu dia é a terça-feira. Saudação – "Ògún yé!"
OGUROPÓ – banco de barro