Follow by Email

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

COLETÂNEA LENDAS DE LOGUN-EDÉ - LOGUN, ROUBA SEGREDOS DE OXALÁ


Logun-ede era um caçador solitário e infeliz, mas orgulhoso. Era um caçador pretensioso e ganancioso, e muitos os bajulavam pela sua formosura. 

Um dia Oxalá conheceu Logun Edè e o levou para viver em sua casa sob sua proteção. 

Deu a ele companhia, sabedoria e compreensão. Mas Logun Edè queria muito mais, queria mais. E roubou alguns segredos de Oxalá. Segredos que Oxalá deixara à mostra, confiando na honestidade de Logun. 

O caçador guardou seu furto num embornal a tiracolo, seu adô. Deu as costas a Oxalá e fugiu. 

Não tardou para Oxalá dar-se conta da traição do caçador que levara seus segredos. Oxalá fez todos os sacrifícios que cabia oferecer e muito calmamente sentenciou que toda a vez que Logun Edè usasse um dos seus segredos todos haveriam de dizer sobre o prodígio: "Que maravilha o milagre de Oxalá!"

Toda a vez que usasse seus segredos alguma arte não roubada ia faltar. Oxalá imaginou o caçador sendo castigado e compreendeu que era pequena a pena imposta. 

O caçador era presumido e ganancioso, acostumado a angariar bajulação. Oxalá determinou que Logun Edè fosse homem num período e no outro depois fosse mulher. 

Nunca haveria assim de ser completo. Parte do tempo habitaria a floresta vivendo de caça, e noutro tempo, no rio, comendo peixe. Nunca haveria de ser completo. Começar sempre de novo era sua sina. 

Mas a sentença era ainda nada para o tamanho do orgulho do Odè. Para que o castigo durasse a eternidade, Oxalá fez de Logun Edè um orixá.

COLETÂNEA LENDAS DE LOGUN-EDÉ - LOGUN, É SALVO DAS ÁGUAS


Logun Edè era filho de Oxóssi com Oxun. Era príncipe do encanto e da magia. 

Oxóssi e Oxum eram dois Orixás muito vaidosos. Orgulhosos, eles viviam às turras. A vida do casal estava insuportável e resolveram que era melhor separar. 

O filho ficaria metade do ano nas matas com Oxóssi e a outra metade com Oxun, no rio. Com isso, Logun se tornou uma criança de personalidade dupla: cresceu metade homem, metade mulher. (Mas, isto não indicava que era homossexual como muitos pregam.)

Oxun proibiu Logun Edè de brincar nas águas fundas, pois os rios eram traiçoeiros para uma criança de sua idade. Mas Logun era curioso e vaidoso como os pais. Logun nào obedecia à mãe. Um dia Logun nadou rio adentro, para bem longe da margem. 

Obá, dona do rio,para vingar-se de Oxum, com quem mantinha antigas querelas, começou a afogar Logun. Oxum ficou desesperada e pediu a Orunmilá que lhe salvasse o filho, que a amparasse no seu desespero de mãe. 

Orunmilá que sempre atendia à filha de Oxalá, retirou o príncipe das águas traiçoeiras e o trouxe de volta à terra. 

Então deu-lhe a missão de proteger os pescadores e a todos que vivessem das águas doces. 

Dizem que Oiá quem retirou Logun-Edè da água e terminou de criá-lo juntamente com Ogun. 

[ Lenda 66, do Livro Mitologia dos Orixás, de Reginaldo Prandi ]

COLETÂNEA LENDAS DE LOGUN-EDÉ - O NASCIMENTO

Já temos visto que na nova fase da grade de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ, buscamos de fato dar uma continuidade de forma sequencial, a fim de não nos desviarmos do assunto central, muito menos, misturando assuntos. 

Para darmos continuidade aos estudos sobre o ORIXÁ LOGUN-EDÉ, vamos nos dedicar a esta nova fase da COLETÂNEA LENDAS DE LOGUN-EDÉTeremos outras fontes para partilhar com todos vocês como: CANTIGAS, a visão da UMBANDA SAGRADA, em relação a este ORIXÁ ENCANTADO e muitas novidades para o maior conhecimento de todos nós.

1-Nascimento de Logun-ede


No início dos tempos, cada orixá dominava um elemento da natureza, não permitindo que nada, nem ninguém, o invadisse. Guardavam sua sabedoria como a um tesouro. 

É nesse contexto que vivia a mãe das água doces, Oxun, e o grande caçador Odé. Esses dois orixás constantemente discutiam sobre os limites de seus respectivos reinados, que eram muito próximos. 

Odé ficava extremamente irritado quando o volume das águas aumentavam e transbordavam de seus recipientes naturais, fazendo alagar toda a floresta. Oxun argumentava, junto a ele, que sua água era necessária à irrigação e fertilização da terra, missão que recebera de Olorun. Odé não lhe dava ouvidos, dizendo que sua caça iria desaparecer com a inundação. 

Olorun resolveu intervir nessa guerra, separando bruscamente esses reinados, para tentar apaziguá-los. A floresta de Odé logo começou a sentir os efeitos da ausência das águas. A vegetação, que era exuberante, começou a secar, pois a terra não era mais fértil. Os animais não conseguiam encontrar comida e faltava água para beber. A mata estava morrendo e as caças tornavam-se cada vez mais raras. 

Odé não se desesperou, achando que poderia encontrar alimento em outro lugar. Oxun, por sua vez, sentia-se muito só, sem a companhia das plantas e dos animais da floresta, mas também não se abalava, pois ainda podia contar com a companhia de seus filhos peixes para confortá-la. Odé andou pelas matas e florestas da Terra, mas não conseguia encontrar caça em lugar algum. 

Em todos os lugares encontrava o mesmo cenário desolador. A floresta estava morrendo e ele não podia fazer nada.Desesperado, foi até Olorun pedir ajuda para salvar seu reinado, que estava definhando. O maior sábio de todos explicou-lhe que a falta dágua estava matando a floresta, mas não poderia ajudá-lo, pois o que fez foi necessário para acabar com a guerra. A única salvação era a reconciliação. 

Odé, então, colocou seu orgulho de lado e foi procurar Oxun, propondo a ela uma trégua. Como era de costume, ela não aceitou a proposta na primeira tentativa. Oxun queria que Odé se desculpasse, reconhecendo suas qualidades. Ele, então, compreendeu que seus reinos não poderiam sobreviver separados, unindo-se novamente, com a benção de Olorun. Dessa união nasceu um novo orixá, um orixá príncipe, Logun-Edé, que iria consolidar esse "casamento", bem como abrandar os ímpetos de seus pais. 

Logun sempre ficou entre os dois, fixando-se nas margens das águas, onde havia uma vegetação abundante. Sua intervenção era importante para evitar as cheias, bem como a estiagem prolongada. Ele procurava manter o equilíbrio da natureza, agindo sempre da melhor maneira para estabelecer a paz e a fertilidade. 

Conta uma outra lenda que as terras e as águas estavam no mesmo nível, não havendo limites definidos. Logun, que transitava livremente por esses dois domínios, sempre tropeçava quando passava de um reinado para o outro. Esses acidentes deixavam Logun muito irritado. 

Um dia, após ter ficado seis meses vivendo na água, tentou fazer a transição para o reinado de seu pai, mas não conseguiu, pois a terra estava muito escorregadia. Voltou, então, para o fundo do rio, onde começou a cavar freneticamente, com a intenção de suavizar a passagem da água para a terra. 

Com essa escavação, machucou suas mãos, pés e cabeça, mas conseguiu fazer uma passagem, que tornou mais fácil sua transição. Logun criou, assim, as margens dos rios e córregos, onde passou a dominar. Por esse motivo, suas oferendas são bem aceitas nesse local.

LEMBRANCINHAS DE NANÃ E TOALHA DE TAROT

De fato, temos muito a agradecer, por nosso BLOG, estar sendo constantemente acessado em suas PÁGINAS: NOSSOS PRODUTOS E LEMBRANCINHAS DOS ORIXÁS.

Vemos, a quantidade de visualizações, e graças a Deus, a Baba My Ogum e Baba My Oxaguiãn, comentários sobre os mesmos. Onde delas muitas pessoas já foram atendidas.

Nosso objetivo, não é comercializar, como fonte de renda, estes produtos. O primeiro intuito é fazer com que elas possam ser nosso meio de divulgar nossa RELIGIOSIDADE. Não é meramente ganhar dinheiro, mas compartilhar com você, ao fazer uma solicitação, um pedido seja de LEMBRANCINHA OU DE ALGUM TRABALHO BORDADO, seja ENXOVAL, seja uma simples TOALHA, mas estar junto em algum momento importante da sua vida.

Se fosse de fato para comercializar, já teríamos uma loja estabelecida, para melhor atendê-los. E nossa realidade é bem diferente. Tudo é feito numa pequena sala de nossa Casa, só isso. De forma, bem simples. Sem muita sofisticação. Pois não queremos ostentação, nem luxo, queremos somente através deles levar de fato a verdadeira RELIGIOSIDADE, através de coisas concretas.

Assim, como ORIXÁ, nunca foi e nunca será LUXO. Tanto nossas lembrancinhas como nossos bordados são simples. A única diferença é que são feitas com amor, dedicação e acima de tudo com muita gratidão a cada orixá que nos é solicitado.

Já tivemos perguntas do tipo: o que vocês fazem com o valor adquirido das lembrancinhas? Bom eu posso dizer antes de mais nada. Tenho meu trabalho, pois além de tudo que eu faço e das minhas responsabilidades pessoais eu sou CABELEIREIRO. Ou seja, é da minha profissão que tiro o meu sustento. Pois isto é além de tudo Bíblico. Todo o ser humano deve ser sustentado pelo seu trabalho.

Mas tudo que é voltado ao valor das LEMBRANCINHAS DOS ORIXÁS ou de qualquer tipo de TRABALHO EM BORDADOS, que fazemos é voltado a nossa realidade espiritual. Seja para nossas OBRIGAÇÕES, como também se algum irmão precisa de um remédio, um alimento é deste valor que tiramos para ajudar ao próximo, pela CARIDADE.

Então, meus (minhas) irmãos (ãs), quando alguém nos faz um pedido, não somente buscamos lhe atender de uma forma prazeirosa, pois é o meio que temos de divulgar uma RELIGIOSIDADE BONITA, como também você estará ajudando alguém a ter um pouco mais de dignidade na vida.

LEMBRANCINHA DE NANÃ - PEDIDO FEITO POR OGÃN SÉRGIO RICARDO T'OXAGUIAN - PROTÓTICO

Compartilhamos com vocês ainda o protótico de nossa mais nova criação, pois a mesma ainda esta sendo melhor elaborada.





TOALHA PARA JOGO DE TARÔT DO CIGANO JUAN CALIXTO


Agradecemos a todos que tem nos solicitado e divulgado nosso trabalho.

PALAVRAS DE PEDRO MANUEL T'OGUM - SANTA MARIA - RIO GRANDE DO SUL

Motumbá, meus (minhas) amados (as) amigos(as), irmãos(ãs), seguidores(as) e visitantes de nosso BLOG OLHOS DE OXALÁ. Bom dia!!!


Terminamos nosso mês de Janeiro, com a triste convivência do desastre que aconteceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Onde jovens de diferentes idades, saem de suas casas. Muitos deles ainda estudantes, saindo de seus alojamentos internos de suas faculdades, outros que saem de cidades vizinhas. Mas, todos com a intenção única de se divertir.

Mas que por infelicidade do destino, ousadia de uns e pouco caso de outros, acabaram não voltando para casa. Traídos pela própria sorte, de um local com ausências de saídas de emergência.

Hoje a cidade vive a saudade de suas perdas, uns se foram, vitimas de queimaduras e outros intoxicados pela profundidade da fumaça tóxica do incêndio que naquele local ocorreu.

Ficamos de fato, sensibilizados, motivo este que nos fez parar, temporareamente, com nossas postagens . Nos consolidando com a dor das famílias, que agora sentem a ausência dos seus, e que de fato nesta hora, somente a força de Deus para fazer que o dia a dia se torne menos sofrido. Pois aqui é aberto a todas as realidades religiosas. 

Minha total indignação é que foi necessário uma coisa desta gravidade, um verdadeiro desastre, acontecer. Para que as devidas providências fossem tomadas a nível NACIONAL. Governadores, Prefeitos, Secretárias de Segurança, todos agora se unem para VISTORIAR as casas noturnas do nosso território nacional inteiro.

Que triste realidade! Por que não fizeram isto antes? Talvez, tivessem evitado esta catástrofe, que nem deveria ter existido.

Bom, não estamos aqui para politizar nada, mas claro que não podemos deixar aqui nossa total INDIGNAÇÃO.

Mas mesmo nesta triste realidade. Eu, Pedro Manuel T'Ogum, deixo o BLOG OLHOS DE OXALÁ, em aberto, para que outras pessoas como os CO-AUTORES, ou até, quem sabe algum amigo, parente que desejar colocar aqui uma homenagem, um desabafo. Meus amigos e amigas, fiquem de fato a vontade. 

Pois como disse, o OLHOS DE OXALÁ é aberto a todos, e se alguém deixar de se manifestar, por menor que sejam as palavras, é sinal que este BLOG esta fugindo e não sabe como acertar uma de suas finalidades. SER UMA FAMÍLIA