Follow by Email

sábado, 10 de novembro de 2012

DICIONÁRIO YORUBÁ LETRA O - PARTE I


Dando continuidade ao nosso DICIONÁRIO YORUBÁ, hoje partilhamos as palavras utilizadas em nosso dia a dia com a LETRA "O", mas devido a quantidade extensa destas palavras iniciadas por esta vogal; esta postagem estará sendo publicada em duas partes para facilitar a compreensão de todos. 

Lembrando a todos que as postagens referentes ao DICIONÁRIO YORUBÁ, são frutos de uma colaboração feita com carinho de nosso COLABORADOR E CO-AUTOR de nosso BLOG, BABALORIXÁ EDSON DE OXUM, de Santa Catarina.  

A ele nossos sinceros respeitos e carinho. 



O – ele (pronome pessoal) (Vd. U
OABÍ, ARAILÉ, EBÍ ARAILÉ – parentes 
OBÁ - rei, ministro de xangô (Vd. ALAIYÉ, JOBA
OBÁ – Terceira mulher de Sòngó, Obá é a deusa nigeriana do rio do mesmo nome. Muitas vezes se confunde com Ìyásan, pois, além de casada com Sòngó, usa também espada de cobre. Na outra mão leva, seja um escudo, seja um leque com o qual esconde uma de suas orelhas em lembrança do episódio mítico que deu margem à sua rivalidade com Òsun. No Brasil é sincretizada com Santa Catarina e Santa Joana d'Arc. Seu dia é quarta-feira. Seus colares são de contas alternadamente amarelas e vermelhas de tonalidades leitosas. É saudada como "Obáxireê!". Filha de Iyemonja. 
ÓBÁBÀ - empreiteiro 
OBA-KUSO – rei de Kuso. Título consagrado à Xangô 
OBALOFUN – deus da fala 
OBALÚWÀIYÉ – É a "forma" jovem de Sòpònnón, do qual Omolu é a "forma" velha. Divindade da varíola e das moléstias infecto-contagiosas e epidêmicas consta como filho de Nàná, criado por Yemonja. Veste-se todo de palha, com o que cobre as suas ulcerações. Sua saudação – "Atotó!" – significa "Calma!", exigida a um deus tão poderoso e temível. Sua insígnia é o sàsàra – feixe de nervuras das folhas do dendezeiro, amarrado com tiras de couro, em vermelho e preto (ou branco e preto), incrustadas de búzios. É sincretizado no Brasil, com São Roque, as vezes, com São Lázaro e ainda com São Sebastião, em Recife. 
OBANLÀ – imperador, um grande rei 
OBA OBINRIN – rainha mãe 
OBARAYI - nome de uma sacerdotisa filha de SÒNGÓ 
OBÀTÁLÁ – é o Deus principal dos Yorubás (Deus do Pano Branco. Outra variação é Oba-ti-ala ou Deus das visões 
OBATELÁ - nome de um dos obá da direita de SÒNGÓ 
OBASORUN - nome de um dos obá da esquerda de SÒNGÓ 
ÒBE – faca, lâmina 
OBÈ – molho, sopa, ensopado, salsa 
ÒBE – Termo que designa a faca usada nos sacrifícios, por extensão qualquer faca no jargão do candomblé. 
OBE FARIN, OBÈ-JERÍ – navalha (Vd. AGBE, ABE) 
OBÈ-OLOJÚ-MEJI - gilete 
OBERÒ - alguidar 
OBÈTÈ – adaga 
OBÌ – noz de cola. Fruto de uma palmeira africana (Cola acuminada, Schott. & Endl. – STER- CULIACEAE) aclimatada no Brasil. Indispensável no candomblé, onde serve de oferenda para os òrìsà e é usado nas práticas divinatórias simples, cortado em pedaços. 
ÒBÍ - parente (Vd. OLOMO, OMNU
OBÍ – fêmea, do sexo feminino 
OBÌNRIN – mulher 
OBÌNRIN OPÓ - viúva 
OBIRIKITI – círculo (Vd. ÀYIKÁ
OBITIKÔ - SÒNGÓ 
ÒBÒ - vagina 
ÒBO – macaco (Vd. AKITI, JAKÓ
OBOTÓ – liso (Vd. MULÓMULÓ
ÒBUKÓ – bode 
ÓBUN – imundo, mercado, sujo (Vd. ABÀ ÍDARÓ, OJÁ ARÓ
OBURÔ - alto título da hierarquia do culto 
ÓDÀ – tinta 
ÒDÀ - esmalte 
ODÁ – mercado público 
ÓDÁ – seca, fome (Vd. OGBELÈ, EBI
Ó DÁA – sim (Vd. BÉÈNI
ODÀÁBÓ O – até mais 
O DÁARÒ – até amanhã 
ODÀÁRÓ O – boa noite 
ODABÁ – empresário Ó DABÒ – adeus!, até a volta, até logo 
ODÁN – planeta (Vd. EWEKO, IRAWO TI NYI OÒRÙN KA
ÒDÀN - campo 
ODARA, O DARA – bem, ser/estar bem 
ÒDÁSÀ - estilista 
ÒDE – do lado de fora, rua, estrada, caminho (Vd. ÓNA, ABADENÍ
ODE – caça (ato de caçar) 
ODÉ - caçador; nome que também é dado ao orixá ÒSÓÒSÌ 
ÒDE AYÉ – o mundo todo 
ODEDÉ - varanda. 
ODI - nome do odu de número 7 jogo de ifá 
ÓDÍ – teimosia (Vd. ÀILETI, ÌDÍNÚ, SÓ
O DI ALÉ – até à noite 
O DI ARÒ – até à tarde 
ODIDE, ÓDE – papagaio (Vd. EIYE AYÉKÒTÍTÓ
ODIDE, ODIDERE – pena de papagaio (Vd. IKODIDÉ) 
O DÌGBÀ – até logo, despedida, adeus 
Ó DÌGBOSE! – adeus! 
ODINDI – completo 
O DI ÒSÁN – até à tarde 
ÓDÓ – jovem 
ODÒ – rio, pilão 
ÒDO – zero 
ÓDO – perto, na presença 
ÓDÓBINRIN – mulher jovem 
ODÒDÒ – verdade, justiça (Vd. OTITÓ, ÀKÓ
ÒDODÓ – flor 
ODODÚN – anual 
ODÓFIN - nome de um dos obá da direita de Xangô 
ODOFIN - bofe 
ODOFORÓ – pulmão (Vd. ÈDÒFÓRÓ, FÚKUFÚKÙ
ÓDÒGO – bobo, burro 
ODÓ-KERÉ – riacho (Vd. OWOLÉ, IBÚ
ODÓKÓ – puta, prostituta 
O DÒLA – até amanhã 
ODO OMI - rio que faz limite norte ocidental com Jebu 
ODÚ – destino (Vd. AYANMO, KADARA
ODÙ – Pronunciamento oracular resultante da prática divinatória com o òpèlè, com os cocos de dendê (vd.) ou com os búzios. Há 16 odù primários ou maiores. Suas combinações com os 16 secundários resultam em 256, cujos desdobramentos chegam a 4.096. Cada odù é nominado e pertence a uma divindade. 
ODÙDUWÀ ou ODUWA - “A mãe que recebe” – Divindade yorubá, ora apresentada, nos mitos, como masculino e irmão de Obàtálá (vd. também Cesto-da-criação), ora como feminino e, no caso, esposa deste último. Odùduwà significa "a cabaça de onde jorrou a vida". É evocada, no Brasil, em alguns terreiros e, também, no candomblé-dos-eguns de Itaparica (vd. Egúngún). 
ODUKUN – batata doce 
ODÚN – ano, tempo (Vd.
ODUNDUN – A folha-da-costa ou saião africano (Kalanchoe brasiliensis, Comb.). (CRASSULACEAE). Uma das folhas rituais mais importantes dos Candomblés. 
ODÚN KOJÁ – ano passado 
ODÚN N’BÁKÚ – o ano em que vamos morrer 
OFÀ – Designa o instrumento simbólico de Òsóòsi, consistindo num arco e flecha unidos em metal branco ou bronze. É o arco e flecha do caçador 
OFA – cidade situada há umas 20 milhas as nordeste da cidade de Ibadan 
ÒFÉ – de graça (Vd. OFÉ
ÓFÉ – assobio 
OFERE – Estrela D’alva 
OFÍ – tear (Vd. OWÚN, AWUNSO
ÒFIN – lei 
OFIN – armadilha 
OFO – zero, “não lavado” 
OFÒ - a perda 
ÓFO – lagarto (Vd. ALAMÚ, ALANGBA
OFÓ – feitiço, luto, feitiçaria, reza para Ossanhe para que ele desperte o axé contido nas folhas 
ÒFÓFÓ – fofoca 
OFORÓ – esquilo (Vd. OKERÉ) 
OFUN - nome do Odu de número 10 
ÒFUN - garganta 
ÒFURUFÚRU – ar, espaço ou respiração, firmamento 
ÒGÀ – camaleão (Vd. AGEMO
ÒGÁ – chefe (trabalho) 
OGA – Título honorífico conferido, seja pelo chefe do terreiro, seja por um Òrìsà incorporado, aos beneméritos da casa-de-santo, que contribuam com sua riqueza, prestígio e poder, para a proteção e o brilho do àse. Esse tipo de título admite uma série de especificações que abrangem, desde cargos administrativos, até funções rituais. A iniciação dos ogãs é mais breve e se distingue daquela dos iaôs, por excluir a catulagem, a raspagem e alguns outros rituais. Tal como as ekedji os ogãs não são passíveis de transe. 
ÒGÁ ILÉ KÍKÓ – arquiteto 
OGA-OGO – qualificação para Olorun (Oga – pessoa distinta ou valente e Ogo – deseje saber, elogie), pessoa distinta que merece honras 
OGBÀ – jardim (Vd. IGBÉ
ÓGBÁ - equilíbrio 
ÒGBÁ – companheiro (Vd. AJUMOJOGUN
OGBE – crista de galo 
OGBÈ – ferido 
OGBELÈ – seca (Vd. ÓDÁ
ÓGBÉNI – senhor (Vd. OLUWÀ, OLÚ
OGBIN – fazendeiro (Vd. ÀGBÈ, OLOKO, AROKO
OGBO ATO – ficar velho, vida longa 
OGBOBÓ – jovem (Vd. SOMODÉ, TITUN, TUTU
OGBOGBA – balança 
OGBON – arte, algarismo 30 
OGBÓN – juízo, sabedoria, inteligência 
OGBONI – sociedade de homens anciãos que adoram o orixá Onile 
OGBOYA – gato selvagem 
OGBUN – lugar, vala (Vd. KORÓ
ÒGÈDÈ – banana 
OGEDE – encantamento, feitiçaria 
OGENETÉ – frio (Vd. TUTÚ
OGERÒ – brando (Vd. TUJÚ, JÈJÈ
ÓGIGÍ – anzol 
OGINRIN - mulher 
OGIRI - parede 
OGO – caracter´stica do pênis. É derivado de “va” – esconder em uma postura dobrada ou inclinada 
ÒGÓ – glória, louvor, honra (Vd. ÌYÌN, BUYÍN FUN
OGODÔ - uma qualidade de Xangô. 
OGORIN – 80 (algarismo) 
ÒGÓGÓRÓ – aguardente, cachaça 
OGORUN – 100 (algarismo) 
OGORUN-ODUN – século 
OGOTA – 60 (algarismo) 
OGUÊ - instrumento de percussão feito de chifres de boi. 
ÓGUN – remédio (Vd. ÀSEJE
OGÙN – magia, feitiço 
OGUN – guerra, exército 
ÒGÚN“um que perfura”. Divindade da forja e dos usuários do ferro; por extensão, da guerra e da agricultura e, também, da caça ou de todas as demais atividades que envolvem a manipulação de instrumentos de ferro. É rei de Iré e por isso chamado, no Brasil, Oníré. Costuma ser representado por um semicírculo soldado a base por uma haste, no qual se encontram, pendurados no arco do semicírculo, todo o tipo de instrumentos, que, como o conjunto inteiro, são de ferro. É filho de Yemonja e irmão de Èsú e Òsóòsì. Por isso, tem a ver com os caminhos, a caça e a pesca. Pertence-lhe a faca sacrificial. Seu dia é a terça-feira. Saudação – "Ògún yé!"
OGUROPÓ – banco de barro 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou desta postagem? Deixe aqui seu comentário, sugestão, critica a fim de melhorar nossos serviços.