Follow by Email

quarta-feira, 7 de março de 2012

AS FESTAS DE OBRIGAÇÃO DENTRO DO CANDOMBLÉ

Obrigações 


Iyawo São os novos iniciados de Orixá da Casa de Candomblé, durante o período de sete anos, e serão subordinados pelas pessoas de Cargos/Posto da casa. E deve obediência aos seus mais velhos. E deverão concluir suas obrigações de 1, 3 e 7 anos. 

Ser Iyawo, além de outros preceitos, é permanecer recolhido por um período de 21 dias, passando por doutrinas e fundamentos, para conceber a força do Orixá. Saem da vida material e nascem na vida espiritual com um novo nome orùnkò. O Mòócan e os Delègún são os comprovantes e o diploma do iniciado. 

OBRIGAÇÃO DE UM ANO 


(Oduetá) ou (odú Kíní) São obrigações muito importantes é considerada como fim do resguardo do Iyawo após sua iniciação. Somente esta obrigação dará ao iniciado à liberdade de viver materialmente sem restrições na sociedade e no seu convívio familiar e pessoal. 

Até fazer um ano de feitura ou pagar sua obrigação de um ano (odú Kíní), ainda terá algumas restrições (ewo temporário. como cortar cabelo, tomar banho de mar e outros). Será feita na obrigação de um ano de feitura, uma nova festa para comemorar a data onde serão oferecidas: comida ritual, frutas e flores. 

OBRIGAÇÃO DE TRÊS ANOS 


(Oduetá) Esta obrigação é considerada a confirmação da continuidade do iniciado no Axé, e já está autorizado a conceber o seu ajuntó, e a começar ser liberado e graduado pelo seu Babalorixá, a usar fios com Seguis e Bràjà dependendo do Orixá, e poderá deixar de usar Mòócan e Delègún, (conforme orientação do Babalorixá)

Outra obrigação é feita aos três anos de feitura (odú kétà), algumas casas ou nações fazem também uma de cinco anos, mas no candomblé Ketu considera-se um ano, três e sete anos. Ele ou ela permanecerá como Iaô até completar os sete anos de feitura e fazer a obrigação de sete anos (odu ejé)

OBRIGAÇÃO DE SETE ANOS
 

(Oduijé) ou Odu ejé (a pronúncia do acento é fechada) É uma das maiores obrigações de uma casa de Candomblé, que todos os iniciados serão obrigados a tomar sem exceção. Com essa obrigação o iniciado poderá receber posto, cargo, titulo e direitos de independência do seu Babalorixá. 

Só quando fizer a obrigação de sete anos Odu ejé é que será considerado um Egbomi. 

A obrigação de sete anos é tão grande e importante quanto a feitura, nessa obrigação é que será definido se o Egbomi irá abrir uma casa ou não. A Iyalorixá entregará para o Egbomi no ato da festa seus pertences (jogo de búzios, pembas, favas, sementes, tesoura, navalha, tudo que vai precisar para iniciar Iaôs) no Ketu é chamado Odu Ijê com Oyê, em outras nações é chamado de Deká, Peneira, Cuia, etc. 

Caso o Orixá da pessoa não queira abrir uma casa e queira continuar na roça da Iyalorixá, o Orixá depositará os objetos recebidos nos pés da Iyalorixá e sua filha não abrirá uma casa, continuará na roça onde normalmente receberá um posto para ajudar a Iyalorixá. 

Quando o Orixá aceita, a Egbomi receberá todas as homenagens dos presentes pois está sendo consagrada como uma nova Iyalorixá; se for homem Babalorixá. Nesse caso terá que providenciar uma casa para onde será levado seu Orixá e iniciar um novo Ilê axé. 

OIYE - quer dizer titulo de independência, são pessoas que já tomaram seus sete anos e necessitam de um TITULO dado pelo seu Babalorixá, para ser independente e Zelador(a) de Orixás, sacerdócio. Esse Oiye pode ser também um cargo na casa do Babalorixá onde fez a obrigação. 

DEKA - é autorização (direitos) de conduzir a sua própria casa de Candomblé, atendimento de seus adeptos e consulentes, jogar búzios, tirar ebós e iniciar pessoas no Orixá, etc.. Na nação Jeje receberá um Húnjèbé é o Titulo de sacerdócio exclusivo da nação Jeje e um amuleto do Egbomi, é o diploma dado pelo Babalorixá para dar continuidade do aprendizado dos fundamentos dos Orixás.

9 comentários:

  1. Gostei, foi muinto esclarecedor para mim q estou me familiarizando com o assunto.

    ResponderExcluir
  2. Motumbá meu (minha) irmão (irmã). Agradeço de coração seu pronunciamento. Ficamos de fato felizes por estarmos de alguma forma ajudando em seu crescimento. Não deixe de participar e de nos visitar assiduamente, pois sempre temos novidades no BLOG. Nossos respeitos.

    ResponderExcluir
  3. motumba,sou edmilson ty omolu.sinceramenti muito lindo,mais vcs nao acha q postarao coisas q sao restrintas so para a genti q samos feitos na seitas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Motumba Edmilson T'Omulu. Antes de mais nada agradecemos sua postagem e sua colocação. Pois sendo certa ou errada o que nos importa é ver nossos leitores, interagindo conosco. Mas como toda colocação possui sua resposta nada melhor que tomarmos nosso direito de resposta para esta colocação. Veja bem não estamos aqui para dizer se estamos numa SEITA OU NÃO. Pois para nós, o CANDOMBLÉ, não é uma SEITA e sim UMA RELIGIÃO. Em segundo lugar, sempre nos preocupamos em postar o que é superficial de nossa RELIGIÃO, pois os SEGREDOS, os FUNDAMENTOS sempre deixamos claro que procurem seus BABALORIXÁS E OU SUAS YALORIXÁS PARA AS DEVIDAS EXPLICAÇÕES. Terceiro lugar, quanto a postagem em si, estamos superficialmente explicando sobre os nomes dados, contudo se prestar bem atenção não estamos mencionando como os preceitos são feitos, pois isto sim compete a quem já seja da RELIGIÃO e não da SEITA COMO O SENHOR COLOCOU. Acredito que deveria se informar melhor sobre os temas e nomes ou adjetivos dados à nossa religião com o seu ZELADOR de santo. Atenciosamente. Pedro de Ogum.

      Excluir
  4. mutumba,quando se toma odu eje e nao recebe se o deka,como que fica ?nao pode abrir casa nem fazer yaios,eu passei por isso gostaria que me esclarece se,pois o meu zelador nada me disse a respeito,sou de Oxum Opara

    ResponderExcluir
  5. Motumbá a todos me chamo Rosa sou filha de Oya tenho 18 anos de santo, mas infelizmente tive problemas na minha antiga roça de candomblé e sai. Ainda não sei minhas obrigações pois procuro uma casa de confiança, adorei a explicação é muito bom aprender.. Asé.

    ResponderExcluir

Gostou desta postagem? Deixe aqui seu comentário, sugestão, critica a fim de melhorar nossos serviços.