Follow by Email

terça-feira, 13 de novembro de 2012

COLETÂNEA OXÓSSI - A DIFUSÃO DO CULTO NA AMÉRICA


Um dos Orixás muito conhecido na África, mas é bastante difundido no Brasil, em Cuba e em outras partes da América; onde a cultura iorubá prevaleceu. 

Isso deve-se pelo fato da cidade de Kêtu, da qual era rei, ter sido destruída quase por completo em meados do século XVIII. Os seus habitantes, muitos consagrados a Oxóssi, terem sido vendidos como escravos no Brasil e nas Antilhas. Esse fato possibilitou o renascimento de Kêtu, não como estado, mas como importante nação religiosa do Candomblé. 

Oxóssi é o rei de Kêtu, segundo diz: a origem da dinastia. A ele, são conferidos os títulos de Alakétu, Rei, Senhor de Kêtu, e Onílé. O dono da Terra, pois na África cabia ao caçador descobrir o local ideal para instalar uma aldeia, tornando-se assim o primeiro ocupante do lugar, com autoridade sobre os futuros habitantes. É chamado de Olúaiyé ou Oni Aráaiyé, senhor da humanidade, que garante a fartura para os seus descendentes. 

Na história da humanidade, Oxóssi cumpre um papel civilizador importante, pois na condição de caçador representa as formas mais arcaicas de sobrevivência humana. A própria busca incessante do homem por mecanismos que lhe possibilitem se sobressair no espaço da natureza e impor a sua marca no mundo desconhecido. 

A coleta e a caça são formas primitivas de busca de alimento. São os domínios de Oxóssi. Orixá que representa aquilo que há de mais antigo na existência humana: a luta pela sobrevivência. 

Oxóssi é o orixá da fartura e da alimentação, aquele que aprende a dominar os perigos da mata e vai em busca da caça para alimentar a tribo. Mais do que isso, representa o domínio da cultura (entendendo a flecha como utensílio cultural, visto que adquire significados sociais, mágicos, religiosos) sobre a natureza. 

Astúcia, inteligência e cautela são os atributos de Oxóssi, pois, como revela a sua história através de um de seus itans: esse caçador possui uma única flecha, por tanto, não pode errar a presa, e jamais erra. 

Oxóssi é o melhor naquilo que faz, está permanentemente em busca da perfeição. 

Na África, os caçadores que geralmente são os únicos na aldeia que possuem as armas, têm a função de guardar a tribo, são chamados de Oxô, que significa guardião. Oxóssi também foi um Òsó, mas foi um guardião especial, pois salvou seu povo do terrível pássaro das Iyá-Mi. 

Outras histórias relacionadas com Oxóssi apontam-no como irmão de Ogum. Juntos, eles dominaram a floresta e levaram o homem à evolução. Além de irmão, Oxóssi é grande amigo de Ogum – dizem até que seria seu filho, e onde está Ogum deve estar Oxóssi, as suas forças completam-se e, unidas, são ainda mais imbatíveis. 

Oxóssi mantém estreita ligação com Ossaim (Òsanyìn), com quem aprendeu o segredo das folhas e os mistérios da floresta, tornou-se um grande feiticeiro e senhor de todas as folhas, mesmo tendo que se sujeitar aos seus encantamentos. 

A história mostra Oxóssi como filho de Iemanjá, mas a sua verdadeira mãe, segundo o mais antigos, é Apaoká, a jaqueira, que vem a ser uma das Iyá-Mi, por isso a intimidade de Oxóssi com essa árvore. 

A rebeldia de Oxóssi é algo latente na sua história. Foi desobedecendo às interdições que Oxóssi se tornou orixá. Tal como Xangô, Oxóssi é um orixá avesso à morte, porque é expressão da vida. A Oxóssi não importa o quanto se viva, desde que se viva intensamente. O frio de Ikú (a morte) não passa perto de Oxóssi, pois ele não acredita nela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou desta postagem? Deixe aqui seu comentário, sugestão, critica a fim de melhorar nossos serviços.